• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 17° / 9°
Céu nublado
Qua.
 20° / 10°
Céu nublado
Ter.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O rio do fururo - josé mota pereira

Opinião  »  2020-09-01  »  José Mota Pereira

"Felizmente há outras forças alternativas com outro olhar sobre o futuro"

Nos diferentes modelos de desenvolvimento para o concelho, há que reconhecê-lo, os poderes municipais estão muitas vezes limitados nos seus poderes de decisão. Mas, as suas decisões – ou não decisões – e aquilo que consideram estratégico, tem reflexos e consequências para o futuro dos concelhos.

Em Torres Novas, é assumido pelo poder autárquico que o filão do desenvolvimento local passa pela aposta no emprego nas grandes superfícies comerciais. Ainda muito recentemente, já em tempos de pandemia, em entrevista a um jornal local, tal foi declarado ao mais alto nível. Mas também de alguma oposição (?), nomeadamente no seu espectro direito, lemos artigos na imprensa que defendem para o futuro de Torres Novas a continuação na aposta no “cluster” (um grande palavrão do “economês”) das bases logísticas. Uns e outros defendem mais do mesmo: precariedade laboral, baixos salários e incapacidade de atracção no regresso dos jovens que todos os anos saem de Torres Novas para estudar.

Felizmente há outras forças alternativas com outro olhar sobre o futuro. Sabe-se que está previsto para a zona da Várzea dos Mesiões, nos antigos terrenos do “Alves das Lãs”, a implementação de mais um hipermercado, e tal empreendimento tem tido o aplauso e o apoio legal e legítimo da maioria que governa o executivo municipal.

O Município parece querer, por este e outros sinais, abandonar e deixar cair o seu próprio projecto da mata municipal na Várzea. Confesso que daquilo que conheci desse projecto, algumas particularidades levantavam-me alguns sobressaltos. Como também sempre pensei que outras particularidades poderiam ser objecto de melhor análise. Mas sobretudo, sempre pensei, e continuo a pensar, que um projecto como o que foi aprovado, merecia e deveria ter tido uma discussão pública que nunca foi feita. Pelos vistos, nos tempos mais próximos nem discussão nem execução do projecto da mata. Assunto arrumado e arquivado?

Se assim é, uma extensa área natural de elevado potencial (onde persistem, ainda que abandonadas, muitas das antigas hortas da vila) fica vergada ao filão do desenvolvimento preconizado pelo executivo municipal. Venha de lá então mais um hipermercado onde se venderão provavelmente maçãs do Chile, uvas da África do Sul, peixes da aquacultutura da Grécia e borregos da Austrália. Talvez com sorte, até se vendam figos secos da Turquia.

É tempo de encontrar alternativas de desenvolvimento. Sendo certo, não podemos ser ingénuos, que continuaremos muito tempo dependentes da produção em massa, sobrexploração e distribuição global dos recursos que nos vão garantindo a satisfação das imensas quantidades que vamos necessitando para a nossa subsistência.





Mas, se podemos e devemos ir avançando num outro caminho, porque esperamos? Em Torres Novas também é possível fazê-lo.

Na várzea dos Mesiões, junto ao Almonda, pode correr o rio do futuro numa economia mais sustentável, mais ecológica e com aproveitamento dos recursos pelas próprias famílias torrejanas. Implementar numa das portas da cidade hortas urbanas de cariz comunitário em Torres Novas, poderia ser o início desse caminho. Tais espaços, a ser constituídos, seriam regulamentados e enquadrados pelo Município e trariam vantagens económicas para a auto subsistência das famílias envolvidas; valorização dos produtos locais e vantagens ecológicas decorrentes da produção de proximidade com eventual estímulo para o cultivo biológico. Acresceriam ainda vantagens pedagógicas com possível implementação de actividades escolares, de aprendizagem e outras actividades recreativas alargadas a toda a comunidade.

As hortas comunitárias na cidade, na várzea mas não só na várzea, permitiriam ainda o esbatimento do domínio progressivo (quase esmagamento!) da cidade sobre as aldeias, do urbano sobre o campo, criando uma continuidade territorial que poderia ajudar com outros projectos no repovoamento das nossas aldeias – repovoamento que se torna cada vez mais urgente e a que dedicaremos algumas linhas proximamente.

Não é utopia devolver terras às famílias. Não é utopia o Município projectar hortas urbanas de cariz comunitário, implementando na nossa terra uma perspectiva agro-ecológica de desenvolvimento. Ao fazê-lo, estará a investir na biodiversidade local (os tais “produtos da terra” de que até já existe feira) e a ajudar a superar o paradigma da agricultura industrializada, de que apesar tudo e realisticamente, teremos de continuar dependentes.

Em pleno século XXI, à entrada da sua terceira década, está na hora de começar a pensar mudar no rumo do nosso desenvolvimento. Nisso, o município não se pode eximir das suas responsabilidades. Seja pela sua acção ou pela sua inacção.

Nada do que aqui se propõe é grandioso, nem sequer muito inovador e tem sido implementado em muitas cidades do país. A Câmara Municipal tem seguramente quadros técnicos competentes para implementar um projecto desta dimensão. O que importa é que se ouse pensar para lá da velha lógica do betão, das rotundas e do tal filão do emprego dos hipermercados...e além de pensar, agir.

Já é tempo de assim ser.

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa