• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 17 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Qui.
 16° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

FALAR OUTRA VEZ

Opinião  »  2015-06-17  »  José Ricardo Costa

"Uma das coisas de que mais gosto de fazer nas minhas aulas de Filosofia é ensinar a falar"

Quis o destino que eu fizesse parte do júri de um exame oral de Inglês. Apesar de estar ali apenas de corpo presente, segui com atenção a prestação do único aluno examinado. Ora bem, eu conheço o aluno e as suas excelentes capacidades intelectuais, linguísticas e argumentativas. Não surpreende pois que tenha feito uma boa oral de Inglês. Ainda assim não deixou ser uma experiência estranha ouvi-lo falar. Um Inglês bom mas com falhas primárias, talvez devido ao nervosismo (do género "the man that told me" em vez de "the man who told me"). Boa fluência mas longe da sua fluência na língua materna. Boa argumentação, transmitindo o que pensa, mas a milhas da sua versatilidade argumentativa na língua em cujo peito mamou desde que nasceu.


Se eu tivesse acabado de chegar de outro planeta, tendo antes estudado  a fala e comunicação de um ser humano normal e todas as possibilidades sintácticas e semânticas de uma língua, iria pensar que aquele rapaz revela fortes limitações intelectuais, tendo a idade mental de uma criança. Eu próprio me sinto assim sempre que preciso de dar uns toques numa língua estrangeira, sentido a minha cabeça a balbuciar como se fosse a cabeça de uma criança de 8 anos a quem pedem para explicar uma coisa demasiado complexa para a sua idade e que só o consegue fazer recorrendo a uma linguagem primária, balbuciada, sofrida, hesitante, condicionada, denunciando mais o que não consegue dizer do que o que lhe é permitido dizer.


Onde é que eu pretendo chegar com isto? À importância da linguagem na estrutura mental e comunicacional de um ser humano normal. Pensar, discutir, argumentar sem uma estrutura linguística adequada é como pedir a um carpinteiro para fazer um roupeiro sem a ajuda de qualquer ferramenta, só com as mãos. As mãos podem ter toda aptidão para o fazer mas sem ferramentas nada feito. Ora, a um pensamento despido de uma consistente roupagem linguística acontece o mesmo. A pessoa pode ter boas capacidades mentais, abstracção, elasticidade, inteligência hipotética-dedutiva, todavia, sem tal instrumento não consegue raciocinar, organizar ideias, construir argumentos, em suma, pensar. Quer dizer, a pessoa pensa, as ideias estão lá e facilmente saem se expressas em Português. O que acontece deve ser qualquer coisa de parecido que acontece a um tipo embriagado. Antes de beber pensa e fala de uma maneira, depois de beber toda a sua estrutura mental e linguística é alterada, sendo incapaz de um raciocínio articulado, de construir argumentos ou revelar qualquer tipo de sofisticação retórica.


É por isso que uma das coisas que mais gosto de fazer nas minhas aulas de Filosofia é ensinar a falar. Ensinar os alunos a dizer "verosímil", "irredutível", "frivolidade", "estultícia" "irreversível", "displicência", "dicotómico", "intrínseco", "altruísta", "falacioso" ou simples frases como "X é condição necessária mas não condição suficiente para Y", "X é passível de Y", "X é inerente a Y". Juro: mais do que ensinar o imperativo categórico kantiano, o que me dá verdadeiro prazer é ensinar um aluno a falar, ouvindo-o depois usar expressões ou palavras que foi ouvindo nas aulas. No fundo, trata-de de aprender a falar outra vez. Não o básico e meramente funcional que vem da infância mas uma aprendizagem que leve as pessoas a pensar e a falar como verdadeiros adultos.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias

Um sidonismo suave »  2018-01-04  »  Jorge Carreira Maia

Apesar da situação actual ser radicalmente diferente daquela que, durante a I República, conduziu Sidónio Pais ao poder, o país caiu, sem dar por isso, num novo sidonismo. Sidónio, de forma turbulenta, tal como eram os tempos de então, liquidou o parlamentarismo republicano e instaurou um regime presidencialista.
(ler mais...)


Boas intenções e boas ações »  2018-01-04  »  Maria Augusta Torcato

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de que há um recomeço, um renascimento e uma renovação da esperança nem se sabe bem de ou em quê.
(ler mais...)


Os avieiros já morreram há muito »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras.
(ler mais...)


Resíduos natalícios »  2018-01-04  »  Nuno Curado

Este ano, mais uma vez, repetiu-se o que se tornou a marca do Natal dos tempos modernos: o exagero de compras, presentes, coisas que se compram e oferecem. E em paralelo, as inevitáveis embalagens, embrulhos, sacos, enfeites e laços. Todos estes últimos, depois do efémero ritual de oferece – desembrulha – deita-fora-o-embrulho (e a embalagem), são apenas resíduos do dia seguinte… E nestes dias, a confusão na mesa da ceia ou a pressa para ir à missa de Natal não deixam tempo ou vontade para separar todo o lixo produzido.
(ler mais...)


Pasta medicinal couto »  2018-01-04  »  Fernando Faria Pereira

Primeiro mês do ano, aniversário para mim, já próximo dos sessenta. O velho passou-se, rei morto, viva o rei! Não faço previsões, mas informo-me: são tantas notícias ao mesmo tempo, de todo o lado, em tão variados meios, jornais, rádio, televisão, que por vezes me apetece desligar, mas não é possível! A internet tem tudo a não sei quantos megabites por segundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...