• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 26 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 17° / 10°
Céu nublado
Qua.
 19° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O que nos diz o “Carreiro das Cobras” - antónio gomes

Opinião  »  2020-08-19  »  António Gomes

"A solução preconizada pelo Bloco vai contra a corrente: é pela preservação do espaço"

Em boa hora, o Bloco de Esquerda colocou o “Carreiro das Cobras” na agenda política local. O debate tem sido interessante e várias opções foram sendo conhecidas. É um bom exemplo para percebermos o que é que cada partido político ou visão política pretendem para Torres Novas, que futuro nos está reservado se o timoneiro for o partido A, B ou C.

A solução que está prevista para aquela zona passa pela sua transformação radical - uma rua larga com o respetivo alcatrão, uma rede divisória da rua para os terrenos adjacentes, portanto muita presença de carros com as consequências conhecidas, ruído, poluição visual e poluição do ar, insegurança para peões e ciclistas. Acresce a isto que as árvores centenárias, carvalhos e sobreiros ali existentes, correm sérios riscos de serem abatidas (espero que nunca). Ou seja, o que o PS e o PSD querem para aquele local é mais do mesmo, alcatrão e betão armado.

A solução preconizada pelo Bloco vai contra a corrente: é pela preservação do espaço, mantendo no essencial o existente - o caminho, as árvores e a envolvente, um caminho rural dentro da cidade para a valorizar.

Estas são diferentes visões para o “Carreiro das Cobras”, mas são extensivas a todo o concelho, são elucidativas do que é que os torrejanos e torrejanas podem esperar, dos diferentes partidos e até a sua estratégia para os próximos quinze ou vinte anos.

Veja-se o abandono de décadas do rio Almonda, sujo, poluído, escondido… veja-se o abandono de décadas do centro histórico da cidade, veja-se a ausência total de incentivos aos meios de transporte não poluentes, das ciclovias inexistentes aos obstáculos e armadilhas para as deslocações pedonais, veja-se, ainda, a aposta total na construção nova, cujo resultado são loteamentos a mais e loteamentos abandonados. Alguns dirigentes políticos locais ainda não perceberam (ou não querem perceber) que a população diminuiu e é cada vez mais velha. Estes dois factos só por si deveriam ser suficientes para repensar toda a estratégia seguida até agora. Mas como não se pensa a médio e longo prazo, também não se planeia e o que conta é o imediato, como se o que importasse mesmo fosse a competição a olhar para o umbigo para ganhar o prémio “o meu mandato é melhor do que o teu”. Por isso, destruir os “carreiros das cobras” é que está a dar. Veremos o que nos vai dizer a revisão do PDM.

O desenvolvimento das terras, das cidades já não se mede pela quantidade de alcatrão espalhado (melhor fora que o dito fosse aplicado numa rede viária em condições e em segurança para todo o concelho), mede-se pela importância que se dá à qualidade de vida, às árvores, à água, aos rios, à serra, aos veículos não poluidores, à reconstrução das habitações, ao ambiente, ao planeta, pois só existe este.

O futuro tem seguramente vários caminhos para lá chegar, mas escolhas fazem-se agora.

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia