• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 18° / 9°
Céu nublado
Qua.
 18° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 12°
Céu muito nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Sabiam - margarida trindade

Opinião  »  2020-06-07  »  Margarida Trindade

"Nunca a humanidade teve tanta tecnologia e tanta informação disponível e acessível, e por isso nunca esteve tão confrontada com evidências fortes do mal"

Os nossos quotidianos estão a passar por uma transformação inédita. Pode ser já um lugar comum dizer isto, mas nunca me vou habituar a andar sempre de máscara, a falar com a máscara colocada e a receber e comunicar com os outros sem lhes perceber a expressão.

Este filme futurista onde nos vemos metidos hoje vai abalar tudo: os empregos, os lugares que ocupamos na profissão ou nas famílias, mas sobretudo veio enviesar qualquer percepção do amanhã, ainda cinzenta e difusa por muito tempo. Tudo se desarruma agora, para se rearrumar sabe-se lá como num depois qualquer que há-de vir aí.
Há uns dias, na fila do distanciamento social por cumprir da Caixa Geral de Depósitos, disse-me uma mulher já experiente: «Filha, eu digo sempre aos meus que vim do ruim para o bom, mas olhe que o meu filho que está na Suíça já me disse ‘oh mãe olha que a gente agora está a ir do bom para o ruim’».

Ora, nunca como hoje, em tantos anos de paz na Europa, nos foi dada uma oportunidade tão clara de não dar por garantida e continuada essa mesma paz, o emprego e um salário que dê até ao fim do mês, que para muitos não dá ainda. Sabemos que é um contexto frágil e que pode acabar tudo de súbito. Basta pensar um bocadinho.
Mesmo apetrechados de telemóveis, internet, satélites, concentrados de vitaminas e super computadores, uma catástrofe natural, um louco no poder, um vírus contagioso podem, de um momento para o outro, deixar a vida na Terra num caos e nada nos salvará. Uma pandemia: afinal, quem contava com isto?

Nunca a humanidade teve tanta tecnologia e tanta informação disponível e acessível, e por isso nunca esteve tão confrontada com evidências fortes do mal. Eu sei que há negacionistas, terraplanistas e malta que acredita que o Homem não foi à Lua e que as vacinas são prejudiciais. Também sei que elegeram o Trump e o Bolsonaro e outras pessoas que prefiro não nomear porque sei que os metadados associam tudo e não vou dar palco nem ligações web para esse nome.
Mas não me venham dizer que não sabem das guerras, das fomes, dos horrores, das atrocidades, do relento, dos naufrágios, das doenças, dos ditadores, do holocausto, dos campos de concentração, da tortura, dos traumas, das crianças armadas, dos atentados, dos estropiamentos, dos fanatismos, do mal que grassa onde a humanidade não existe.
Não vou em cantigas leves do vai ficar tudo bem, mas quero acreditar que queremos um mundo melhor para os nossos filhos e queremos que eles vão do ruim para o bom ou para o melhor. Que seja esse, aliás, o futuro deles e dos vindouros.

Parece-me, no entanto, que o que queremos é que esse futuro se construa assente nas mesmas premissas que nos trouxeram até aqui. Nas invenções das crises, narrativas históricas nas quais todos sabemos que os ricos acabam sempre por ficar mais ricos e os pobres cada vez mais pobres, ou se tiverem sorte passarão, em uma ou duas gerações, de pobres para remediados. E quando hoje estamos fartinhos de saber como é que isto acaba, não me venham dizer que vai ser diferente porque vai ser igual.

Amanhã ou daqui a cem anos, se a estrutura social e económica continuar a funcionar alimentada pelos crentes nos relatos televisivos, jornais e modernas redes sociais, de mais uma hecatombe financeira, essa mentira circular do medo e das audiências que enchem os cofres sempre aos mesmos, quando o que há, bem distribuído daria para todos e ainda sobrava.

Mas, tal como as interacções nas redes sociais, também é moderno continuar a acreditar nestas desgraças anunciadas, sem questionar, sem perguntar, em conformismo triste. É que não imaginam o jeito que dá haver gente que não pergunta, não reclama, não dá alternativas, não pensa e é tristemente conformada com o seu fado.
E não me venham dizer que não sabiam quando chegar a hora de escolher. Quando, entre o fanático e o tolerante, escolherem o radicalismo cego e surdo, escolherem a selecção, escolherem as armas, escolherem o silêncio, desistirem dos menos apetrechados, escondendo-se, instalados, por detrás de uma falsa ignorância conformista ao parecer bem e ao não importunar muito.

Sabiam. Sabiam e fingiram que não se incomodavam. Ou, afinal, não se incomodavam mesmo. Sabiam, mas preferiram baixar os olhos, subtrair a consciência. Sabiam, mas deu jeito fazer o jeito. Sabiam. Sabiam, mas os outros serão sempre “os outros”. Quando, um dia, virem os filhos a irem do bom para o ruim, nessa altura bem podem berrar. Sabiam.

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal