• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 06 Julho 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 37° / 16°
Céu limpo
Qua.
 32° / 16°
Céu limpo
Ter.
 38° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  39° / 18°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Sabiam - margarida trindade

Opinião  »  2020-06-07  »  Margarida Trindade

"Nunca a humanidade teve tanta tecnologia e tanta informação disponível e acessível, e por isso nunca esteve tão confrontada com evidências fortes do mal"

Os nossos quotidianos estão a passar por uma transformação inédita. Pode ser já um lugar comum dizer isto, mas nunca me vou habituar a andar sempre de máscara, a falar com a máscara colocada e a receber e comunicar com os outros sem lhes perceber a expressão.

Este filme futurista onde nos vemos metidos hoje vai abalar tudo: os empregos, os lugares que ocupamos na profissão ou nas famílias, mas sobretudo veio enviesar qualquer percepção do amanhã, ainda cinzenta e difusa por muito tempo. Tudo se desarruma agora, para se rearrumar sabe-se lá como num depois qualquer que há-de vir aí.
Há uns dias, na fila do distanciamento social por cumprir da Caixa Geral de Depósitos, disse-me uma mulher já experiente: «Filha, eu digo sempre aos meus que vim do ruim para o bom, mas olhe que o meu filho que está na Suíça já me disse ‘oh mãe olha que a gente agora está a ir do bom para o ruim’».

Ora, nunca como hoje, em tantos anos de paz na Europa, nos foi dada uma oportunidade tão clara de não dar por garantida e continuada essa mesma paz, o emprego e um salário que dê até ao fim do mês, que para muitos não dá ainda. Sabemos que é um contexto frágil e que pode acabar tudo de súbito. Basta pensar um bocadinho.
Mesmo apetrechados de telemóveis, internet, satélites, concentrados de vitaminas e super computadores, uma catástrofe natural, um louco no poder, um vírus contagioso podem, de um momento para o outro, deixar a vida na Terra num caos e nada nos salvará. Uma pandemia: afinal, quem contava com isto?

Nunca a humanidade teve tanta tecnologia e tanta informação disponível e acessível, e por isso nunca esteve tão confrontada com evidências fortes do mal. Eu sei que há negacionistas, terraplanistas e malta que acredita que o Homem não foi à Lua e que as vacinas são prejudiciais. Também sei que elegeram o Trump e o Bolsonaro e outras pessoas que prefiro não nomear porque sei que os metadados associam tudo e não vou dar palco nem ligações web para esse nome.
Mas não me venham dizer que não sabem das guerras, das fomes, dos horrores, das atrocidades, do relento, dos naufrágios, das doenças, dos ditadores, do holocausto, dos campos de concentração, da tortura, dos traumas, das crianças armadas, dos atentados, dos estropiamentos, dos fanatismos, do mal que grassa onde a humanidade não existe.
Não vou em cantigas leves do vai ficar tudo bem, mas quero acreditar que queremos um mundo melhor para os nossos filhos e queremos que eles vão do ruim para o bom ou para o melhor. Que seja esse, aliás, o futuro deles e dos vindouros.

Parece-me, no entanto, que o que queremos é que esse futuro se construa assente nas mesmas premissas que nos trouxeram até aqui. Nas invenções das crises, narrativas históricas nas quais todos sabemos que os ricos acabam sempre por ficar mais ricos e os pobres cada vez mais pobres, ou se tiverem sorte passarão, em uma ou duas gerações, de pobres para remediados. E quando hoje estamos fartinhos de saber como é que isto acaba, não me venham dizer que vai ser diferente porque vai ser igual.

Amanhã ou daqui a cem anos, se a estrutura social e económica continuar a funcionar alimentada pelos crentes nos relatos televisivos, jornais e modernas redes sociais, de mais uma hecatombe financeira, essa mentira circular do medo e das audiências que enchem os cofres sempre aos mesmos, quando o que há, bem distribuído daria para todos e ainda sobrava.

Mas, tal como as interacções nas redes sociais, também é moderno continuar a acreditar nestas desgraças anunciadas, sem questionar, sem perguntar, em conformismo triste. É que não imaginam o jeito que dá haver gente que não pergunta, não reclama, não dá alternativas, não pensa e é tristemente conformada com o seu fado.
E não me venham dizer que não sabiam quando chegar a hora de escolher. Quando, entre o fanático e o tolerante, escolherem o radicalismo cego e surdo, escolherem a selecção, escolherem as armas, escolherem o silêncio, desistirem dos menos apetrechados, escondendo-se, instalados, por detrás de uma falsa ignorância conformista ao parecer bem e ao não importunar muito.

Sabiam. Sabiam e fingiram que não se incomodavam. Ou, afinal, não se incomodavam mesmo. Sabiam, mas preferiram baixar os olhos, subtrair a consciência. Sabiam, mas deu jeito fazer o jeito. Sabiam. Sabiam, mas os outros serão sempre “os outros”. Quando, um dia, virem os filhos a irem do bom para o ruim, nessa altura bem podem berrar. Sabiam.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)


Cada um escolhe os seus amigos - antónio gomes »  2020-07-03  »  António Gomes

A proposta do Bloco para apoio ao comércio local foi rejeitada. O PS mostrou insensibilidade e ignorância com este sector da economia local. O PS não quer saber das dificuldades de quem teve de encerrar os negócios durante três meses e por isso não conseguiu realizar dinheiro, apesar de manter os compromissos regulares como as rendas, entre outros.
(ler mais...)


A justa distância - jorge carreira maia »  2020-07-03  »  Jorge Carreira Maia

Começamos a descobrir que eram exorbitantes as expectativas de que a pandemia fosse um pesadelo que passaria na manhã seguinte. Quando se confinou, a esperança era que tudo voltasse ao habitual passadas duas semanas, talvez quatro.
(ler mais...)


SEQUESTRADOS - josé mota pereira »  2020-07-03  »  José Mota Pereira

Parece inevitável que no próximo ano, ano e meio, possamos desconfinar mais do que estamos. A surgirem alterações, será sempre no sentido do aumento do confinamento e não o seu contrário. Sem prazo à vista para que nos libertemos disto.
(ler mais...)


É lidar »  2020-07-03  »  Margarida Trindade

Sou constantemente assaltada pela dúvida. Sofro deste desconforto constante. Bem sei que mais felizes são os que nunca têm dúvidas e os que raramente se enganam e que dizer isto pode parecer uma banalidade, mas é a mais pura das verdades.
(ler mais...)


Capitalismo e saúde mental - mariana varela »  2020-07-03  »  Mariana Varela

Num mundo onde os problemas mentais se alastram, em que domina a ansiedade diária, o stress, a depressão, em que a prescrição de medicação como os ansiolíticos e antidepressivos tem vindo a aumentar, urge detetar as raízes desta verdadeira crise de saúde mental, ao invés de nos restringirmos ao tratamento de sintomas.
(ler mais...)


São Pedro, o Ferreira, pesando as almas - joão carlos lopes »  2020-06-19  »  João Carlos Lopes

Na reunião camarária do passado dia 2 de Junho, a respeito de mais uma trapalhada relacionada com o apoio unilateral da maioria socialista ao jornal “O Almonda”, uma vereadora dizia que se sentia enganada e mais disse que o PS, que tinha votado a favor, também devia sentir-se enganado.
(ler mais...)


Carta aberta a bom entendedor - inês vidal »  2020-06-18  »  Inês Vidal

Tenho mau feitio, quem me conhece sabe. Uma característica que nasceu comigo, mas que nitidamente vai piorando à medida que os anos passam, a vida corre, as experiências se sucedem...

Não deixa de ter graça que simultaneamente, mas num sentido inversamente proporcional, cresça a minha tolerância para com uma série de outras coisas que outrora me custava entender.
(ler mais...)


Radicais e moderados - jorge carreira maia »  2020-06-18  »  Jorge Carreira Maia

Na segunda-feira passada, o Presidente da República fez uma intervenção na televisão sobre a vandalização da estátua do Padre António Vieira. Chamou a atenção para que nenhum dos verdadeiros problemas da pobreza, da discriminação e do racismo se resolve com estas acções.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-06-18  »  Inês Vidal Carta aberta a bom entendedor - inês vidal
»  2020-06-19  »  João Carlos Lopes São Pedro, o Ferreira, pesando as almas - joão carlos lopes
»  2020-06-07  »  Margarida Trindade Sabiam - margarida trindade
»  2020-06-07  »  Rui Anastácio Roçadora - rui anastácio
»  2020-06-18  »  José Mota Pereira Dois mitos do desenvolvimento em Torres Novas - josé mota pereira