• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 13 Dezembro 2018   |     Directora: Inês Vidal   |     Estatuto Editorial   |     História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 16° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
Sáb.
 17° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
Sex.
 15° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  17° / 9°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

DOUTOR, TRAGA-ME GIZ, POR FAVOR

Opinião  »  2015-08-28  »  José Ricardo Costa

"As escolas precisam de ser limpas e alguém tem de as limpar. Se essa pessoa tiver uma licenciatura em vez de ser a pessoa humilde e semi-analfabeta de outro tempo, tanto melhor"

Num daqueles felizes momentos em que não era fácil perceber se estava sóbrio ou bêbedo, dizia Winston Churchill que o capitalismo representa uma desigual distribuição da riqueza, enquanto o socialismo representa a igual distribuição da miséria, dito espirituoso que até um filósofo de esquerda como John Rawls seria capaz de subscrever. E se este não via a igualdade como um fim em si mesmo e que deve ser alcançado incondicionalmente, isso também está longe de ver a desigualdade como um fim em si mesmo. Há filósofos que não se sentem particularmente chocados com a desigualdade. Mas não existem fanáticos da desigualdade, obcecados em procurar a desigualdade como outros procuram a igualdade nem que para isso se matem, exilem ou espoliem milhões de pessoas.


Filósofos políticos e morais de raiz anglo-saxónica como Michael Oakeshott, Karl Popper, Isaiah Berlin, John Kekes ou Bernard Williams não são fanáticos da desigualdade. Preferem antes aceitar uma ordem natural e espontânea das coisas que, não sendo perfeita nem nada que se pareça, tende a ser corrigida através do tempo e não de uma vez só como acontece por via radical e revolucionária. Daí a sua raivinha de estimação face a um racionalismo planificador que pretende promover artificialmente, através de um processo de engenharia social, uma igualdade que está muito longe da nossa natureza intrinsecamente imperfeita. O que até faz algum sentido pois mostra a experiência que se morreu mais da cura do que do mal nas poucas vezes em que se tentou criar uma sociedade perfeita, projectada em gabinetes filosóficos com o mesmo rigor técnico e racional com que engenheiros projectam uma ponte perfeita. Os resultados foram catastróficos, sobretudo para os mais desfavorecidos que, nessas sociedades, é quase toda a gente, sendo os quadros dirigentes do Partido as mais desonrosas excepções.


É com base nesta perspectiva que podemos ler uma notícia como esta. Claro que um pessimista vai dizer que as coisas estão tão más que um licenciado já é obrigado a andar a limpar uma escola. Um optimista, por sua vez, dirá que as coisas evoluíram de tal modo que as pessoas que limpam as escolas já não são as humildes e semi-analfabetas de outros tempos mas licenciados com uma dignidade social que merece ser valorizada.


Convém deitar alguma água na fervura deste Benfica/Sporting e dizer, como George Eliot, que mais do que ser pessimista ou optimista, é preferível ser melhorista. Ora, convém questionar se estamos mesmo perante um caso de "melhorismo". Sim e não. Não, porque ninguém que faz uma licenciatura tem como projecto de vida andar a fazer limpeza numa escola. Mas também é verdade que as escolas precisam de ser limpas e alguém tem de as limpar. Se essa pessoa tiver uma licenciatura em vez de ser a pessoa humilde e semi-analfabeta de outro tempo, tanto melhor. Ora, no microcosmos social que é uma escola e na sociedade em geral, essa nova hierarquia, distante de outras passadas, faz toda a diferença. Já não estamos perante um cenário em que há uns e os outros. Doutores e engenheiros de um lado, humildes e semi-analfabetos do outro. Somos todos doutores e engenheiros, cenário que não desagradaria aos próprios Marx e Lenine, implicando isso uma nova ordem social. Os salários são diferentes, sim, mas o estatuto social dos mais desfavorecidos não é o mesmo estatuto dos seus pais e avós.

 
Estamos longe da igualdade perfeita mas, se virmos bem, é nas imperfeitíssimas democracias liberais que os níveis de igualdade social são mais elevados e onde as classes mais desfavorecidas acabam por ser mais favorecidas, graças à riqueza tornada possível pela própria desigualdade. Portugal, sendo um país pobre, estupidamente desigual e cheio de tiques do Antigo Regime anterior à Revolução Liberal do século XIX, não é exemplo para ninguém. Mas mais vale ser um licenciado a fazer limpeza numa escola sueca, alemã, holandesa ou dinamarquesa, do que ser médico ou engenheiro nos países que se gabavam de promover a igualdade, acabando por vir dar serventia e trabalhar  na agricultura nos países onde existe uma desigual distribuição da riqueza sem que isso provoque qualquer tipo de orgulho.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O drama dos partidos de poder »  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A crise em que se arrasta o principal partido da oposição, o PSD, é sintomática da natureza dos partidos de poder em Portugal. São fortes e sólidos quando estão no poder; são frágeis e à beira da desagregação quando a governação lhes foge.
(ler mais...)


Mulheres »  2018-12-07  »  Inês Vidal

São mulheres. São presidentes, directoras, empresárias, polícias, bombeiras, autarcas, entre tantas outras profissões ou actividades. Acima de tudo, são mulheres. Ocupam cargos que um dia foram tradicionalmente de homens, ou foram as primeiras a fazê-lo por estas bandas.
(ler mais...)


Direito à indignação »  2018-12-07  »  Fernando Faria Pereira

O conceito deve-se, tanto quanto me lembro a Mário Soares, figura incontornável da democracia, que protagonizou a Presidência Aberta pelo Ambiente em resposta ao artigo 66º da constituição (ambiente e qualidade de vida) que estipula no seu nº 1: todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender.
(ler mais...)


Amasso Friday »  2018-12-07  »  Miguel Sentieiro

Vi as imagens daquela massa humana compactada à porta da loja de aspiradores na tal Black Friday. Numa primeira análise temo confessar que também embarquei na tese “ o que passa na cabeça destes mentecaptos para, numa 6ª feira de manhã, se sujeitarem a uma espera de horas neste degredo massivo?”.
(ler mais...)


As estradas do concelho de Torres Novas »  2018-12-07  »  António Gomes

Uma parte muito significativa das estradas, ruas, ruelas, largos, rotundas, somando mais de cem, que fazem parte da rede viária deste concelho, encontram-se em estado de deterioração mais ou menos avançado. Algumas situações estão mesmo num estado miserável, como sabemos.
(ler mais...)


Como funciona a nossa memória »  2018-12-07  »  Juvenal Silva

 

A memória é essencial para a nossa capacidade de gravar, armazenar e recuperar informações. A nossa memória é uma máquina fantástica, que contém as nossas perceções, os nossos sentimentos, as nossas memórias, imaginação e permite-nos pensar e, ser quem somos.
(ler mais...)


Filhos e netos »  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia

Para o meu neto Manuel.

Há uma diferença essencial, para um pai e avô, entre o nascimento de um filho e o de um neto. O nascimento do filho traz com ele, para além do prazer que a sua vinda significa, problemas práticos.
(ler mais...)


Palavra passe »  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira

Estaciono à primeira. Entro no café. Portas automáticas. 3 rapazes: o do lado de lá e outros 2. Boa noite! Bnoite. 1 Água com gás natural sem copo. A televisão está no CM: desgraças, previsíveis ameaças.
(ler mais...)


Biblioteca com vida »  2018-11-21  »  Anabela Santos

Há muitos anos, não quero lembrar quantos para não recordar que já estou na “meia idade”, subia, com alguma regularidade, a ladeira de Salvador e dirigia-me à biblioteca municipal, que ficava junto da igreja.
(ler mais...)


Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados »  2018-11-21  »  Juvenal Silva

Os resfriados podem ocorrer em qualquer época do ano. Todavia, são mais comuns entre as estações de outono e inverno.

Os sintomas mais comuns são: coriza, espirros, congestão nasal, tosse, dor garganta, cansaço, perda de apetite, febre baixa, embora nas crianças possa ser mais elevada ocasionalmente.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia Filhos e netos
»  2018-11-21  »  Juvenal Silva Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados
»  2018-11-21  »  Anabela Santos Biblioteca com vida
»  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira Palavra passe
»  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia O drama dos partidos de poder