• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 17 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Qui.
 16° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

DOUTOR, TRAGA-ME GIZ, POR FAVOR

Opinião  »  2015-08-28  »  José Ricardo Costa

"As escolas precisam de ser limpas e alguém tem de as limpar. Se essa pessoa tiver uma licenciatura em vez de ser a pessoa humilde e semi-analfabeta de outro tempo, tanto melhor"

Num daqueles felizes momentos em que não era fácil perceber se estava sóbrio ou bêbedo, dizia Winston Churchill que o capitalismo representa uma desigual distribuição da riqueza, enquanto o socialismo representa a igual distribuição da miséria, dito espirituoso que até um filósofo de esquerda como John Rawls seria capaz de subscrever. E se este não via a igualdade como um fim em si mesmo e que deve ser alcançado incondicionalmente, isso também está longe de ver a desigualdade como um fim em si mesmo. Há filósofos que não se sentem particularmente chocados com a desigualdade. Mas não existem fanáticos da desigualdade, obcecados em procurar a desigualdade como outros procuram a igualdade nem que para isso se matem, exilem ou espoliem milhões de pessoas.


Filósofos políticos e morais de raiz anglo-saxónica como Michael Oakeshott, Karl Popper, Isaiah Berlin, John Kekes ou Bernard Williams não são fanáticos da desigualdade. Preferem antes aceitar uma ordem natural e espontânea das coisas que, não sendo perfeita nem nada que se pareça, tende a ser corrigida através do tempo e não de uma vez só como acontece por via radical e revolucionária. Daí a sua raivinha de estimação face a um racionalismo planificador que pretende promover artificialmente, através de um processo de engenharia social, uma igualdade que está muito longe da nossa natureza intrinsecamente imperfeita. O que até faz algum sentido pois mostra a experiência que se morreu mais da cura do que do mal nas poucas vezes em que se tentou criar uma sociedade perfeita, projectada em gabinetes filosóficos com o mesmo rigor técnico e racional com que engenheiros projectam uma ponte perfeita. Os resultados foram catastróficos, sobretudo para os mais desfavorecidos que, nessas sociedades, é quase toda a gente, sendo os quadros dirigentes do Partido as mais desonrosas excepções.


É com base nesta perspectiva que podemos ler uma notícia como esta. Claro que um pessimista vai dizer que as coisas estão tão más que um licenciado já é obrigado a andar a limpar uma escola. Um optimista, por sua vez, dirá que as coisas evoluíram de tal modo que as pessoas que limpam as escolas já não são as humildes e semi-analfabetas de outros tempos mas licenciados com uma dignidade social que merece ser valorizada.


Convém deitar alguma água na fervura deste Benfica/Sporting e dizer, como George Eliot, que mais do que ser pessimista ou optimista, é preferível ser melhorista. Ora, convém questionar se estamos mesmo perante um caso de "melhorismo". Sim e não. Não, porque ninguém que faz uma licenciatura tem como projecto de vida andar a fazer limpeza numa escola. Mas também é verdade que as escolas precisam de ser limpas e alguém tem de as limpar. Se essa pessoa tiver uma licenciatura em vez de ser a pessoa humilde e semi-analfabeta de outro tempo, tanto melhor. Ora, no microcosmos social que é uma escola e na sociedade em geral, essa nova hierarquia, distante de outras passadas, faz toda a diferença. Já não estamos perante um cenário em que há uns e os outros. Doutores e engenheiros de um lado, humildes e semi-analfabetos do outro. Somos todos doutores e engenheiros, cenário que não desagradaria aos próprios Marx e Lenine, implicando isso uma nova ordem social. Os salários são diferentes, sim, mas o estatuto social dos mais desfavorecidos não é o mesmo estatuto dos seus pais e avós.

 
Estamos longe da igualdade perfeita mas, se virmos bem, é nas imperfeitíssimas democracias liberais que os níveis de igualdade social são mais elevados e onde as classes mais desfavorecidas acabam por ser mais favorecidas, graças à riqueza tornada possível pela própria desigualdade. Portugal, sendo um país pobre, estupidamente desigual e cheio de tiques do Antigo Regime anterior à Revolução Liberal do século XIX, não é exemplo para ninguém. Mas mais vale ser um licenciado a fazer limpeza numa escola sueca, alemã, holandesa ou dinamarquesa, do que ser médico ou engenheiro nos países que se gabavam de promover a igualdade, acabando por vir dar serventia e trabalhar  na agricultura nos países onde existe uma desigual distribuição da riqueza sem que isso provoque qualquer tipo de orgulho.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias

Um sidonismo suave »  2018-01-04  »  Jorge Carreira Maia

Apesar da situação actual ser radicalmente diferente daquela que, durante a I República, conduziu Sidónio Pais ao poder, o país caiu, sem dar por isso, num novo sidonismo. Sidónio, de forma turbulenta, tal como eram os tempos de então, liquidou o parlamentarismo republicano e instaurou um regime presidencialista.
(ler mais...)


Boas intenções e boas ações »  2018-01-04  »  Maria Augusta Torcato

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de que há um recomeço, um renascimento e uma renovação da esperança nem se sabe bem de ou em quê.
(ler mais...)


Os avieiros já morreram há muito »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras.
(ler mais...)


Resíduos natalícios »  2018-01-04  »  Nuno Curado

Este ano, mais uma vez, repetiu-se o que se tornou a marca do Natal dos tempos modernos: o exagero de compras, presentes, coisas que se compram e oferecem. E em paralelo, as inevitáveis embalagens, embrulhos, sacos, enfeites e laços. Todos estes últimos, depois do efémero ritual de oferece – desembrulha – deita-fora-o-embrulho (e a embalagem), são apenas resíduos do dia seguinte… E nestes dias, a confusão na mesa da ceia ou a pressa para ir à missa de Natal não deixam tempo ou vontade para separar todo o lixo produzido.
(ler mais...)


Pasta medicinal couto »  2018-01-04  »  Fernando Faria Pereira

Primeiro mês do ano, aniversário para mim, já próximo dos sessenta. O velho passou-se, rei morto, viva o rei! Não faço previsões, mas informo-me: são tantas notícias ao mesmo tempo, de todo o lado, em tão variados meios, jornais, rádio, televisão, que por vezes me apetece desligar, mas não é possível! A internet tem tudo a não sei quantos megabites por segundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...