• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 29 Setembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 22° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 23° / 14°
Períodos nublados
Qua.
 25° / 14°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  29° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Torres Novas: um centro sem luz - inês vidal

Opinião  »  2020-08-19  »  Inês Vidal

"Quando se avança pela cidade, para além dos limites da calçada portuguesa que tão bem nos recebe, a visão pode ser bem mais dura"

Torres Novas tinha tudo para ser um bonito postal ilustrado. Do castelo altaneiro, que olha de cima a praça pintada de roxo dos jacarandás, ao rio que o circunda, ao jardim que envolve o centro histórico... Quem vem pela primeira vez, se tiver a sorte de dormitar toda a viagem e abrir os olhos apenas quando curva o topo da rua de Nun’Álvares, cruzando-se em primeiro lugar com a Praça 5 de Outubro, fica, sem dúvida, bem impressionado. Imagina-se, assim, num daqueles bem cuidados centros espanhóis, numa terra com orgulho pelas suas curvas, pelas suas calçadas, pela sua história.

Quando a sua incursão avança pela cidade, para além dos limites da calçada portuguesa que tão bem o recebe, a visão pode ser bem mais dura. E aquela Torres Novas romântica que o castelo, lá no alto, nos oferece, perde o lirismo dos filmes italianos e leva-nos ao coração do cenário de um filme sérvio.

Como qualquer centro que se sente ao abandono, sem gente, sem oferta que atraia, este vai deixando entrar quem não é bem-vindo noutros mundos, quem se move nas sombras, quem não se sente intimidado pelos escombros, antes se funde neles, tornando-se difícil descodificar onde começa um e termina os outros, distinguir quem se contaminou a quem.

Quando miúda, lembro-me de um centro assim, com vielas e ruelas propícias a acolher quem não queria ser visto. A palavra espalhava-se rápido e atrás de uns vinham outros, caras novas, já velhas do trato. Todos sabiam, todos viam, ninguém combatia. Uma geração marcada e magoada. Uma cidade à medida para todos eles, com as respostas que achavam procurar.

Pelo caminho, a cidade ganhou mais céu, mais luz e as ruas e becos do centro ficaram mais amplos, mais visíveis, com menos recantos escondidos. Fruto de uma atenção maior à cidade ou de uma geração que se seguiu, mais desperta para os perigos e sem ilusões de vidas melhores oferecidas numa viagem, a verdade é que vieram dias mais luminosos em Torres Novas.

Mas desengane-se quem pensa que esses dias dormem no passado. O centro da nossa cidade voltou a ser palco atractivo para quem não quer atrair atenções. É um novo ciclo, a repetição de um outro. Uma outra geração, novas caras, vindas não se sabe de onde. As mesmas marcas, os mesmos desejos, os mesmos fantasmas, à procura do que todos sabemos bem.

De novo, todo um centro que se adapta. Ou desiste. Novos medos, novos cuidados. Não bastava já um centro em ruínas, feio em seu redor, que só por si repelia quem até gostaria de entrar. Junta-se agora uma população que assusta quem não conhece, que faz temer, afugenta.

Não sei de onde parte a solução. Se de uma nova mudança de mentalidades, que achávamos já capaz de resistir a uma intempérie destas, se de políticas autárquicas que tragam de novo luz ao centro da cidade. Uma luz sem sombras, daquela que nos pinta a esperança nos mesmos tons de roxo dos jacarandás.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A roleta russa - jorge carreira maia »  2020-09-28  »  Jorge Carreira Maia

A questão do novo coronavírus tornou-se uma espécie de roleta russa em dois momentos. No primeiro, o tambor da pistola roda para descobrirmos se somos ou não contaminados. Caso sejamos, ele torna a rodar, agora de forma decisiva.
(ler mais...)


Boys - rui anastácio »  2020-09-28  »  Rui Anastácio

A palavra parece ser inglesa, mas é apenas aparência. É uma palavra portuguesa, com certeza. Foi proferida, pela primeira vez, nos idos anos 90 pelo actual secretário-geral das nações unidas. “No jobs for the boys”.
(ler mais...)


A bolha - miguel sentieiro »  2020-09-28  »  Miguel Sentieiro

O início das aulas em época de covid exigia medidas drásticas para que o descalabro pandémico não surgisse em todo o seu esplendor. As equipas especializadas do ministério da educação, em estreita ligação com as equipas especializadas da DGS, montaram uma estratégia especializada infalível baseada num único conceito: a bolha…!

Eu sei que o nome não tem um grande impacto sonoro, é um pouco mortiço até, mas interessa sobretudo o seu conteúdo em termos operacionais.
(ler mais...)


Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato »  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato

Sempre tive, e continuo a ter, um fascínio por escolas. Quando se atravessa uma aldeia, uma pequena vila, ou até um monte ou pequenino aglomerado de casinhas, os edifícios que albergavam as escolas têm uma traça comum e especial.
(ler mais...)


QUE PARECENDO SER PLURAL E DIVERSO - margarida trindade »  2020-09-28  »  Margarida Trindade

Em cima da mesa da cozinha, em casa dos meus avós, havia sempre um último número do Jornal de Abrantes. A lembrança é de umas folhas muito brancas e rígidas, de um jornal que à época já me parecia antigo, e era comparado com o Expresso ou com A Capital — outros jornais que me habituei a ver também em cima de outra mesa, na sala de estar da casa dos meus pais.
(ler mais...)


O ESPELHO - josé mota pereira »  2020-09-28  »  José Mota Pereira

Em 1992, ainda a RTP era a televisão única. Todas as quartas-feiras à noite o serão é dedicado a entrevistas protagonizadas por Carlos Cruz a uma série de personalidades. O espaço chama-se precisamente “Carlos Cruz - Quarta Feira” e numa noite a entrevista resultou numa conversa amena e franca.
(ler mais...)


Crónica de um tempo que ainda não aconteceu - jorge salgado simões »  2020-09-28  »  Jorge Salgado Simões

Ainda bem que acabaram o IC3!

Vejam o que seriam os tempos de pandemia sem aquela via, prometida há anos como contrapartida da instalação do Eco Parque do Relvão. Hoje, é lá que se tratam muitos dos resíduos perigosos do país e mesmo de outros países, e entre eles os resíduos hospitalares.
(ler mais...)


A construção de edifícios no Médio Tejo - antónio gomes »  2020-09-28  »  António Gomes

O INE divulgou as estatísticas de construção dos anos 2018 e 2019 com base em estimativas e nas informações das empresas de construção. Significa isto que deveria haver por parte do PS/Torres Novas algum cuidado naquilo que tenta impor dentro da Câmara e não levar a Câmara a divulgar dados que não são rigorosos.
(ler mais...)


Vivências, aprendizagens e emoções - anabela santos »  2020-09-28  »  AnabelaSantos

Para além das vivências, das aprendizagens e das emoções, crescimento, resiliência, luta, trabalho e solidariedade, são estas as palavras que escolho para me acompanharem nos próximos onze meses.

Daqui a algumas horas, um avião me levará até Timor, a ilha encantada, em forma de crocodilo.
(ler mais...)


A mesa - rui anastácio »  2020-09-12  »  Rui Anastácio

Tenho um certo fascínio por mesas. Ao longo da minha vida já mandei fazer algumas. Quase sempre mesas grandes e robustas. Onde se possam sentar muitas pessoas. Onde se possa beber um bom vinho, comer muito, conversar muito, discutir muito, praguejar, gritar, lutar por ideias e ideais.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-01  »  José Mota Pereira O rio do fururo - josé mota pereira
»  2020-09-01  »  Rui Anastácio Agricultores - rui anastácio
»  2020-09-12  »  Mariana Varela Democracia e representatividade - mariana varela
»  2020-09-01  »  Mariana Varela O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela
»  2020-09-12  »  Miguel Sentieiro Aventurazinha no Comboio Fantasma - miguel sentieiro