• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 24 Março 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 25° / 12°
Céu limpo
Ter.
 26° / 12°
Céu limpo
Seg.
 26° / 9°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  24° / 11°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

- Filha, só velhos, velhos, velhos...

Opinião  »  2018-03-08  »  Maria Augusta Torcato

"O que se está a fazer não chega. Não chega!"

A minha mãe está doente. E este facto é, e não é, o assunto desta crónica. Haverá, inevitável e infelizmente, muitas mães e muitos pais doentes, cujos filhos ou filhas se preocuparão como eu me preocupo e a sentirem-se impotentes e tristes face à doença, à velhice e ao que ambas carregam.

Mas o que me leva a escrever sobre este assunto tão pessoal e tão privado é a constatação - não de nada que não soubesse- de que o meu país, o nosso país, não está preparado, melhor, não tem as respostas que deveria ter para as pessoas que tanto contribuiram para que ele fosse melhor do que é. Há, na forma como responde às necessidades destas pessoas, mais velhas e doentes, uma forma de traição, uma indiferença e um desprezo inaceitáveis e, pelos vistos, incontornáveis. E esta constatação gera, em mim, e, com certeza em muita gente, sentimentos de revolta, azedume e mágoa. Também é claro que todos sabemos desta realidade, mas parece que só a reconhecemos quando a vivenciamos.

As cerca de dez horas iniciais no serviço de urgência do hospital, a que se seguiram mais cerca de doze até que se procedesse ao internamento, constituíram-se como momentos atrozes, sem fim, e criadores de sensações de vazio e fragilidade, já que não se pode fazer nada. Literalmente nada, a não ser esperar. Esperar e esperar.... Mas o tempo, que passa sempre sem se dar conta, ali resolveu instalar-se, escravizar-nos e torturar-nos. E as salas e os corredores exercem sobre todos os que ali estão uma pressão angustiante, porque estão atafulhados de doentes. Uns transportados em cadeiras de rodas, outros em macas e muitos, muitos, ocupando as cadeiras existentes, duras, frias e desconfortáveis, e ainda aqueles que não tendo lugar onde se acolher se tinham de encostar às paredes, aos balcões e tinham de se desviar a todo o momento, porque empatavam quem se movimentava e precisava circular. Apenas uma aragem sincopada, uma corrente de ar que nos batia de cada vez que as portas de vidro automáticas abriam, e estavam sempre a fechar, a abrir, a abrir, sem chegarem a fechar nos mantinha entre o frio do interior e o frio do exterior.

Creio que entendi a minha mãe quando, passadas tantas horas e ter tido a sorte de ter uma maca onde se estendesse, mesmo que fosse um cobertor dentro de uma fronha a servir de almofada, desabafou: “filha, só velhos, velhos, velhos”. Sim, tinha toda a razão. Por um momento , dentro de mim, ri-me, talvez ela tivesse sentido de humor e o seu autoconceito a colocasse noutro grupo. O momento passou, talvez ela tivesse manifestado uma consciência aguda da sua realidade e a de tantas outras pessoas. As imagens que lhe chegavam não eram, de facto, agradáveis. Havia, além das maleitas físicas, as maleitas da alma e algumas ausências da pessoa do seu próprio corpo. Por isso, este, às vezes descoberto e descomposto (como achariam os seus donos quando ainda o habitavam), a mostrar as marcas, não só da idade, mas do esforço, das dificuldades e dos abandonos, pertubaria qualquer um.

Ela pensava. Não sei bem o quê. Eu sei o que pensei. Que este país não nos está a dar o que deveria dar. E não há neste pensamento qualquer desejo de benevolências. Há desejo de justiça. Justiça e dignidade. Porque não é nem justo nem digno o modo como o nosso país está a tratar as pessoas, designadamente as mais velhas, as doentes e as frágeis.

Aquelas salas e corredores atafulhados de doentes não tinham quaisquer condições nem para quem cuidava nem para quem era cuidado. Não havia justiça nem dignidade para quem prestava os serviços com o maior desvelo possível nem havia justiça nem dignidade para quem, deseperadamente, precisava dos serviços. Eu sei o que pensei.

Pensei que o país não podia continuar a apostar e a depender de um sistema financeiro que determina tudo e impele a humanidade para a sobrevivência, como se viver fosse um grande favor que se tem de pagar bem caro, pelo menos para alguns.

Pensei que não é justo nem digno terem-se perdido tantos milhões em prol da salvação de bancos de ricos que fizeram o que quiseram e os velhos, os doentes e os frágeis terem de suportar e aguentar a sua miséria humana em condições tão dificeis, depois de terem trabalhado uma vida inteira.

Pensei que, ali, naquela sala, que primava pela igualdade de género, os que personificam a arrogância, a prepotência, o poder e o seu abuso, a discriminação e a vaidade se podiam rever na fralda suja e de odor forte da senhora que, de meio corpo ao léu, gritava, aparentemente perturbada do seu siso, que a tirassem dali. É que ali, naquela sala, ou noutras à sua imagem e semelhança, acabam por se encontrar os que praticam a injustiça e a indignidade e os que as sofrem. A fralda e o seu conteúdo devem ser iguais para todos. As condições é que podem ser diferentes. Mas morremos todos! Pelo menos há justiça na morte. Só não há nas suas condições. Todos morrem. É a mísera condição humana.
E os que se julgam imortais, distantes da essência daquela sala, insensíveis aos problemas e ao sofrimento, privilegiando um empreendedorismo bacoco e efémero e um burguesismo de meia tijela também ficam de fralda, também abandonam o seu corpo e também morrem. Creio que se deveria fazer mais. As pessoas do nosso país merecem. E parece-me que ainda não é este o caminho. O que se está a fazer não chega. Não chega!

 

 

 Outras notícias - Opinião


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)


O Nhonhinhas »  2019-03-22  »  Miguel Sentieiro

A nonhinhisse como fenómeno social surgiu para nos pôr à prova. Entrou nas nossas vidas sem se dar por isso, mas percebemos o efeito corrosivo que tem no nosso bem estar. Um indivíduo coloca-se na fila de uma repartição comercial.
(ler mais...)


#Hashtag »  2019-03-22  »  Margarida Oliveira

Se no imediato, os 200 anos estimados pela ONU para o alcance da igualdade entre mulheres e homens parecem uma espécie de eternidade inatingível, na verdade, olhando a linha temporal da humanidade, eles representam apenas o último pedaço do último degrau, desta luta milenar.
(ler mais...)


Prioritário? As estradas. »  2019-03-22  »  António Gomes

Vem isto a propósito das obras de reabilitação do largo do Rossio. Decidiu, a maioria socialista na CM, dar prioridade à realização de obras no Largo General Humberto Delgado (Rossio). O projeto não se sabe bem o que é, visto que o PS decidiu alterar aquilo que foi aprovado em reunião de câmara.
(ler mais...)


Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música »  2019-03-22  »  Ana Sentieiro

É com alguma indignação entrelaçada com revolta que exponho um assunto secundário numa panóplia de assuntos, dos quais, o salário do Ronaldo agarra o protagonismo e leva-o de férias para a Grécia no seu jato privado, com direito a champanhe e não espumante! Parece que ninguém está interessado em dar relevo à falta de cultura musical dos millennials.
(ler mais...)


Brasil, China, Entre-os-Rios e Novo Banco »  2019-03-09  »  Jorge Carreira Maia

1. A DOENÇA DO BRASIL. Apesar de sermos latinos e de permitirmos coisas inaceitáveis nos países do centro e do norte da Europa, ainda é difícil para os portugueses compreender a doença que ataca com virulência inusitada o Brasil.
(ler mais...)


Remodelação, Bloco, Greves e Exames »  2019-02-22  »  Jorge Carreira Maia

1. REMODELAÇÃO DO GOVERNO. A importância da remodelação do governo ocorrida no início da semana é, do ponto de vista da orientação política, tendencialmente nula.
(ler mais...)


Mulher »  2019-02-21  »  Margarida Oliveira

Se é adquirido que com o 25 de Abril de 1974, as mulheres alcançaram o reconhecimento dos seus direitos mais fundamentais, exigindo a igualdade na vida, entre mulheres e homens, certo é, que fora o que seria obrigatório conceder, com o objectivo de serenar os ânimos reivindicativos femininos, praticamente tudo continua por fazer.
(ler mais...)


Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar. »  2019-02-21  »  José Ricardo Costa

Por estranho que pareça, houve um tempo em que se ia ao restaurante sobretudo para comer. Sim, também para conviver, comemorar, fazer negócios, mas sempre com o prazer da boa mesa como alvo. Nós, portugueses, para além de comer adoramos falar sobre o que comemos, nem que seja para lembrar, com a expressão lúbrica do lobo dos desenhos animados, o maravilhoso cabrito com grelos que comemos há 20 anos.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-02-22  »  Jorge Carreira Maia Remodelação, Bloco, Greves e Exames
»  2019-03-09  »  Jorge Carreira Maia Brasil, China, Entre-os-Rios e Novo Banco
»  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo
»  2019-03-22  »  José Ricardo Costa Como dantes não se falava, também não se dava por ela.
»  2019-03-22  »  Ana Sentieiro Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música