• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 23 de Junho de 2018
Pesquisar...
Ter.
 27° / 15°
Céu limpo
Seg.
 27° / 18°
Céu nublado
Dom.
 32° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  33° / 19°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

FALAR OUTRA VEZ

Opinião  »  2015-06-17  »  José Ricardo Costa

"Uma das coisas de que mais gosto de fazer nas minhas aulas de Filosofia é ensinar a falar"

Quis o destino que eu fizesse parte do júri de um exame oral de Inglês. Apesar de estar ali apenas de corpo presente, segui com atenção a prestação do único aluno examinado. Ora bem, eu conheço o aluno e as suas excelentes capacidades intelectuais, linguísticas e argumentativas. Não surpreende pois que tenha feito uma boa oral de Inglês. Ainda assim não deixou ser uma experiência estranha ouvi-lo falar. Um Inglês bom mas com falhas primárias, talvez devido ao nervosismo (do género "the man that told me" em vez de "the man who told me"). Boa fluência mas longe da sua fluência na língua materna. Boa argumentação, transmitindo o que pensa, mas a milhas da sua versatilidade argumentativa na língua em cujo peito mamou desde que nasceu.


Se eu tivesse acabado de chegar de outro planeta, tendo antes estudado  a fala e comunicação de um ser humano normal e todas as possibilidades sintácticas e semânticas de uma língua, iria pensar que aquele rapaz revela fortes limitações intelectuais, tendo a idade mental de uma criança. Eu próprio me sinto assim sempre que preciso de dar uns toques numa língua estrangeira, sentido a minha cabeça a balbuciar como se fosse a cabeça de uma criança de 8 anos a quem pedem para explicar uma coisa demasiado complexa para a sua idade e que só o consegue fazer recorrendo a uma linguagem primária, balbuciada, sofrida, hesitante, condicionada, denunciando mais o que não consegue dizer do que o que lhe é permitido dizer.


Onde é que eu pretendo chegar com isto? À importância da linguagem na estrutura mental e comunicacional de um ser humano normal. Pensar, discutir, argumentar sem uma estrutura linguística adequada é como pedir a um carpinteiro para fazer um roupeiro sem a ajuda de qualquer ferramenta, só com as mãos. As mãos podem ter toda aptidão para o fazer mas sem ferramentas nada feito. Ora, a um pensamento despido de uma consistente roupagem linguística acontece o mesmo. A pessoa pode ter boas capacidades mentais, abstracção, elasticidade, inteligência hipotética-dedutiva, todavia, sem tal instrumento não consegue raciocinar, organizar ideias, construir argumentos, em suma, pensar. Quer dizer, a pessoa pensa, as ideias estão lá e facilmente saem se expressas em Português. O que acontece deve ser qualquer coisa de parecido que acontece a um tipo embriagado. Antes de beber pensa e fala de uma maneira, depois de beber toda a sua estrutura mental e linguística é alterada, sendo incapaz de um raciocínio articulado, de construir argumentos ou revelar qualquer tipo de sofisticação retórica.


É por isso que uma das coisas que mais gosto de fazer nas minhas aulas de Filosofia é ensinar a falar. Ensinar os alunos a dizer "verosímil", "irredutível", "frivolidade", "estultícia" "irreversível", "displicência", "dicotómico", "intrínseco", "altruísta", "falacioso" ou simples frases como "X é condição necessária mas não condição suficiente para Y", "X é passível de Y", "X é inerente a Y". Juro: mais do que ensinar o imperativo categórico kantiano, o que me dá verdadeiro prazer é ensinar um aluno a falar, ouvindo-o depois usar expressões ou palavras que foi ouvindo nas aulas. No fundo, trata-de de aprender a falar outra vez. Não o básico e meramente funcional que vem da infância mas uma aprendizagem que leve as pessoas a pensar e a falar como verdadeiros adultos.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Dias difíceis »  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia

A situação política está mais confusa do que parece. Só há um dado claro e inequívoco. Exceptuando os socialistas, todos os actores agem com o objectivo de evitar que o PS obtenha maioria absoluta nas próximas legislativas.
(ler mais...)


Aloé Vera, a planta milagrosa »  2018-06-21  »  Juvenal Silva

Aloé Vera, também conhecida por planta do milagres pelos médicos da antiguidade, é uma planta medicinal cujo uso tem sido intensificado ao longo dos séculos e, nas últimas décadas, tem sido motivo de interesse de pesquisas, com vários estudos científicos na aplicação de uma grande variedade de doenças e com grande destaque nas doenças oncológicas.
(ler mais...)


Cumpre-se a tradição »  2018-06-21  »  Anabela Santos

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
(ler mais...)


A água »  2018-06-21  »  António Gomes

É de todos conhecida a escassez de água doce existente no planeta. Em Portugal, o ano de 2017 foi particularmente avisador para toda a gente: lembramos bem o transporte de água de umas regiões para outras e os condicionalismos impostos ao seu consumo (jardins, rotundas, etc).
(ler mais...)


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia Dias difíceis
»  2018-06-21  »  Juvenal Silva Aloé Vera, a planta milagrosa
»  2018-06-21  »  Anabela Santos Cumpre-se a tradição