• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 26 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 17° / 10°
Céu nublado
Qua.
 19° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva

Opinião  »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

"A mesma matéria-prima e os mesmos processos resultam sempre no mesmo produto"

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado. Por vezes, o contrário também acontece. Um objecto artístico nascido na arte comercial pode eventualmente deixar a sua marca na arte não comercial por mérito próprio, ou seja, por se evidenciar obedecendo aos mesmos parâmetros. Mesmo que seja um flop de vendas (habitualmente, é). Não são universos estanques. A criação pura e livre, verdadeiramente independente, isenta de objectivos financeiros, também precisa de pôr pão na mesa, daí a necessidade de mecenato. Ou acontecem os diversos exemplos históricos de génios que morreram na miséria por ousarem criar como actividade exclusiva, sem qualquer apoio. Para junto de uma gravitam as mentes curiosas, irrequietas e muitas vezes irreverentes, para junto da outra o consumo descartável, superficial e frívolo. Mas ambas constituem cultura. E a cultura, por definição, tem de ser cultivada.

Um sistema fechado produz sempre os mesmos resultados. A mesma matéria-prima e os mesmos processos resultam sempre no mesmo produto. Para um resultado diferente, ou se altera a matéria-prima ou se alteram os processos. Uma sociedade ou civilização que não incorpora o novo, o diferente, não evolui e está condenada a perecer. Quanto mais não seja, de tédio. Apostar tudo na arte comercial, dar ao povo aquilo que o povo quer, em detrimento do novo, diferente, mesmo que estranho e desconfortável à primeira vista, é o mesmo paradigma. É fechar o sistema. No imediato é imensamente popular, é a zona de conforto da maioria, mas, no longo prazo conduz à asfixia intelectual generalizada. Tirando algumas raras e honrosas excepções que exibem um amor enorme à camisola e um sentido admirável de dever cívico, é aqui que a oferta cultural torrejana está. Os critérios de selecção são claramente simples. Resumem-se a escolher qualquer coisa que tenha aparecido num qualquer programa da manhã na TV, apresentando-o como conteúdo de elevado valor cultural à populaça que o engole sem ser preciso mastigar. Viva a festarola.

Na mesa ao lado, um grupo de fans de Stockhausen, após devorar uma sandes de porco no espeto e vários jarros de sangria, fica trinta minutos em silêncio com um sorriso nos lábios. No fim, batem palmas que nem loucos. Lá mais ao fundo noutra mesa, seis imperiais em copo de plástico e dois pães com chouriço quentinhos animam uma acalorada discussão acerca de Vertov e a influência do construtivismo soviético nas técnicas de montagem e edição actuais. No tabuleiro da praça, alguém já bastante alcoolizado tenta reproduzir um Basquiat com cálices de chocolate da ginginha de Óbidos. Ébrios da cultura que têm, desdenham a cultura que não têm, sem reflectir sobre a cultura que querem ter.

É frequente ouvir dizer que “em equipa que vence, não se mexe”. Pois… Mas o problema é que o campeonato onde esta equipa vence é o campeonato da aldeola. E Torres Novas já é cidade há uns anitos.

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia