• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 17 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 6°
Períodos nublados
Sex.
 17° / 8°
Claro
Qui.
 16° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Boas intenções e boas ações

Opinião  »  2018-01-04  »  Maria Augusta Torcato

"O nascimento de um ano é também um momento de desejos, de sonhos, de expressar vontades"

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio, o que contradiz a ideia de que o que conta é a intenção. Se assim fosse, as boas intenções não teriam esse desfecho.
O novo ano aqui está e não basta ser novo para que as coisas sejam diferentes, não obstante existir como que uma crença, ou algo que germina no interior de cada um de nós, de que há um recomeço, um renascimento e uma renovação da esperança nem se sabe bem de ou em quê.
Assistir-se à entrada de um novo ano é sinónimo de se estar vivo, representa a soma de mais um ano no percurso que é a vida e há um sentimento mesclado de prazer, alegria, vontade e desejo de que este ano que começa é que é o tal ano, o ano em que as coisas vão acontecer como gostaríamos que acontecessem, mesmo que não saibamos muito bem como e o que será isso.
É, talvez, esse sentimento que alimenta a necessária força e a resiliência em cada dia, do primeiro ao último do ano. E, depois, há um término e um novo recomeço. Dir-se-ia que os anos caíram num círculo vicioso. A única diferença é que neste círculo, que reiteradamente percorremos, enquanto há coisas que se mantêm iguais ou muito semelhantes, nós vamos mudando e a forma como vemos e lemos essas coisas também muda.
Mas, o nascimento de um ano implica, necessariamente, a morte de outro. E, em relação ao ano velho, há que fazer um balanço ou então fingir que se faz. É algo intuitivo, que parece não ter efeitos práticos. Lá se vão as boas intenções. Se se fizessem verdadeiros balanços, de certeza que o ano novo seria diferente, para melhor.
Este velho ano foi pouco agradável. E foi pouco agradável, porque houve muitas pessoas a sofrer. Perto e longe de nós. E, por muito boas que sejam as contas, por muito bom que seja o crescimento económico, por muito bons que sejam os resultados financeiros, nada disto se deve sobrepor às pessoas. Nunca. Aliás, as contas, a economia e as finanças só interessam na medida em que deveriam servir as pessoas e não apenas umas pessoas.
Este velho ano foi pouco agradável. E foi pouco agradável, porque houve pessoas desiludidas e magoadas. Perto e longe de nós. Por muitas coisas, umas com importância, outras, afinal, sem importância alguma, como a vaidade, a inveja, a mania, a ânsia do poder e do reconhecimento, algumas apenas pelo “posso, quero e mando”.
Mas, o nascimento de um ano é também um momento de desejos, de sonhos, de expressar vontades. E eu, que tenho muito menos voltas a dar ao círculo do que já dei, desejo para este novo ano coisas muito simples, como saúde, saúde para todos, e um mundo melhor e o mundo começa sempre em nós. E há muito a fazer pelo mundo. É preciso que, perto e longe de nós, aqueles que têm poder de decisão (ou porque lhes foi democraticamente facultado ou porque dele se apropriaram) tenham tino, muito tino, recuperem o tino, porque os desatinos têm sido mais que muitos, surpreendentes até, e o tempo que se perde a refazer o que fazem é uma perda irrecuperável, com prejuízo sempre para os mais frágeis, os mais pobres e os mais desfavorecidos. E são estes que precisam de ter voz. Quem os representa tem de ter, além de boas intenções, boas ações. No fim, o inferno lá estará à espera dos que se ficam apenas pelas primeiras. A não ser que até aí se possam corromper e enviesar os destinos.
Pelo que se percebe, a vida é sempre a perder, mas é a ilusão do seu contrário que lhe dá sentido. E o novo ano aí está, para nos pôr a dar mais uma volta...no círculo...habitual. Mas, mesmo assim, um bom ano novo!

 

 

 Outras notícias - Opinião


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)


Kindergarten... »  2018-01-04  »  Hélder Dias

Um sidonismo suave »  2018-01-04  »  Jorge Carreira Maia

Apesar da situação actual ser radicalmente diferente daquela que, durante a I República, conduziu Sidónio Pais ao poder, o país caiu, sem dar por isso, num novo sidonismo. Sidónio, de forma turbulenta, tal como eram os tempos de então, liquidou o parlamentarismo republicano e instaurou um regime presidencialista.
(ler mais...)


Os avieiros já morreram há muito »  2018-01-04  »  Carlos Tomé

Os toros de madeira desciam pelo Tejo abaixo aproveitando a correnteza de todos os dias, galgando aluviões, espraiando-se pela areia nas margens ou pela água que invadia os campos e neles cavava húmus, a esperança de novas culturas, outras terras.
(ler mais...)


Resíduos natalícios »  2018-01-04  »  Nuno Curado

Este ano, mais uma vez, repetiu-se o que se tornou a marca do Natal dos tempos modernos: o exagero de compras, presentes, coisas que se compram e oferecem. E em paralelo, as inevitáveis embalagens, embrulhos, sacos, enfeites e laços. Todos estes últimos, depois do efémero ritual de oferece – desembrulha – deita-fora-o-embrulho (e a embalagem), são apenas resíduos do dia seguinte… E nestes dias, a confusão na mesa da ceia ou a pressa para ir à missa de Natal não deixam tempo ou vontade para separar todo o lixo produzido.
(ler mais...)


Pasta medicinal couto »  2018-01-04  »  Fernando Faria Pereira

Primeiro mês do ano, aniversário para mim, já próximo dos sessenta. O velho passou-se, rei morto, viva o rei! Não faço previsões, mas informo-me: são tantas notícias ao mesmo tempo, de todo o lado, em tão variados meios, jornais, rádio, televisão, que por vezes me apetece desligar, mas não é possível! A internet tem tudo a não sei quantos megabites por segundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...