• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 27 Fevereiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 19° / 8°
Períodos nublados
Seg.
 19° / 7°
Períodos nublados
Dom.
 20° / 8°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  21° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

FALAR OUTRA VEZ

Opinião  »  2015-06-17  »  José Ricardo Costa

"Uma das coisas de que mais gosto de fazer nas minhas aulas de Filosofia é ensinar a falar"

Quis o destino que eu fizesse parte do júri de um exame oral de Inglês. Apesar de estar ali apenas de corpo presente, segui com atenção a prestação do único aluno examinado. Ora bem, eu conheço o aluno e as suas excelentes capacidades intelectuais, linguísticas e argumentativas. Não surpreende pois que tenha feito uma boa oral de Inglês. Ainda assim não deixou ser uma experiência estranha ouvi-lo falar. Um Inglês bom mas com falhas primárias, talvez devido ao nervosismo (do género "the man that told me" em vez de "the man who told me"). Boa fluência mas longe da sua fluência na língua materna. Boa argumentação, transmitindo o que pensa, mas a milhas da sua versatilidade argumentativa na língua em cujo peito mamou desde que nasceu.


Se eu tivesse acabado de chegar de outro planeta, tendo antes estudado  a fala e comunicação de um ser humano normal e todas as possibilidades sintácticas e semânticas de uma língua, iria pensar que aquele rapaz revela fortes limitações intelectuais, tendo a idade mental de uma criança. Eu próprio me sinto assim sempre que preciso de dar uns toques numa língua estrangeira, sentido a minha cabeça a balbuciar como se fosse a cabeça de uma criança de 8 anos a quem pedem para explicar uma coisa demasiado complexa para a sua idade e que só o consegue fazer recorrendo a uma linguagem primária, balbuciada, sofrida, hesitante, condicionada, denunciando mais o que não consegue dizer do que o que lhe é permitido dizer.


Onde é que eu pretendo chegar com isto? À importância da linguagem na estrutura mental e comunicacional de um ser humano normal. Pensar, discutir, argumentar sem uma estrutura linguística adequada é como pedir a um carpinteiro para fazer um roupeiro sem a ajuda de qualquer ferramenta, só com as mãos. As mãos podem ter toda aptidão para o fazer mas sem ferramentas nada feito. Ora, a um pensamento despido de uma consistente roupagem linguística acontece o mesmo. A pessoa pode ter boas capacidades mentais, abstracção, elasticidade, inteligência hipotética-dedutiva, todavia, sem tal instrumento não consegue raciocinar, organizar ideias, construir argumentos, em suma, pensar. Quer dizer, a pessoa pensa, as ideias estão lá e facilmente saem se expressas em Português. O que acontece deve ser qualquer coisa de parecido que acontece a um tipo embriagado. Antes de beber pensa e fala de uma maneira, depois de beber toda a sua estrutura mental e linguística é alterada, sendo incapaz de um raciocínio articulado, de construir argumentos ou revelar qualquer tipo de sofisticação retórica.


É por isso que uma das coisas que mais gosto de fazer nas minhas aulas de Filosofia é ensinar a falar. Ensinar os alunos a dizer "verosímil", "irredutível", "frivolidade", "estultícia" "irreversível", "displicência", "dicotómico", "intrínseco", "altruísta", "falacioso" ou simples frases como "X é condição necessária mas não condição suficiente para Y", "X é passível de Y", "X é inerente a Y". Juro: mais do que ensinar o imperativo categórico kantiano, o que me dá verdadeiro prazer é ensinar um aluno a falar, ouvindo-o depois usar expressões ou palavras que foi ouvindo nas aulas. No fundo, trata-de de aprender a falar outra vez. Não o básico e meramente funcional que vem da infância mas uma aprendizagem que leve as pessoas a pensar e a falar como verdadeiros adultos.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nicolau III - rui anastácio »  2021-02-22  »  Rui Anastácio

Dizia-se do último czar da Rússia, Nicolau II, que a sua opinião era a opinião da última pessoa com quem tinha falado. Cem anos depois, Nicolau II reencarnou em alguma daquela rapaziada que tomou conta dos principais partidos da nossa democracia.
(ler mais...)


Na mouche - josé ricardo costa »  2021-02-22  »  José Ricardo Costa

Quando saí de Torres Novas para ir estudar em Lisboa já sabia que iria depois sair de Lisboa para vir trabalhar em Torres Novas. A primeira razão para voltar foi de natureza umbilical: eu ser de Torres Novas como outros são de Mangualde ou Famalicão.
(ler mais...)


A pandemia, o Estado e os portugueses - jorge carreira maia »  2021-02-22  »  Jorge Carreira Maia

Se se observar o comportamento dos portugueses perante a pandemia, talvez seja possível ter um vislumbre daquilo que somos e de como gostamos de ser governados. Obviamente que não nos comportamos todas da mesma forma e não gostamos todos de ser governados da mesma maneira.
(ler mais...)


Altruísmo heróico e outras fábulas - carlos paiva »  2021-02-22  »  Carlos Paiva

O herói nacional, melhor jogador de futebol do mundo de sempre, segundo dizem, foi protagonista numa daquelas histórias que são matéria-prima para solidificar lendas. Nessa história, sublinhando as origens humildes, o estratosférico conquista mais um laço com o Zé comum.
(ler mais...)


A oportunidade da sobra - antónio gomes »  2021-02-22  »  António Gomes

Apesar da limitação de vacinas nesta fase, o país tem vindo a ser confrontado com variados episódios de vacinação fora do que está priorizado. Há sempre alguém que se julga acima das normas ou que faz as suas próprias normas e ultrapassa assim os que estão na fila, ou então por via de terceiros chegam primeiro à seringa.
(ler mais...)


São sobras, Senhor! São sobras! - ana lúcia cláudio »  2021-02-22  »  Ana Lúcia Cláudio

Na falta de acções presenciais, multiplicaram-se, nos últimos meses, as iniciativas on-line sobre os mais diversos assuntos. Num destes eventos em que participei, sensibilizou-me, particularmente, o testemunho de um ex-ministro social-democrata que, quando questionado sobre um eventual regresso à vida política mais activa, reconheceu que não pretende fazê-lo porque, e nas suas palavras, os quatro anos em que foi ministro mudaram-no, levando amigos e familiares mais próximos a dizerem-lhe que, nessa altura, ele não era “o mesmo Nuno”.
(ler mais...)


PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal »  2021-02-20  »  Inês Vidal

 1. O PSD de Torres Novas é uma anedota. Ao mesmo tempo que digo isto, ouço já ao fundo vozes a erguerem-se contra esta forma crua e dura de arrancar com este texto. Imagino até as conclusões de quem tem facilidade de falar sem saber: é do Bloco, dizem uns, comunista desde sempre, atiram outros, indo ainda mais longe, lembrando que dirige aquele pasquim comunista, conforme aprenderam com o ex-presidente socialista.
(ler mais...)


Vacina »  2021-02-18  »  Hélder Dias

Développé - rui anastácio »  2021-02-07  »  Rui Anastácio

Passo de ballet, movimento em que a bailarina estica graciosamente a perna, tem diferentes níveis de dificuldade consoante a direcção da perna e a altura a que chega o pé, requer um grande equilíbrio e um elevado nível de concentração.
(ler mais...)


Não sabemos morrer - inês vidal »  2021-02-05  »  Inês Vidal

Ouço os sinais ao longe. Um pranto gritado bem alto, do alto dos sinos da igreja, por alguém que partiu. É já raro ouvir-se. Por norma, pelo menos na nossa cidade, ecoam apenas pelos que muito deram de si à causa religiosa.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-02-05  »  Carlos Paiva Hill Street Blues - carlos paiva
»  2021-02-20  »  Inês Vidal PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal
»  2021-02-05  »  Jorge Carreira Maia O estranho caso das vacinas - jorge carreira maia
»  2021-02-18  »  Hélder Dias Vacina
»  2021-02-22  »  José Ricardo Costa Na mouche - josé ricardo costa