• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 22 Fevereiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 20° / 6°
Céu limpo
Dom.
 22° / 6°
Céu limpo
Sáb.
 21° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

As Claques

Opinião  »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

"Não fala um caloiro. Tenho anos de jogos do C.D. Torres Novas, sou bacharel em Estádio da Luz "

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta. Eu só queria mesmo era ver o jogo, vá, um jogo em que o Benfica ganhasse, e ganhou, mas cujo preço foi uma dor de cabeça, alguns sustos, e um estado de atordoamento como se em vez de massa cinzenta tivesse massa adepta dentro da cabeça.

Não fala um caloiro. Tenho anos de jogos do C.D. Torres Novas, sou bacharel em Estádio da Luz e até fiz uma cadeira, por sinal num domingo, no Euro 2004, quando o Nuno Gomes enviou nuestros hermanos para casa (eu sabia que um dia teria a oportunidade de escrever “nuestros hermanos”). Mas foi em Aveiro que me estreei a ver um jogo de futebol, corrijo, a tentar ver um jogo de futebol, por entre uma amálgama frenética de corpos e bandeiras, e sob uma pressão de cacofónicos fraseados que deixariam o saxofone do Anthony Braxton a morrer de inveja.

Daí saber que do que o genuíno adepto português gosta é de apreciar o jogo sentadinho no seu lugar, com uma certa circunspecção filosófica e felina atenção, tecendo um ou outro reflexivo comentário de perspicaz treinador de bancada. Houve um tempo, quando os jogos eram todos à mesma hora, em que o espírito analítico de muitos chegava ao ponto de ter um transístor colado ao ouvido para acompanhar, com a mesma atenção com que noutros tempos se ouvia a BBC ou a Rádio Portugal Livre em Argel, a evolução do marcador noutros campos. Atenção: não é um adepto frio e abúlico. Apenas reserva a catarse emocional para quando vale mesmo a pena, isto é, quando a equipa entra em campo, marca golo, faz pressing no meio campo adversário para virar um resultado, para assumir um veemente espírito crítico ou até de revolta face à equipa de arbitragem, o qual, só quem nada percebe de futebol confunde com os orwellianos dois minutos de ódio, no 1984. Não se trata de um distópico fanatismo, antes de uma reacção natural quando se conspira contra o seu clube, revelando o mesmo tipo de racionalidade ética de um cão que morde quando se sente ameaçado.

Daí o aparecimento das claques, copiadas de outras paragens, sendo tão genuinamente portuguesas como a coca-cola, virem pôr em causa a velha e discreta elegância da bancada, transformada num grotesco espaço carnavalesco que lembra certas telas de James Ensor ou certas assembleias gerais do Sporting. Nos antípodas, portanto, dessa melancólica via lusitana de ir fumando pensativos cigarros enquanto se sofre por dentro. Havia lá maneira mais portuguesa de ver futebol do que estar num FCP-Penafiel numa fria e chuvosa noite de Janeiro dos anos 80, com um estádio silenciado a ouvir Lourenço, o mítico trompetista do estádio das Antas, soprando pasos dobles, famosas árias de ópera ou êxitos de Tonicha, enquanto João Pinto passa para Bandeirinha, que faz arrancar Jorge Couto pela lateral até o esférico chegar a Kostadinov para a estocada final. A parte menos poética era só mesmo o Kostadinov marcar demasiadas vezes.

Com ou sem trompetista, um estádio português é povoado por indivíduos de rosto humano e não por hordas bárbaras, massas compactas que gostam de fazer espectáculo dentro do único espectáculo que interessa: o sinuoso destino do esférico rolando entre as quatro linhas.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Mulher »  2019-02-21  »  Margarida Oliveira

Se é adquirido que com o 25 de Abril de 1974, as mulheres alcançaram o reconhecimento dos seus direitos mais fundamentais, exigindo a igualdade na vida, entre mulheres e homens, certo é, que fora o que seria obrigatório conceder, com o objectivo de serenar os ânimos reivindicativos femininos, praticamente tudo continua por fazer.
(ler mais...)


Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar. »  2019-02-21  »  José Ricardo Costa

Por estranho que pareça, houve um tempo em que se ia ao restaurante sobretudo para comer. Sim, também para conviver, comemorar, fazer negócios, mas sempre com o prazer da boa mesa como alvo. Nós, portugueses, para além de comer adoramos falar sobre o que comemos, nem que seja para lembrar, com a expressão lúbrica do lobo dos desenhos animados, o maravilhoso cabrito com grelos que comemos há 20 anos.
(ler mais...)


Aero… coisa, mas muito séria »  2019-02-21  »  António Gomes

A noticia teve origem na informação prestada em reunião de câmara pelo vice-presidente da mesma: aeroporto internacional, 4 Kms de pista, 160 voos/dia, 200 milhões de investimento, etc..

E foi apresentada com pompa e circunstância, uma grande mais valia para Torres Novas e arredores.
(ler mais...)


Opções »  2019-02-21  »  Anabela Santos

E de repente, quando somos agradavelmente surpreendidos por um montante razoável em euros de que não estávamos à espera, a reação é de espanto e de alegria. Faz falta, é sempre bem vindo.

A partir do momento em que recebemos tão agradável notícia, impõe-se um pensamento … o que fazer com todo o dinheiro recebido?
O mais correto e consciente seria poupar, mas como há tantas coisas pendentes que nunca foram resolvidas por não haver essa tal quantia, a hipótese da poupança põe-se logo de parte.
(ler mais...)


Para quê tanto vermelho? »  2019-02-21  »  Ana Sentieiro

O Dia de São Valentim é, à semelhança do Carnaval, do Dia da Mulher, do Dia da Aproximação do Pi ou do próprio Dia do Pi, uma celebração à qual não foi atribuída o estatuto de feriado e, como tal, não é respeitada no agregado de festividades.
(ler mais...)


Beija o chão e abraça a humilhação »  2019-02-15  »  Ana Sentieiro

Olá! O meu nome é Ana, mas podes tratar-me por “caloira” num tom agressivo e um tanto incomodativo ou, se preferires, “besta”, acompanhado com “Enche vinte!” entoado de um modo pouco sugestivo.
Desde miúdos que somos inevitavelmente encurralados, durante um almoço com amigos dos nossos pais, no meio de breves golos de cerveja e rápidas trincas no papo-seco com patê de atum, na conversa dos “áureos tempos de faculdade”… Esta conversa consiste na partilha de histórias que remontam ao tempo em que todos eles possuíam um farfalhudo cabelo e conseguiam apertar o cinto das calças, bem como subir ao segundo andar sem se agarrarem ao corrimão com a língua de fora e a respiração acelerada.
(ler mais...)


Caixa, Marcelo, Venezuela e Papa »  2019-02-08  »  Jorge Carreira Maia

1. CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS. O que se tem vindo a saber da Caixa Geral de Depósitos dá razão aos que, na União Europeia, julgam ser necessário impor uma espécie de protectorado aos países do sul da Europa.
(ler mais...)


Lisboetas? »  2019-02-07  »  Inês Vidal

Tento fazer este exercício: o que é que as pessoas que não conhecem Torres Novas ficaram a saber sobre o nosso concelho, depois de lerem o artigo publicitário disfarçado de reportagem, que saiu no sábado numa alegada revista, de um honrado semanário nacional? Ora bem.
(ler mais...)


Caminhamos para o abismo »  2019-02-07  »  António Gomes

Foi recentemente colocado em discussão pública (já terminada) o Plano Estratégico Educativo Municipal para os próximos 4 anos. Este plano é da responsabilidade da autarquia, que o encomendou a um centro de estudos da Universidade Nova de Lisboa coordenado pelo professor David Justino.
(ler mais...)


Caridade ou justiça social »  2019-02-07  »  Anabela Santos

O “Gui” que não é Gui, torrejano que não é torrejano, miúdo que já não é miúdo, vagueia pela cidade durante o dia e noite absorvido pelos seus pensamentos, com um olhar vago, distante.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-01-28  »  Inês Vidal Quim
»  2019-01-25  »  Jorge Carreira Maia Lições de História
»  2019-01-30  »  Gabriel Feitor O Ribatejo foi, mais uma vez, adiado
»  2019-02-07  »  Inês Vidal Lisboetas?
»  2019-02-08  »  Jorge Carreira Maia Caixa, Marcelo, Venezuela e Papa