• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 05 Março 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 16° / 7°
Períodos nublados
Dom.
 19° / 8°
Períodos nublados
Sáb.
 20° / 6°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  17° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal

Opinião  »  2021-02-20  »  Inês Vidal

"O PSD, farto de saber que o homem em questão teria sido vacinado, caladinho ficou e esperou que fizessem queixinhas à vereadora"

 1. O PSD de Torres Novas é uma anedota. Ao mesmo tempo que digo isto, ouço já ao fundo vozes a erguerem-se contra esta forma crua e dura de arrancar com este texto. Imagino até as conclusões de quem tem facilidade de falar sem saber: é do Bloco, dizem uns, comunista desde sempre, atiram outros, indo ainda mais longe, lembrando que dirige aquele pasquim comunista, conforme aprenderam com o ex-presidente socialista. Mas na minha humilde opinião, não vale a pena começarem já a criticar quem se limita a deixar correr a tinta. Não passo do mensageiro, aquele que tem a distinta lata de dizer o que muitos pensam e poucos dizem, com as letras todas e ainda, se necessário, soletrá-lo bem alto: o PSD de Torres Novas é uma anedota. Está uma anedota. Tem vindo a tornar-se uma verdadeira anedota.

Já não é a primeira vez que aqui o digo. Como referi há um tempo, tenho uma tendência recorrente a repetir-me, mas não me crucifiquem por isso, a culpa não é somente minha. Se a coisa não melhora, se ninguém avança, se a triste actuação continua, que remédio tenho eu se não, obviamente, continuar a repetir-me por muito tempo?

O PSD de Torres Novas está uma anedota. Mas que nenhum social-democrata salte fora da sua responsabilidade e culpe apenas o outro. Tão culpado é o inerte que lá está, como o que em casa - quotas pagas ou não - se limita a criticar, a apontar o dedo, a mostrar-se envergonhado do partido que outrora foi e naquilo em que se tornou, não tendo a coragem de se levantar para dar o merecido murro na mesa, aquele murro que um partido de tamanha dimensão merecia que alguém desse.

Há muito que aqui disse que o PSD tem sangue nas mãos pela gestão socialista de décadas, que uma vez por outra se lembra de criticar. Nunca soube, ou nunca quis, fazer frente a um PS que, liderado por um prepotente candidato, foi criando raízes e veio para ficar. Raízes que acabou por deixar aos que lhe sucederam, que mal ou bem, goste-se ou não (quem os elegeu, que se deite com a sua consciência), por lá vão escrevendo a história de todos nós.

Os históricos do PSD local, que um dia foi grande e poder, desistiram, entregaram comodamente a responsabilidade aos jovens que vieram a seguir, lavando daí as mãos, não se comprometendo com o rumo que a coisa vai tomando. É sempre mais fácil responsabilizar o outro. Dizer-se o quanto gostariam que fosse diferente, mas continuar a ver afundar o barco, juntamente com quem o comanda e no final ainda pisar e esborrachar quem, mal ou bem, continuou a dar a cara. Os jovens, imaturos e sem sensatez suficiente para ver que não sabiam tudo, assumiram o controlo, com aquele fogo da juventude que acha que pode tudo. Sobrou-nos um PSD mais preocupado com o blazer à Paulo Portas, do que propriamente com o futuro de Torres Novas e dos torrejanos, com medo de fazer política, quando esta é o único garante da defesa dos direitos dos munícipes, em especial daqueles que lhes deram o voto de confiança.

Não comento decisões políticas, tendências ou facções. Cada qual acredita no que acredita e defende como quer os ideais que propôs para ser eleito. Não condeno formas discretas de agir, antes pelo contrário, elogio-as acima de qualquer espalhafato, política de facebook ou meras e cínicas tentativas de atingir visibilidades nas gordas de um qualquer jornal. Critico, se é que tenho maturidade ou conhecimento algum para me armar em líder de opinião, a forma cobarde como o fazem, quando raramente o decidem fazer.

 2. Corre por aí uma bronca sobre a vacinação contra a Covid-19 e suas prioridades, envolvendo um dos eleitos pela maioria do executivo socialista. Veio a lume na sequência de uma reunião de câmara, mais propriamente da de 9 de Fevereiro, pela mão do Bloco de Esquerda. Até aí tudo bem (ou tudo mal, dependendo ao certo do que estamos a falar). O que mais me chocou nesta história toda - mais do que a questão da vacinação questionável, pois o ser humano já não me espanta assim tanto - foi a forma que o PSD escolheu para a trazer a público. O PSD, na teoria o principal partido da oposição, o tal que me traz aqui hoje... 

Contextualizando, quem já se perdeu nas minhas divagações: finda uma reunião de câmara em que o assunto da vacinação no concelho foi debatido, bem como a forma correcta e sem polémicas como alegamente estaria a decorrer, sem que o PS - mais do que conhecedor do facto - avançasse uma palavra sobre a vacinação do vereador e sem que qualquer oposição tocasse no assunto - por desconhecimento, poderíamos nós pensar - os representantes social-democratas mostraram como se movem e o que os traz por cá.

Sem coragem - pessoal ou política, vá-se lá saber - para confrontar o vereador em questão sobre o porquê da sua aparatosa ultrapassagem na lista de prioridades de vacinação e sobre o silêncio dos respectivos companheiros socialistas sobre tamanho assunto, e vendo que a oposição refilona não tinha feito o papel que eles não conseguem ou não querem fazer, representantes do PSD notificaram por mensagem a representante do Bloco de Esquerda - ainda no decorrer da afamada reunião - para a informar que o vereador da protecção civil já teria sido vacinado e que, apesar do tema da vacinação ter feito mote na reunião, este se manteve caladinho como só ele sabe. Uma buchazita social-democrata, tipo: manda tu isto para o ar que, assim, se alguém for prejudicado és tu, não somos nós, até porque eu até tenho um processo para validar no urbanismo ou qualquer coisa assim. Isto já sou só eu a mandar para o ar, com aquele meu mau feitio do costume.

Mas vamos lá ver uma coisa: tão ladrão é o que rouba, como o que fica a ver. O PS calou-se que nem um rato, o vereador com o antídoto tão desejado do seu lado, calado ficou e ainda teve a distinta lata de reiterar a ideia de que tudo corria sobre rodas e sem aldrabices na atribuição de vacinas no concelho. Ao mesmo tempo, o PSD, na figura do vereador presente, farto de saber que o homem em questão teria sido vacinado, caladinho ficou e esperou que fizessem queixinhas à vereadora, procurando alguém que tivesse coragem de fazer o que não quis ou não foi capaz.  Só me vem à ideia aquela tríade de macacos famosos: o que não vê, o que não ouve, o que não fala... Tudo no (e do) mesmo saco.

 3. O PSD estava, como é óbvio, completamente no direito de não falar se achava que o tema não era assunto. Estamos todos de acordo nisso. Mas se assim era, alguém que me explique - que eu por entre as minhas muitas limitações não percebo - o porquê de ir espicaçar a vereadora do Bloco de Esquerda a meter a boca no trombone, quando o próprio não o fez? Optou por ficar calado e assim ficou, só se mostrando indignado depois de Helena Pinto, mais tarde, confirmada a queixinha dos social-democratas, ter vindo a público pedir explicações e a respectiva demissão do vereador da vacina.

Há coisas que me tiram do sério e me merecem letras a fio e esta é de facto uma daquelas que me faz sair da cama de manhã orgulhosa e a dar vivas pelo facto de ser torrejana. Uma torrejana bem entregue a uma elite de luxo, onde a única coisa que muda é a cor da bandeira.

O PS em Torres Novas já morreu há muito. Sobram uns cinco que em seu nome, lá do alto, vão fazendo pela vida e dando conta da nossa. Ao PSD, partido que muito respeitava pela sua história e no qual ainda depositava uma réstia de esperança enquanto líder de oposição, deixo os meus sentimentos. O que ainda restava, foi enterrado desta.

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nicolau III - rui anastácio »  2021-02-22  »  Rui Anastácio

Dizia-se do último czar da Rússia, Nicolau II, que a sua opinião era a opinião da última pessoa com quem tinha falado. Cem anos depois, Nicolau II reencarnou em alguma daquela rapaziada que tomou conta dos principais partidos da nossa democracia.
(ler mais...)


Na mouche - josé ricardo costa »  2021-02-22  »  José Ricardo Costa

Quando saí de Torres Novas para ir estudar em Lisboa já sabia que iria depois sair de Lisboa para vir trabalhar em Torres Novas. A primeira razão para voltar foi de natureza umbilical: eu ser de Torres Novas como outros são de Mangualde ou Famalicão.
(ler mais...)


A pandemia, o Estado e os portugueses - jorge carreira maia »  2021-02-22  »  Jorge Carreira Maia

Se se observar o comportamento dos portugueses perante a pandemia, talvez seja possível ter um vislumbre daquilo que somos e de como gostamos de ser governados. Obviamente que não nos comportamos todas da mesma forma e não gostamos todos de ser governados da mesma maneira.
(ler mais...)


Altruísmo heróico e outras fábulas - carlos paiva »  2021-02-22  »  Carlos Paiva

O herói nacional, melhor jogador de futebol do mundo de sempre, segundo dizem, foi protagonista numa daquelas histórias que são matéria-prima para solidificar lendas. Nessa história, sublinhando as origens humildes, o estratosférico conquista mais um laço com o Zé comum.
(ler mais...)


A oportunidade da sobra - antónio gomes »  2021-02-22  »  António Gomes

Apesar da limitação de vacinas nesta fase, o país tem vindo a ser confrontado com variados episódios de vacinação fora do que está priorizado. Há sempre alguém que se julga acima das normas ou que faz as suas próprias normas e ultrapassa assim os que estão na fila, ou então por via de terceiros chegam primeiro à seringa.
(ler mais...)


São sobras, Senhor! São sobras! - ana lúcia cláudio »  2021-02-22  »  Ana Lúcia Cláudio

Na falta de acções presenciais, multiplicaram-se, nos últimos meses, as iniciativas on-line sobre os mais diversos assuntos. Num destes eventos em que participei, sensibilizou-me, particularmente, o testemunho de um ex-ministro social-democrata que, quando questionado sobre um eventual regresso à vida política mais activa, reconheceu que não pretende fazê-lo porque, e nas suas palavras, os quatro anos em que foi ministro mudaram-no, levando amigos e familiares mais próximos a dizerem-lhe que, nessa altura, ele não era “o mesmo Nuno”.
(ler mais...)


Vacina »  2021-02-18  »  Hélder Dias

Développé - rui anastácio »  2021-02-07  »  Rui Anastácio

Passo de ballet, movimento em que a bailarina estica graciosamente a perna, tem diferentes níveis de dificuldade consoante a direcção da perna e a altura a que chega o pé, requer um grande equilíbrio e um elevado nível de concentração.
(ler mais...)


Não sabemos morrer - inês vidal »  2021-02-05  »  Inês Vidal

Ouço os sinais ao longe. Um pranto gritado bem alto, do alto dos sinos da igreja, por alguém que partiu. É já raro ouvir-se. Por norma, pelo menos na nossa cidade, ecoam apenas pelos que muito deram de si à causa religiosa.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-02-05  »  Carlos Paiva Hill Street Blues - carlos paiva
»  2021-02-20  »  Inês Vidal PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal
»  2021-02-22  »  José Ricardo Costa Na mouche - josé ricardo costa
»  2021-02-18  »  Hélder Dias Vacina
»  2021-02-05  »  Jorge Carreira Maia O estranho caso das vacinas - jorge carreira maia