• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 30 Novembro 2023    |      Directora: Inês Vidal; director-adjunto, João Carlos Lopes    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 14° / 4°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 15° / 5°
Períodos nublados
Sex.
 14° / 7°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  18° / 10°
Céu muito nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Pés e cabeça - josé ricardo costa

Opinião  »  2023-09-04  »  José Ricardo Costa

Ainda garoto, meti na cabeça que era anarquista só porque pensava e dizia umas coisas subversivas. Graças a Deus, que nesse tempo era Bakunine, depressa percebi que estava apenas a ser parvo. Cheguei mesmo a ver como se faziam cocktails Molotov, mas devido à Físico-Química ser a minha pior disciplina e a uma tremenda inépcia manual, eu seria sempre a primeira vítima da minha subversão. E quanto aos Molotov, a minha preferência ia mais para aqueles com doce de ovos, bem menos perigosos, excepto se armadilhados com salmonelas.

Também parvoíce, e da catedrática, há-de ter sido o que levou à decapitação do S. António ali na rotunda. Antes ficassem os terroristas sossegados a tentarem ser poetas malditos ante um copo de absinto, a ler os clássicos russos, ou se isso for pedir muito, a entreterem-se com umas imperais e tremoços enquanto dizem mal da religião e da igreja, caso a parvoíce tivesse motivação ideológica.

Acontece que a minha costela hegeliana, sempre de olho na força da negatividade, levou-me a uma leitura mais generosa deste crime de lesa-santo. Santo que sempre me deixou indiferente, o mesmo já não podendo dizer da estátua pela angustiante fatalidade de ter de passar por ela várias vezes ao dia, como se não bastasse já o restante filme de terror que, com honrosas excepções, é a arte pública em Torres Novas.

Angústia que começou logo na primeira vez que me deparei com a estátua, ao ver dela emanar o fétido bafo do mau gosto que logo me causou uma convulsão visual que me envesgou o olhar e revirou as entranhas mentais. Apesar de nesse dia a estátua ter ainda a cabeça tão assente nos ombros como os pés no chão, logo a considerei artisticamente sem «pés nem cabeça», descendo ao subterrâneo nível da Cova da Iria, embora não, infelizmente, do museu de cera, para que assim derretesse mal chegasse o Verão. Não pude assim deixar de apreciar, alguns dias depois, a figura do santo já despojado da sua cabeça, bem mais arejada e de acordo com padrões estéticos e artísticos contemporâneos.

Mesmo que sejamos conservadores, apreciando uma escultura mais clássica, a rigidez bizantina e anémica lividez da estátua oferecem-nos a sugestão de uma peça grega ou romana. Aceitando-se a sugestão, haverá então coisa mais bela, misteriosa e romântica do que uma estátua incompleta? A Vénus de Milo teria hoje o mesmo encanto com os braços? Ou a Vitória de Samotrácia com a cabeça? Como teria Rilke escrito o belo poema sobre o arcaico torso de Apolo se lá estivesse a cabeça? Não por acaso, desde o século XVIII que há um fascínio pela incompletude das ruínas, sendo mesmo construídas de raiz como acontece em Monserrate, uma folly, é verdade, mas belo e fértil alimento para os olhos.

Mas também é bom lembrar que estamos no século XXI e que existe arte do Gótico para a frente. Daí que, se Torres Novas quer estar também no centro do progresso artístico, mais apropriado do que ver o santo e o menino como se estivessem a posar para uma fotografia dos anos 20 do século passado, será exibir a verdadeira essência do santo, em consonância com os mais ousados cânones da arte moderna, segundo os quais um rosto não tem de ter boca ou nariz, ou a boca pode estar para um lado e o nariz para o outro e outras coisas assim do género.

A qualquer artista contemporâneo pararia a digestão se depois de almoço visse a estátua ainda com cabeça, por saber bem, como dizia Picasso, que a arte é para manifestar o que se pensa, não o que se vê, o que não implica nada contra as cabeças, como acontece com a de D. Sancho em frente ao castelo. E no que pensa o povo quando confrontado com a figura do santo? Durante as suas festas, passará pela cabeça de algum católico com uma perna de frango numa mão e uma mini na outra, a ideia do popular santo como Pater Scientia? A alguém que vai na procissão, passará pela sua católica consciência uma devoção ao Malleus Hereticorum? Algum casal que canta na marcha faz ideia de quem foi o Doctor Veritatis que impressionou a Europa intelectual do seu tempo?

Por isso, se o artista contemporâneo visse a estátua já sem a cabeça, em vez de parar a digestão, activaria a cabeça, a sua, claro, para reflectir no verdadeiro significado da obra, ocorrendo-lhe então pensar que o que os devotos católicos veneram não é o intelectual, disposição que por inerência não dispensaria a cabeça numa estátua de Aristóteles ou Nuno Rogeiro, mas o homem santo, bom e milagreiro, tudo coisas que vêm do coração, ou de um órgão místico bem arredado da caixa craniana.

Daí que um S. António sem cabeça consiga o verdadeiro milagre de conciliar uma linguagem artística contemporânea, a qual desvaloriza toda e qualquer rigidez mimética, com a verdadeira essência do santo, para o povo que dança e canta na marcha, se atira à sardinha na festa e que o venera no silêncio da procissão.

Por isso, embora algo paradoxal, uma estátua do S. António sem cabeça é a que terá verdadeiramente mais pés e cabeça, devendo assim ficar para sempre, embora, ideal, ideal, ideal, tenho que admitir, seria ficarem só mesmo os ciprestes.

 

  FOTO: Cemitério Dorotheenstädtischer II, Berlim

 

 

 Outras notícias - Opinião


Sozinho em Gaza... »  2023-11-24  »  Hélder Dias

PÁSCOA - josé mota pereira »  2023-11-21  »  José Mota Pereira

Um sobressalto. Sim, é um sobressalto a forma como aqueles nomes nos saltam para os olhos e as suas vidas, tão reais e tão concretas, nos interpelam na descrição dos seus processos na Inquisição e que descobrimos através do trabalho de investigação de António Mário Lopes dos Santos, agora editado em livro pelo Município de Torres Novas: “ Os judeus em Torres Novas - a repressão inquisitorial no concelho de Torres Novas (séc XVI-XVII).
(ler mais...)


O pântano das facilidades - antónio gomes »  2023-11-21  »  António Gomes

Depois de na passada primavera termos assistido àqueles folhetins que, todos somados, levaram à demissão de 13 membros do governo e dos sucessivos escândalos em que o governo do PS estava sempre por perto, em que o caso da indemnização de 500 mil euros à administradora da TAP é talvez o caso mais conhecido, nada fazia prever que ainda íamos assistir ao terramoto político de maiores proporções que se abateu sobre o governo de Portugal.
(ler mais...)


Goodbye Marx - josé ricardo costa »  2023-11-21  »  José Ricardo Costa

Apesar da sua grande importância durante o Império Romano, do qual há muitos vestígios, ou a Idade Média, Trier é hoje apenas uma simpática cidade da Renânia-Palatinado, bem encostadinha ao Luxemburgo.
(ler mais...)


Jogada de mestre - antónio mário santos »  2023-11-21  »  António Mário Santos

Deixem-me ser claro. A crise em que Portugal se encontra não me apanhou de surpresa. A maioria absoluta do Partido Socialista submeteu-se, desde as eleições legislativas, a quem lhe dera origem: António Costa. Por sua vez, a sua maioria na Assembleia retirara-lhe capacidade de intervenção partidária, submetida aos interesses do vencedor eleitoral, cuja palavra se tornou magister dixit.
(ler mais...)


Guerras culturais - jorge carreira maia »  2023-11-21  »  Jorge Carreira Maia

Gostaria de falar neste artigo do acontecimento que, na semana passada, arrastou a queda do governo. Confesso, todavia, que ainda não percebi o que se passou. Deixo isso de lado e volto-me para uma revista. Tem o nome de Crítica XXI e é dirigida por Rui Ramos e Jaime Nogueira Pinto, dois influentes intelectuais da direita portuguesa.
(ler mais...)


Em flagrante delítio... »  2023-11-12  »  Hélder Dias

Conselhos do Sócrates... »  2023-11-09  »  Hélder Dias

Quem tropeça também cai »  2023-11-08  »  Hélder Dias

SOS... »  2023-11-02  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2023-11-09  »  Hélder Dias Conselhos do Sócrates...
»  2023-11-02  »  Hélder Dias SOS...
»  2023-11-12  »  Hélder Dias Em flagrante delítio...
»  2023-11-08  »  Hélder Dias Quem tropeça também cai
»  2023-11-24  »  Hélder Dias Sozinho em Gaza...