• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 20 Agosto 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 38° / 22°
Períodos nublados
Qua.
 37° / 18°
Céu limpo
Ter.
 33° / 14°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  26° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Quim

Opinião  »  2019-01-28  »  Inês Vidal

"Foi um dos meus mestres, meu professor, meu mentor. Foi meu prontuário, meu Google, meu livro de estilo. Sabia tudo, sobre tudo, falava de tudo."

Sempre me poupou aos textos difíceis, mas deixou-me o pior de todos: este. Licenciei-me em jornalismo não sei bem porquê. A minha primeira escolha era filosofia. Também não sei bem porquê. Acho que a convivência com o professor Eduardo Bento me levou a isso, na altura. Cheguei ao Jornal Torrejano em 2002, com as minhas all star vermelhas calçadas, ainda sem saber muito bem ao certo se queria ser jornalista e muito menos como sê-lo. Tive a sorte, que muitos não tiveram, de entrar na verdadeira escola. Entre Lopes, descobri como ser jornalista e, melhor, que era isso que queria ser. Joaquim da Silva Lopes era, à data, director do JT. O meu director, ainda hoje director, para sempre meu director.

Ao dia de hoje, todos esperam de mim um texto bonito, quase poético, que sublinhe todas as verdadeiras qualidades de Joaquim da Silva Lopes. Quim, para mim. Todos esperam isso de mim, menos ele, tenho a certeza. Se bem o conheço, de mim esperaria um texto verdadeiro e de preferência cheio de pormenores. Essa é uma das coisas que me lembro sempre que penso no Quim. Gostava de textos com muitos pormenores. Ensinou-me que são os pequenos detalhes que fazem uma história grande. E eu, em cada texto que escrevo, continuo a ouvi-lo dizê-lo em voz baixa. E faço-o o mais possível. Não por ele, mas porque foi assim que me ensinou.

Claro que é difícil não elogiar o Quim ao escrever um texto sobre ele. Foi um dos meus mestres, meu professor, meu mentor. Foi meu prontuário, meu Google, meu livro de estilo. Sabia tudo, sobre tudo, falava de tudo. Foi um olhar paciente nas minhas crises de menina ainda crente na ética e num mundo perfeito. Ajudou-me a lidar com as emoções geradas por um mundo em que a informação isenta nem sempre é bem-vinda. Foi a calma quando o mundo parecia desabar, a palavra certa, dita da forma certa, na hora certa. Foi, acima de tudo, um amigo. 

Mas também, e talvez por tudo isso, o odeio um bocadinho neste momento. Odeio-o um bocadinho porque deixou de ser meu director e me privou de continuar a aprender com ele ao longo dos últimos onze anos. Odeio-o um bocadinho porque morreu e porque, ao morrer, privou tantas outras pessoas de aprender com ele tanto como eu, a Fátima Coelho, o Nuno Matos, a Flávia e tantos outros jornalistas verdinhos que passaram por esta casa, tiveram o privilégio de aprender. E odeio-o um bocadinho por me obrigar a escrever este texto agora.

Estas palavras não fazem jus a tudo o que o Quim merecia que fosse escrito neste momento. Não tenho distanciamento ou arte suficientes para escrever algo digno do que significou na minha vida e na vida de tantas outras pessoas com quem se cruzou e inevitavelmente influenciou. Pode ser que daqui a uns dias consiga fazê-lo melhor, sem tanta emoção e mais razão.

O Quim gostava de pormenores. Achava que faziam de uma mera história, uma grande história. Espero que em todos os pormenores da sua vida, ela tenha sido enorme.

Até sempre, director!

 

 

 Outras notícias - Opinião


À mulher de César não basta ser séria… »  2019-08-09  »  António Gomes

Vem isto a propósito da aquisição de imóveis pela Câmara de Torres Novas, sitos em Riachos. Só o BE votou contra.

Os proprietários propuseram a aquisição e a Câmara comprou.
(ler mais...)


Bons Sons »  2019-08-09  »  Inês Vidal

Treze anos, dez edições, uma aldeia em manifesto. Arrancou ontem, dia 8, mais uma edição do festival Bons Sons, que anualmente traz a Cem Soldos, concelho de Tomar, milhares de pessoas e música, muita música portuguesa.
(ler mais...)


Carteiro »  2019-08-09  »  Ana Sentieiro

A genética é, de facto, uma coisa incrível! Contudo, no meu caso, a genética desempenha mais o papel de progenitor ausente, que se esquece do meu aniversário, não sabe o meu número de telemóvel e saca duas notas de vinte da carteira de pele quando está folgado e diz, “Para te divertires, mas não digas à tua mãe!”.
(ler mais...)


Livros para férias »  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia

COMO MORREM AS DEMOCRACIAS. Autores Steven Levitsky & Daniel Ziblatt, ambos professores em Harvard. Uma reflexão com incidência americana, mas apoiada no estudo das mortes da democracia nos anos trinta do século passado, na Europa, e nos anos 60 e 70, também do XX, na América Latina.
(ler mais...)


Balanço político da legislatura »  2019-07-20  »  Jorge Carreira Maia

Partido Socialista. Nunca, na história da democracia portuguesa, tinha havido um governo suportado por toda a esquerda parlamentar. António Costa e os socialistas foram os grandes beneficiários da inovação.
(ler mais...)


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-08-09  »  Ana Sentieiro Carteiro
»  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia Livros para férias
»  2019-08-09  »  Inês Vidal Bons Sons
»  2019-08-09  »  António Gomes À mulher de César não basta ser séria…