• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 18 de Agosto de 2018
Pesquisar...
Ter.
 37° / 22°
Períodos nublados
Seg.
 38° / 23°
Céu limpo
Dom.
 37° / 21°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  36° / 19°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

As Claques

Opinião  »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

"Não fala um caloiro. Tenho anos de jogos do C.D. Torres Novas, sou bacharel em Estádio da Luz "

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta. Eu só queria mesmo era ver o jogo, vá, um jogo em que o Benfica ganhasse, e ganhou, mas cujo preço foi uma dor de cabeça, alguns sustos, e um estado de atordoamento como se em vez de massa cinzenta tivesse massa adepta dentro da cabeça.

Não fala um caloiro. Tenho anos de jogos do C.D. Torres Novas, sou bacharel em Estádio da Luz e até fiz uma cadeira, por sinal num domingo, no Euro 2004, quando o Nuno Gomes enviou nuestros hermanos para casa (eu sabia que um dia teria a oportunidade de escrever “nuestros hermanos”). Mas foi em Aveiro que me estreei a ver um jogo de futebol, corrijo, a tentar ver um jogo de futebol, por entre uma amálgama frenética de corpos e bandeiras, e sob uma pressão de cacofónicos fraseados que deixariam o saxofone do Anthony Braxton a morrer de inveja.

Daí saber que do que o genuíno adepto português gosta é de apreciar o jogo sentadinho no seu lugar, com uma certa circunspecção filosófica e felina atenção, tecendo um ou outro reflexivo comentário de perspicaz treinador de bancada. Houve um tempo, quando os jogos eram todos à mesma hora, em que o espírito analítico de muitos chegava ao ponto de ter um transístor colado ao ouvido para acompanhar, com a mesma atenção com que noutros tempos se ouvia a BBC ou a Rádio Portugal Livre em Argel, a evolução do marcador noutros campos. Atenção: não é um adepto frio e abúlico. Apenas reserva a catarse emocional para quando vale mesmo a pena, isto é, quando a equipa entra em campo, marca golo, faz pressing no meio campo adversário para virar um resultado, para assumir um veemente espírito crítico ou até de revolta face à equipa de arbitragem, o qual, só quem nada percebe de futebol confunde com os orwellianos dois minutos de ódio, no 1984. Não se trata de um distópico fanatismo, antes de uma reacção natural quando se conspira contra o seu clube, revelando o mesmo tipo de racionalidade ética de um cão que morde quando se sente ameaçado.

Daí o aparecimento das claques, copiadas de outras paragens, sendo tão genuinamente portuguesas como a coca-cola, virem pôr em causa a velha e discreta elegância da bancada, transformada num grotesco espaço carnavalesco que lembra certas telas de James Ensor ou certas assembleias gerais do Sporting. Nos antípodas, portanto, dessa melancólica via lusitana de ir fumando pensativos cigarros enquanto se sofre por dentro. Havia lá maneira mais portuguesa de ver futebol do que estar num FCP-Penafiel numa fria e chuvosa noite de Janeiro dos anos 80, com um estádio silenciado a ouvir Lourenço, o mítico trompetista do estádio das Antas, soprando pasos dobles, famosas árias de ópera ou êxitos de Tonicha, enquanto João Pinto passa para Bandeirinha, que faz arrancar Jorge Couto pela lateral até o esférico chegar a Kostadinov para a estocada final. A parte menos poética era só mesmo o Kostadinov marcar demasiadas vezes.

Com ou sem trompetista, um estádio português é povoado por indivíduos de rosto humano e não por hordas bárbaras, massas compactas que gostam de fazer espectáculo dentro do único espectáculo que interessa: o sinuoso destino do esférico rolando entre as quatro linhas.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)


O operário »  2018-08-15  »  Anabela Santos

O tempo está ameno, um dia claro, de um azul celeste. O convite para sair de casa estava feito pelas cores e o som da natureza.

Não sei se foi o corpo ou a alma que me empurraram da zona alta para o centro da cidade. Mas fui… E não não vou falar da degradação do centro histórico.
(ler mais...)


Ganha fama e senta-te à sombra da bananeira »  2018-08-15  »  Maria Augusta Torcato

Esta é uma crónica pequenina, muito ligeira, leve e fresca, como devem ser as refeições nos dias de muito calor e em período de férias. A crónica “das férias” virá na seguinte ronda de escritaria.
(ler mais...)


Época balnear »  2018-08-15  »  António Gomes

Na época balnear, o primeiro dia de visita à praia é sempre assim: quais são as novidades? A organização da coisa - os espaços para estacionamento, os acessos à dita, o espaço para arear… tudo na mesma, pouco mudou ou pelo contrário, grandes mudanças? Isto para quem vai sempre para o mesmo local… parece que não sabemos outro caminho, é prá li e pronto.
(ler mais...)


O meu Ti Boino »  2018-08-09  »  Maria Augusta Torcato

O meu Ti Boino foi-se. Faltavam-lhe dois aninhos para chegar aos cem.

A notícia chegou hoje, nesta terça feira de julho, logo pela manhazinha, e eu, que nunca tenho tempo para retornar a casa, porque a nossa terra é e será sempre a nossa casa, mesmo que nela não tenhamos passado mais do que um oitavo dos anos que temos, lá vou amanhã, quarta feira, também de manhazinha, para o acompanhar à sua última morada.
(ler mais...)


Um tema leve para o Verão »  2018-07-30  »  Nuno Curado

Tenho andado a pensar num tema ligeiro sobre o qual escrever nesta crónica, porque, pronto, é Verão e está calor e ninguém tem vontade de gastar energia a preocupar-se com temas importantes. Por isso é que nos telejornais lá temos as habituais reportagens na praia sobre a temperatura da água do mar, ou na Amareleja sobre os impressionantes 45 graus que lá se fazem sentir… todos os anos sem diferença… Quer dizer, este ano ainda não.
(ler mais...)


Torto e fora dos eixos »  2018-07-28  »  Jorge Carreira Maia

Tornou-se um lugar comum aproximar duas ideias que emergiram na mesma época, mas em obras literárias diferentes. Em Hamlet, William Shakespeare fazia notar que “O mundo está fora dos eixos. Oh! Sorte maldita! … Por que nasci para colocá-lo em ordem!”.
(ler mais...)


Um concubinato de conveniência »  2018-07-12  »  Jorge Carreira Maia

Desde o início que a actual solução governativa sofre de um pecado mortal. Este reside num governo onde só um dos partidos de esquerda tem assento. Ao escolher o caminho mais fácil, a esquerda resolveu alguns problemas de momento.
(ler mais...)


Obstipação intestinal: um mal cada vez mais presente »  2018-07-12  »  Juvenal Silva

A obstipação intestinal, também conhecida como prisão de ventre, é uma doença gastrointestinal cada vez mais presente e, com um grau de Incidência preocupante, já na idade infantil. Num organismo saudável, o percurso da matéria residual pelo trato digestivo, corresponde a um ciclo previsível e regular que poderá oscilar entre 6 a 24 horas.
(ler mais...)


F »  2018-07-12  »  José Ricardo Costa

Admito ser um bocadinho conservador, sobretudo naqueles dias em que acordo com uma certa vontade de lavar os dentes com pasta medicinal Couto e de ter um mordomo chamado Jeeves para me trazer o fato às riscas enquanto faz o resumo do Financial Times.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-08-09  »  Maria Augusta Torcato O meu Ti Boino
»  2018-08-15  »  Maria Augusta Torcato Ganha fama e senta-te à sombra da bananeira
»  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia Protectorado