• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 18 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 17° / 11°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 1°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 2°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Palermas de serviço

Opinião  »  2017-11-29  »  Maria Augusta Torcato

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.

É uma classe tão importante e resistente que, ao longo dos tempos, não só não sofreu qualquer extinção, como se tem desenvolvido, multiplicado e apurado, à semelhança do que deve ter acontecido com os peixes aquando do dilúvio.
Se bem que a definição de palerma remeta para a qualificação de alguém tolo ou parvo (pertencendo a qualquer um dos géneros), parece que, às vezes, corresponde, também, à sua natureza, espelhando a sua própria identidade.
É verdade que, hoje, não obstante muitas coisas não estarem bem, as pessoas estão despertas para a realidade, têm acesso à informação, mesmo que tenham de ser analíticas, críticas e seletivas, manifestam atitudes mais assertivas, respeitadoras e tolerantes, pronunciam-se e manifestam, com mais facilidade, a sua alegria e felicidade ou a sua repugnância e tristeza, relativamente a situações pessoais ou coletivas, próximas ou distantes. Envolvem-se em ondas gigantes de solidariedade em favor de outras, que conhecem ou não, e em manifestações de rejeição ou condenação do que consideram errado ou inaceitável. E isto é motivo de orgulho para a humanidade.

É verdade, também, que continuam a existir, no sistema, composto por múltiplos sistemas, incapacidades, injustiças e incompetências (três is), que têm de se esconder, disfarçar, fingir o seu oposto, para garantir a sua sobrevivência. E é aqui que o papel dos palermas de serviço é fundamental e mesmo indispensável. Eles são o garante de um determinado status.

Eles ouvem num lado e reverberam no outro lado. Eles aceitam sugestões para ações que fingem ser suas, mas que vão além da sua vontade. Eles lançam as sementes selecionadas nos campos previamente sinalizados, sem noção do que germinará. Eles conduzem a distrações, perdendo-se o foco. Eles movem-se entre os seus pares, aperreados de alma, porque nunca têm a certeza da sua inteireza. Eles circulam entre os que servem e os que os usam, graciosamente humildes, porque sabem que o seu papel é de subserviência e replicação. Eles percebem-se tão divididos e tão indefinidos que, em aprazado momento, encarnam o que fazem, sem pensar, sem questionar, em vácuo. Eles obedecem de forma cega, instruídos e industriados por algo ou alguém que visa os seus ou outros interesses. E são eles que sustentam os sistemas com os três is. E isto é motivo de tristeza para a humanidade. Porque, enquanto existirem condicionamentos ou intimidações para o pensar e para o questionar, correm-se riscos terríveis ao nível do agir.

Agora, imaginemos um sistema, composto por múltiplos sistemas, que não necessitasse para a sua sobrevivência dos palermas de serviço e que valorizasse os seus opostos, mesmo que entre eles houvesse alguns palermas (mas não de serviço). Imaginemos o quanto beneficiaria a humanidade!

Não será motivo de questionação e reflexão o facto de esta classe, apesar da sua entrega e estoicismo, contribuir para emperrar a capacidade, a justiça e a competência?
Não será motivo de questionação e reflexão o facto de haver tanta necessidade desta classe? Ou, simplesmente, o facto de ela existir?

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia