• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 11 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 24° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 22° / 11°
Céu nublado
Seg.
 22° / 8°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  20° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Afetos e vontade de ter Vontade

Opinião  »  2015-04-10  »  Maria Augusta Torcato

Apetece-me começar esta crónica com uma prescriçã Vontade, tomar a quantidade máxima, tantas vezes ao dia quanto o necessário, ou q.b. face à (in)disposição de cada um.

Apetece-me ser a prescribente e a prescrita. Isto porque acho que estamos todos doentes. Eu utilizei o verbo ”estar” e não o verbo ”andar”. É que se dissesse ”andamos” todos doentes, parecia que era um estado mais transitório, móbil, mas, assim, o ”estar” veicula o imóbil, o permanecer. Posso parecer hiperbólica, ou seja, exagerada na minha afirmação, mas, por muita vontade que tenha em ter vontade, eu não a tenho e não vejo ninguém a tê-la, ou então ando a ver muito mal ou as pessoas não disfarçam nada bem.

Justiça faça a mim própria. Quis buscar mais sentido de humor. Quis procurar temas de energia positiva. Quis escrever sobre algo que me desse prazer e fosse prazeiroso. Mas estou mesmo doente. Não consigo ver, nem ouvir, nem sentir nada que se assemelhe a esse auspicioso estado. A minha filha já me diz ”Mãe, estás sempre a bater na mesma tecla”. E eu, perante isto, ainda fico mais doente. Qual é a mãe que gosta de ouvir isto de uma filha? E que culpa tenho eu de ser como sou? Minhoquinhas e de coração ao pé da boca? Além disso, quando intelectualizo os meus sentires, tomo consciência de que a falta de vontade faz parte dum campo lexical vasto e que convive com alguma tristeza, com alguma frouxidão, com alguma apatia, com alguma sonolência, com algumas dores no corpo, com um discurso repetitivo (como se pode ler). São, porventura, indícios de quem está a ficar velho e chato. Neste caso, velha e chata. Mas isto é também sinal de outras coisas, pelo que tenho lido. Aqueles sintomas são também conotados com uma situação depressiva ou perturbação emocional. E, por muito que me custe, os efeitos destes distúrbios são mais graves do que se assumem. Ora se há por aí tanta gente doente como eu acho que há, pelo menos com os sintomas que eu enunciei, talvez fosse boa ideia começar-se a legislar sobre as prescrições para o combate à enfermidade. O remédio da farmácia, o produto natural, os exercícios físicos e de relaxamento e a promoção da resiliência não chegam. É preciso mais. Muito mais.

Continuo a crónica depois de um intervalo temporal. E, neste período, resgatei alguma vontade. Onde? Num passeio e confraternização com amigos; no esquecimento do email, da internet e do facebook; no encontro e visita de familiares. Comer, beber, passear e conversar. Conversar muito fez-me muito bem. Ler confortada pelo calor do sol também. Dei por mim a sentir que tinha a cabeça vazia, vazia de coisinhas que ocupam o nosso dia-a-dia sem qualquer sentido. Tanta coisa, tanta coisa, para se perceber que, às vezes, o que nos faz mesmo bem é tão simples, como viver a família e os amigos. Em sentido literal, ligar os afetos.

Afinal, a vontade pode ser algo difícil de prescrever. Ou talvez não. Basta dizer que dentro de cada um de nós está a receita para a mesma: os afetos. Os afetos permeiam e medeiam a nossa experiência no e do mundo, desde a nossa casa, ao local de trabalho, ao espaço de convívio, ao modo como vemos e ouvimos. Os afetos substantivam os modos de pensar e de sentir. Os afetos podem prescrever e renovar a vontade. Vivam os afetos!

 

 

 Outras notícias - Opinião


Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)


Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes »  2021-03-23  »  João Carlos Lopes

Dir-se-ia, de uma câmara socialista, esperar que se perseguissem os valores e ideais que aqui e ali, somados, vão concorrendo para um mundo melhor e para uma relação mais harmoniosa e avançada entre todos e tudo o que habita uma casa comum que é o território natural de um pequeno concelho.
(ler mais...)


Depois de casa roubada, trancas à porta - antónio gomes »  2021-03-20  »  António Gomes

Na política, ou se tem ideias, rasgo e capacidade de antecipação para marcar a diferença, ou andamos sempre no rengo-rengo.

As vítimas da pandemia estão aí, agora com maior visibilidade, mais desemprego, mais encerramentos de pequenas empresas, comércio, restauração, serviços, trabalhadores independentes sem rendimentos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-03-20  »  Carlos Paiva São rosas, senhor - carlos paiva