• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 13° / 2°
Períodos nublados
Dom.
 13° / 2°
Períodos nublados
Sáb.
 14° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  16° / 7°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Palermas de serviço

Opinião  »  2017-11-29  »  Maria Augusta Torcato

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.

É uma classe tão importante e resistente que, ao longo dos tempos, não só não sofreu qualquer extinção, como se tem desenvolvido, multiplicado e apurado, à semelhança do que deve ter acontecido com os peixes aquando do dilúvio.
Se bem que a definição de palerma remeta para a qualificação de alguém tolo ou parvo (pertencendo a qualquer um dos géneros), parece que, às vezes, corresponde, também, à sua natureza, espelhando a sua própria identidade.
É verdade que, hoje, não obstante muitas coisas não estarem bem, as pessoas estão despertas para a realidade, têm acesso à informação, mesmo que tenham de ser analíticas, críticas e seletivas, manifestam atitudes mais assertivas, respeitadoras e tolerantes, pronunciam-se e manifestam, com mais facilidade, a sua alegria e felicidade ou a sua repugnância e tristeza, relativamente a situações pessoais ou coletivas, próximas ou distantes. Envolvem-se em ondas gigantes de solidariedade em favor de outras, que conhecem ou não, e em manifestações de rejeição ou condenação do que consideram errado ou inaceitável. E isto é motivo de orgulho para a humanidade.

É verdade, também, que continuam a existir, no sistema, composto por múltiplos sistemas, incapacidades, injustiças e incompetências (três is), que têm de se esconder, disfarçar, fingir o seu oposto, para garantir a sua sobrevivência. E é aqui que o papel dos palermas de serviço é fundamental e mesmo indispensável. Eles são o garante de um determinado status.

Eles ouvem num lado e reverberam no outro lado. Eles aceitam sugestões para ações que fingem ser suas, mas que vão além da sua vontade. Eles lançam as sementes selecionadas nos campos previamente sinalizados, sem noção do que germinará. Eles conduzem a distrações, perdendo-se o foco. Eles movem-se entre os seus pares, aperreados de alma, porque nunca têm a certeza da sua inteireza. Eles circulam entre os que servem e os que os usam, graciosamente humildes, porque sabem que o seu papel é de subserviência e replicação. Eles percebem-se tão divididos e tão indefinidos que, em aprazado momento, encarnam o que fazem, sem pensar, sem questionar, em vácuo. Eles obedecem de forma cega, instruídos e industriados por algo ou alguém que visa os seus ou outros interesses. E são eles que sustentam os sistemas com os três is. E isto é motivo de tristeza para a humanidade. Porque, enquanto existirem condicionamentos ou intimidações para o pensar e para o questionar, correm-se riscos terríveis ao nível do agir.

Agora, imaginemos um sistema, composto por múltiplos sistemas, que não necessitasse para a sua sobrevivência dos palermas de serviço e que valorizasse os seus opostos, mesmo que entre eles houvesse alguns palermas (mas não de serviço). Imaginemos o quanto beneficiaria a humanidade!

Não será motivo de questionação e reflexão o facto de esta classe, apesar da sua entrega e estoicismo, contribuir para emperrar a capacidade, a justiça e a competência?
Não será motivo de questionação e reflexão o facto de haver tanta necessidade desta classe? Ou, simplesmente, o facto de ela existir?

 

 

 Outras notícias - Opinião


ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A CULTURA LOCAL »  2017-12-13  »  Denis Hickel

Há uma resistência geral na sociedade e especialmente no âmbito político para implementar agendas que tornem o tema das alterações climáticas parte da cultura geral, da economia, do planeamento e do empreendedorismo.
(ler mais...)


Torres Novas 2018, mais um ano sem IMI Familiar »  2017-12-13  »  Jorge Salgado Simões

O IMI Familiar é uma medida de discriminação positiva destinada a aliviar o esforço financeiro das famílias com filhos. Pressupõe um desconto no IMI relativo à habitação própria de cada agregado em função do número de descendentes, que vai continuar a não ter aplicação em Torres Novas em 2018, uma quase excepção no país e uma verdadeira excentricidade na região.
(ler mais...)


Manter as barcaças do passado »  2017-12-13  »  Carlos Tomé

Aqui há uns anos, não muitos, o Bruno Aleixo, um boneco televisivo, um urso que só mexia a boca e revirava os olhos, fazia-nos rir e pensar quando mandava umas atoardas e se vangloriava de ler muito. Ele era anúncios, listas de supermercado, slogans que andavam espalhados por Coimbra, o preçário do café do Aires, algumas mensagens de telemóvel e mais umas dezenas de coisa.
(ler mais...)


O Derbi »  2017-12-13  »  José Ricardo Costa

No dia em que os meus pais casaram era de jogo no Almonda Parque. Despachado o almoço da praxe, foram então os noivos, alegremente seguidos pelos engalanados convidados, rumo ao também chamado quintal do José Maria. O meu pai podia não ser doente do esférico mas era homem de suas rotinas, sendo domingo de futebol uma delas.
(ler mais...)


Falar por falar »  2017-12-12  »  Anabela Santos

Hoje, sentei-me no sofá em frente à lareira. Trouxe comigo caneta e papel – ainda não me sinto conquistada pelas novas tecnologias – e pensei: “Se estou aqui, “munida com estas armas”, é porque me apetece escrever”.
(ler mais...)


O que se perfila »  2017-11-30  »  Jorge Carreira Maia

Apesar dos trágicos acontecimentos ligados aos incêndios e de algumas patetices governamentais, a esquerda continua, nas sondagens, a ser largamente maioritária. O problema começa agora que os acordos, que estabeleceram a coligação parlamentar, estão praticamente cumpridos.
(ler mais...)


O sentido da vida »  2017-11-29  »  Carlos Tomé

Há pessoas que vivem toda a vida sem se dar por elas. No fundo parece que não calcam o mesmo chão, que não bebem o seu café na Praça, uma italiana com adoçante faxavor, parece que não andam cá por estas bandas, são como o homem invisível, por vezes só se vê o contorno do casaco, remetendo-se a um silêncio exasperante e a uma invisibilidade que nos alimenta a ilusão de termos alguma importância ao pé deles.
(ler mais...)


TRANSIÇÃO EM CURSO »  2017-11-29  »  Denis Hickel

Nos dias que correm, quando falamos sobre o futuro das cidades, devemos acrescentar à lista dos problemas ambientais em curso o futuro robótico que se avizinha e o impacto geral que a tecnologia poderá trazer para as nossas vidas.
(ler mais...)


ORU »  2017-11-29  »  António Gomes

A operação de reabilitação urbana – ORU – que tem estado em discussão pública, é um documento importante pelas consequências que poderá trazer à cidade de Torres Novas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-12-13  »  Jorge Salgado Simões Torres Novas 2018, mais um ano sem IMI Familiar
»  2017-12-13  »  José Ricardo Costa O Derbi
»  2017-12-12  »  Anabela Santos Falar por falar