• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 15 Agosto 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 30° / 18°
Períodos nublados
Seg.
 30° / 19°
Períodos nublados com chuva fraca
Dom.
 28° / 15°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  27° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

As Claques

Opinião  »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

"Não fala um caloiro. Tenho anos de jogos do C.D. Torres Novas, sou bacharel em Estádio da Luz "

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta. Eu só queria mesmo era ver o jogo, vá, um jogo em que o Benfica ganhasse, e ganhou, mas cujo preço foi uma dor de cabeça, alguns sustos, e um estado de atordoamento como se em vez de massa cinzenta tivesse massa adepta dentro da cabeça.

Não fala um caloiro. Tenho anos de jogos do C.D. Torres Novas, sou bacharel em Estádio da Luz e até fiz uma cadeira, por sinal num domingo, no Euro 2004, quando o Nuno Gomes enviou nuestros hermanos para casa (eu sabia que um dia teria a oportunidade de escrever “nuestros hermanos”). Mas foi em Aveiro que me estreei a ver um jogo de futebol, corrijo, a tentar ver um jogo de futebol, por entre uma amálgama frenética de corpos e bandeiras, e sob uma pressão de cacofónicos fraseados que deixariam o saxofone do Anthony Braxton a morrer de inveja.

Daí saber que do que o genuíno adepto português gosta é de apreciar o jogo sentadinho no seu lugar, com uma certa circunspecção filosófica e felina atenção, tecendo um ou outro reflexivo comentário de perspicaz treinador de bancada. Houve um tempo, quando os jogos eram todos à mesma hora, em que o espírito analítico de muitos chegava ao ponto de ter um transístor colado ao ouvido para acompanhar, com a mesma atenção com que noutros tempos se ouvia a BBC ou a Rádio Portugal Livre em Argel, a evolução do marcador noutros campos. Atenção: não é um adepto frio e abúlico. Apenas reserva a catarse emocional para quando vale mesmo a pena, isto é, quando a equipa entra em campo, marca golo, faz pressing no meio campo adversário para virar um resultado, para assumir um veemente espírito crítico ou até de revolta face à equipa de arbitragem, o qual, só quem nada percebe de futebol confunde com os orwellianos dois minutos de ódio, no 1984. Não se trata de um distópico fanatismo, antes de uma reacção natural quando se conspira contra o seu clube, revelando o mesmo tipo de racionalidade ética de um cão que morde quando se sente ameaçado.

Daí o aparecimento das claques, copiadas de outras paragens, sendo tão genuinamente portuguesas como a coca-cola, virem pôr em causa a velha e discreta elegância da bancada, transformada num grotesco espaço carnavalesco que lembra certas telas de James Ensor ou certas assembleias gerais do Sporting. Nos antípodas, portanto, dessa melancólica via lusitana de ir fumando pensativos cigarros enquanto se sofre por dentro. Havia lá maneira mais portuguesa de ver futebol do que estar num FCP-Penafiel numa fria e chuvosa noite de Janeiro dos anos 80, com um estádio silenciado a ouvir Lourenço, o mítico trompetista do estádio das Antas, soprando pasos dobles, famosas árias de ópera ou êxitos de Tonicha, enquanto João Pinto passa para Bandeirinha, que faz arrancar Jorge Couto pela lateral até o esférico chegar a Kostadinov para a estocada final. A parte menos poética era só mesmo o Kostadinov marcar demasiadas vezes.

Com ou sem trompetista, um estádio português é povoado por indivíduos de rosto humano e não por hordas bárbaras, massas compactas que gostam de fazer espectáculo dentro do único espectáculo que interessa: o sinuoso destino do esférico rolando entre as quatro linhas.

 

 

 Outras notícias - Opinião


As nossas vozes - josé mota pereira »  2020-07-27  »  José Mota Pereira

Muitas vezes, a comunicação social local é acusada de ser um instrumento ao serviço do caciquismo.

 Outras tantas vezes, também não é difícil de desmentir que a comunicação social local e regional (jornais e rádios) é apenas páginas de jornais ou horas de rádio vazias desprovidas de conteúdo ou interesse.
(ler mais...)


E se António Rodrigues? »  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia

Se António Rodrigues não se candidatar à presidência do Município, Pedro Ferreira será, sem dificuldade, reeleito. A entrada de António Rodrigues na corrida poderá, contudo, perturbar o passeio dos socialistas.
(ler mais...)


TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira »  2020-07-18  »  José Mota Pereira

Em 1985, as pessoas da zona alta vinham à vila. E diziam-no quando vinham ao centro! Ainda hoje, passados 35anos, vem-se à vila. Eram bem diferentes os limites físicos. A vila terminava junto à capela de Santo António e todas as urbanizações circundantes à Av.
(ler mais...)


530 mil - rui anastácio »  2020-07-18  »  Rui Anastácio

É o número de jovens que abandonaram o país nos últimos 10 anos.

Perante este número, é impossível não concluir que somos um país falhado. Não somos só um país falhado.
(ler mais...)


Zona industrial em Riachos - antónio gomes »  2020-07-18  »  António Gomes

As zonas industriais são espaços de ordenamento do território. Só com a sua implementação se consegue evitar a construção de empresas em locais que se destinam a outros fins e que não estão minimamente preparados para receber determinado tipo de actividades.
(ler mais...)


Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela »  2020-07-18  »  Mariana Varela

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção.
(ler mais...)


Por onde ir? - acácio gouveia »  2020-07-18  »  Acácio Gouveia

É gratificante apercebermo-nos de que há jovens que canalizam a sua irrequietude para o pensamento crítico e para opinar sobre política. O texto da jovem Mariana Varela é um bom ponto de partida para discussão sobre perspectivas de alternativas ao caminho actual do mundo.
(ler mais...)


Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes »  2020-07-18  »  João Carlos Lopes

1. Ser cidade não vale um caracol, não acrescenta uma vírgula a nenhum campeonato. Em Portugal, “cidade” não é nenhuma categoria político-administrativa, tratando-se de um título meramente honorífico.
(ler mais...)


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia E se António Rodrigues?
»  2020-07-27  »  José Mota Pereira As nossas vozes - josé mota pereira