• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quinta, 20 de Setembro de 2018
Pesquisar...
Dom.
 36° / 21°
Céu limpo
Sáb.
 36° / 16°
Períodos nublados
Sex.
 31° / 16°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  31° / 17°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

FALAR OUTRA VEZ

Opinião  »  2015-06-17  »  José Ricardo Costa

"Uma das coisas de que mais gosto de fazer nas minhas aulas de Filosofia é ensinar a falar"

Quis o destino que eu fizesse parte do júri de um exame oral de Inglês. Apesar de estar ali apenas de corpo presente, segui com atenção a prestação do único aluno examinado. Ora bem, eu conheço o aluno e as suas excelentes capacidades intelectuais, linguísticas e argumentativas. Não surpreende pois que tenha feito uma boa oral de Inglês. Ainda assim não deixou ser uma experiência estranha ouvi-lo falar. Um Inglês bom mas com falhas primárias, talvez devido ao nervosismo (do género "the man that told me" em vez de "the man who told me"). Boa fluência mas longe da sua fluência na língua materna. Boa argumentação, transmitindo o que pensa, mas a milhas da sua versatilidade argumentativa na língua em cujo peito mamou desde que nasceu.


Se eu tivesse acabado de chegar de outro planeta, tendo antes estudado  a fala e comunicação de um ser humano normal e todas as possibilidades sintácticas e semânticas de uma língua, iria pensar que aquele rapaz revela fortes limitações intelectuais, tendo a idade mental de uma criança. Eu próprio me sinto assim sempre que preciso de dar uns toques numa língua estrangeira, sentido a minha cabeça a balbuciar como se fosse a cabeça de uma criança de 8 anos a quem pedem para explicar uma coisa demasiado complexa para a sua idade e que só o consegue fazer recorrendo a uma linguagem primária, balbuciada, sofrida, hesitante, condicionada, denunciando mais o que não consegue dizer do que o que lhe é permitido dizer.


Onde é que eu pretendo chegar com isto? À importância da linguagem na estrutura mental e comunicacional de um ser humano normal. Pensar, discutir, argumentar sem uma estrutura linguística adequada é como pedir a um carpinteiro para fazer um roupeiro sem a ajuda de qualquer ferramenta, só com as mãos. As mãos podem ter toda aptidão para o fazer mas sem ferramentas nada feito. Ora, a um pensamento despido de uma consistente roupagem linguística acontece o mesmo. A pessoa pode ter boas capacidades mentais, abstracção, elasticidade, inteligência hipotética-dedutiva, todavia, sem tal instrumento não consegue raciocinar, organizar ideias, construir argumentos, em suma, pensar. Quer dizer, a pessoa pensa, as ideias estão lá e facilmente saem se expressas em Português. O que acontece deve ser qualquer coisa de parecido que acontece a um tipo embriagado. Antes de beber pensa e fala de uma maneira, depois de beber toda a sua estrutura mental e linguística é alterada, sendo incapaz de um raciocínio articulado, de construir argumentos ou revelar qualquer tipo de sofisticação retórica.


É por isso que uma das coisas que mais gosto de fazer nas minhas aulas de Filosofia é ensinar a falar. Ensinar os alunos a dizer "verosímil", "irredutível", "frivolidade", "estultícia" "irreversível", "displicência", "dicotómico", "intrínseco", "altruísta", "falacioso" ou simples frases como "X é condição necessária mas não condição suficiente para Y", "X é passível de Y", "X é inerente a Y". Juro: mais do que ensinar o imperativo categórico kantiano, o que me dá verdadeiro prazer é ensinar um aluno a falar, ouvindo-o depois usar expressões ou palavras que foi ouvindo nas aulas. No fundo, trata-de de aprender a falar outra vez. Não o básico e meramente funcional que vem da infância mas uma aprendizagem que leve as pessoas a pensar e a falar como verdadeiros adultos.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O quarto milagre de Fátima »  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia

O começo do ano lectivo é marcado pela generalização de uma nova reforma do sistema educativo. A ideia que está na base de mais uma aventura na educação portuguesa prende-se com a convicção da actual equipa do Ministério da Educação de que o trabalho realizado pelo professorado está globalmente desadequado às exigências do século XXI.
(ler mais...)


Poesia nos posters »  2018-09-12  »  José Mota Pereira

Eu não entendia. Nem poderia entender (aos seis, sete, oito anos de idade) o alcance daquelas palavras. Mas havia naqueles dois posters um magnetismo, uma espécie de magia que me prendiam às palavras que deles saltavam para os meus olhos.
(ler mais...)


Rentrée »  2018-09-12  »  Anabela Santos

O mês de Agosto já passou, acabaram as férias, o verão vai deixar-nos e aproxima-se o Outono.

Chegou Setembro, o mês do(s) recomeço(s). Na minha opinião, seria a altura de abrirmos uma garrafa de champanhe, de fazer um brinde à nova época, um brinde à vida.
(ler mais...)


Ansiedade: uma doença da sociedade moderna »  2018-09-12  »  Juvenal Silva

O que é a ansiedade?

A ansiedade é uma emoção causada por uma ameaça observada ou experimentada e, que o organismo utiliza como mecanismo para reagir de forma saudável às pressões da vida ou até a situações de perigo.
(ler mais...)


Olha, a gaivota! Olha a gaivota! »  2018-09-01  »  Maria Augusta Torcato

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito.
(ler mais...)


O passado e a tradição »  2018-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Graças a um artigo de António Guerreiro, no Público, descobri dois versos extraordinários do realizador e poeta italiano Pier Paolo Pasolini. Deste, conheço alguns filmes, mas nunca li a sua poesia.
(ler mais...)


Ética »  2018-08-29  »  Inês Vidal

As novas tecnologias e a Internet - admirável mundo este que nos leva ao outro lado do globo num segundo - vieram mudar os nossos dias, rotinas, até o tom e a forma das nossas conversas. “O meio é a mensagem”, já anunciavam há muito alguns teóricos destas coisas da comunicação.
(ler mais...)


Agosto »  2018-08-29  »  José Mota Pereira

O mês de Agosto vai-se despedindo, a pouco e pouco, nestes dias e noites quentes.

Não há novidade nisto: Agosto ainda é o mês em que, por todo o país, se toma conta dos largos e se dança, canta, convive nas festas populares, trazendo vida aos territórios a que chamamos aldeias e de onde, se há notícias ao longo do ano, é para contar do abandono e da desertificação.
(ler mais...)


Uso e abuso de substancias químicas: a dependência de drogas e álcool »  2018-08-29  »  Juvenal Silva

O uso e abuso de substâncias químicas caracteriza-se por uma dependência, tanto psicológica como física, de drogas, incluindo-se medicamentos com receita médica e álcool.

O que é uma dependência química? Acontece quando um indivíduo necessita de uma droga para funcionar.
(ler mais...)


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia O quarto milagre de Fátima
»  2018-09-12  »  José Mota Pereira Poesia nos posters
»  2018-09-12  »  Anabela Santos Rentrée