• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 12 Agosto 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 27° / 16°
Períodos nublados
Sex.
 28° / 15°
Períodos nublados
Qui.
 30° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 17°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Será que não damos mais que isto?

Opinião  »  2017-01-05  »  João Carlos Lopes

"Não há um plano, um desenho, um esboço, que reconfigure o que foi traçado há 40 ou há 20 anos"

Nos idos da década de oitenta do século passado, muito do que se debateu sobre Torres Novas teve lugar na velha galeria Maria Lamas. Por ali passaram arquitectos, urbanistas e ambientalistas, gente como Gonçalo Ribeiro Teles ou Carlos Pimenta marcaram presença em activas discussões sobre o futuro de Torres Novas. Ontem, como hoje, se falava na necessidade de integrar a memória no que se planeia e na urgência de planear com coerência e abandonar os tempos da navegação à vista e da gestão reactiva do território.

Nessa altura, eram tempos românticos, autarcas como Casimiro Gomes Pereira e depois Arnaldo Santos participavam frequentemente nessas tertúlias da Associação do Património, sem medo de serem contaminados por “esquerdismos” ou outras alergias. Notava-se que gostavam de aprender, de enriquecer as suas perspectivas das coisas, tinham a intuição de que todos ganhamos quando todos sabemos mais e aprendemos uns com os outros, mesmo quando em campos de opinião opostos
Foi um privilégio termos tido agora, nesta acção da ADP,  o "encontro do solstício" do passado mês de  Dezembro, gente como Paulo Durão ou o reconhecido antropólogo da Universidade do Minho Luís Cunha, mas sobretudo Luís Vassalo Rosa, um homem com fortes ligações familiares a Torres Novas e que conhece, como ninguém, a história do planeamento urbanístico de Torres Novas nos últimos 50 anos, até pelo papel interveniente que desempenhou em algumas opções que se foram colocando enquanto, como arquitecto e urbanista, colaborou directamente com o município.
Ainda recentemente, noutras circunstâncias, deu mostras do carinho que continua a devotar esta terra, a respeito da coordenação entre a família e a autarquia, da grande exposição de pintura do seu familiar José Vassalo.
Voltando ao debate da ADP, ele foi fértil como não podia deixar de ser, com Vassalo Rosa a balizar os limites cidade e as suas quatro portas (uma bela metáfora sobre o que queremos fazer desta terra, mais do que tudo) ou Jorge Salgado Simões a desenhar, com o rigor sistemático do geógrafo, as três cidades que cabem num torrão com quase nove séculos: a cidade sem rumo, a cidade dos vazios e a cidade que falta fazer.
Não há um plano, um desenho, um esboço, que reconfigure o que foi traçado há 40 ou há 20 anos: faz-se aleatoriamente a ampliação de uma quartel de bombeiros encafuado entre prédios e um teatro, que já se admite que só dá para 20 anos; fala-se em piscinas e parques urbanos aqui, depois aquaparques ali, como quem fala de instalar quiosques, tudo avulso, por impulso. Há depois o deserto repartido pela cidade, vazios em processos de vegetalização que vão durar décadas: a imensa cratera da fiação de algodão, na Bica, a própria fábrica antiga, espaços como o da antiga Nery ou dos Claras e o próprio “centro histórico”, que não passa de uma construção mental dos torrejanos. Que fazer?
É preciso pensar nisto tudo e ousar admitir a complexidade como abordagem: o espaço, a demografia, o património, o rio, as vivências e as sociabilidades, a economia local, os equipamentos e as estruturas, a real e não a imaginada capacidade e potencial das instituições locais como agentes do “desenvolvimento” e da coesão da cidade, estratégias de requalificação da cidade em construção (Silvã, Chãs, Arrábida) e não apenas da sua zona fóssil, o chamado centro histórico, como lidar com facto de, dentro de 15 ou 20 anos, muitas das nossas aldeias estarem praticamente desabitadas, se temos ou não massa crítica e ainda alguma capacidade de a fixar, enfim: um caminho. Um carreiro que nos conduza os passos.
Entre as exigências da construção de um pensamento para a cidade e o concelho e a governação assente no “selfie” em tudo quanto é festarola e patuscada, ou a mimetização, à escala paroquial, dessa grande feira da ladra tecnológica chamada web summit, tida como salvação da economia e de um futuro concreto para a vida das pessoas e de uma cidade, vai uma grande distância. É um facto. Mas até isso seria bom discutir: será que, assunto arrumado, não damos mais que isto?

 

 

 Outras notícias - Opinião


As nossas vozes - josé mota pereira »  2020-07-27  »  José Mota Pereira

Muitas vezes, a comunicação social local é acusada de ser um instrumento ao serviço do caciquismo.

 Outras tantas vezes, também não é difícil de desmentir que a comunicação social local e regional (jornais e rádios) é apenas páginas de jornais ou horas de rádio vazias desprovidas de conteúdo ou interesse.
(ler mais...)


E se António Rodrigues? »  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia

Se António Rodrigues não se candidatar à presidência do Município, Pedro Ferreira será, sem dificuldade, reeleito. A entrada de António Rodrigues na corrida poderá, contudo, perturbar o passeio dos socialistas.
(ler mais...)


TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira »  2020-07-18  »  José Mota Pereira

Em 1985, as pessoas da zona alta vinham à vila. E diziam-no quando vinham ao centro! Ainda hoje, passados 35anos, vem-se à vila. Eram bem diferentes os limites físicos. A vila terminava junto à capela de Santo António e todas as urbanizações circundantes à Av.
(ler mais...)


530 mil - rui anastácio »  2020-07-18  »  Rui Anastácio

É o número de jovens que abandonaram o país nos últimos 10 anos.

Perante este número, é impossível não concluir que somos um país falhado. Não somos só um país falhado.
(ler mais...)


Zona industrial em Riachos - antónio gomes »  2020-07-18  »  António Gomes

As zonas industriais são espaços de ordenamento do território. Só com a sua implementação se consegue evitar a construção de empresas em locais que se destinam a outros fins e que não estão minimamente preparados para receber determinado tipo de actividades.
(ler mais...)


Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela »  2020-07-18  »  Mariana Varela

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção.
(ler mais...)


Por onde ir? - acácio gouveia »  2020-07-18  »  Acácio Gouveia

É gratificante apercebermo-nos de que há jovens que canalizam a sua irrequietude para o pensamento crítico e para opinar sobre política. O texto da jovem Mariana Varela é um bom ponto de partida para discussão sobre perspectivas de alternativas ao caminho actual do mundo.
(ler mais...)


Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes »  2020-07-18  »  João Carlos Lopes

1. Ser cidade não vale um caracol, não acrescenta uma vírgula a nenhum campeonato. Em Portugal, “cidade” não é nenhuma categoria político-administrativa, tratando-se de um título meramente honorífico.
(ler mais...)


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia E se António Rodrigues?
»  2020-07-18  »  José Mota Pereira TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  João Carlos Lopes Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes
»  2020-07-27  »  José Mota Pereira As nossas vozes - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  Mariana Varela Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela