• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 18 de Julho de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 30° / 16°
Céu limpo
Sex.
 27° / 17°
Períodos nublados
Qui.
 26° / 16°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  26° / 16°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A Mala

Opinião  »  2018-03-08  »  José Ricardo Costa

"O tempo não parou e o milénio passou a ser o nosso enquanto a história esfrega um olho"

É uma das mais poderosas e iconográficas imagens do século XX português: homens, mulheres, crianças, carregando malas enormes e pesadas para dentro do Sud Expresso, rumo a Paris, exalando aquela pobreza granítica do quadro O Almoço do Trolha, de Júlio Pomar. Pessoas entre a humildade e a miséria de uma analfabética vida sem história, muitas sem nunca terem visto o mar num país que foi à beira-mar plantado ou alguma vez pisado a capital do império, sendo antes este a tê-las pisado toda a vida. Aquelas malas enormes e pesadas são muito mais do que malas: são uma vida levada aos ombros, desde a pobre aldeia portuguesa até aos esgotos sombrios da cidade-luz.

Fiz três vezes o Sud Express, duas antes do 25 de Abril e outra no Verão de 74. Faz bastante tempo, a minha idade era pouca, mas lembro-me bem das grandes malas mas também de sacos, saquinhos e sacolas, com batatas, enchidos, queijos, garrafões de vinho ou azeite lá da terra. Ao longo de dois longos dias numa carruagem onde se conversava, comia e, depois, à noite, também se dormia, e no meio de toda aquela tralha, respirava-se uma homérica atmosfera de viagem, uma experiência de transfiguração social, com a Espanha a fazer de mar informe entre uma Ítaca que ficou para trás e o desconhecido mas sem qualquer doce Penélope para cujos braços voltar, apenas uma esquelética miséria para esquecer de vez.

Hoje, embora também já sejamos um país de imigrantes, continuamos a ser um país de emigrantes. Porém, nada que ver com os míticos avós dos anos 60, os quais ainda eram filhos das personagens de As Vinhas da Ira em busca das belas laranjeiras da Califórnia. O modo como viajam hoje os novos emigrantes, já não para se atolarem nos esgotos de Paris mas para as simplesmente modestas periferias de Londres, Frankfurt, Amsterdão ou Copenhaga, faz-me lembrar a primeira das seis conferências de Italo Calvino, em Harvard, no longínquo ano de 1984, intitulada “Leveza”, reunidas num livro chamado “Seis propostas para o próximo milénio”.

O tempo não parou e o milénio passou a ser o nosso enquanto a história esfrega um olho. A primeira ideia que me vem à cabeça ao pensar na emigração dos nossos millennials é a de “leveza”. O lento Sud Expresso, carregado de batatas, enchidos, azeite e muita angústia, deu lugar a voos low cost da Ryanair ou da Easyjet, levando pelo ar jovens que falam Inglês e há muito conectados ao mundo, demorando o mesmo que uma singela viagem de comboio entre Lisboa e Aveiro. Entretanto, o bidonville lá no esgoto de Paris, deu lugar a um apartamento com wi-fi, onde, a todo o momento, via facebook, whatsapp, skype ou chamadas já sem roaming, se está ligado a todo o mundo e a qualquer hora.

Mas são as malas. São as malas, de porão ou cabine, com as suas pueris rodinhas, que nos dão o sentido da história. Em vez de trágicos sísifos, carregando enormes e pesados rochedos, temos jovens deambulando em assépicos e climatizados aeroportos, com phones nos ouvidos, telemóvel na mão direita e mão esquerda a fazer deslizar uma mala com rodinhas, o que até pode ser feito com as pontas dos dedos. O emigrante de hoje faz lembrar as criancinhas da escola primária em dia de visita de estudo, levando a sua mochila de rodinhas com o seu lanchinho para comer a meio da manhã. Como ousaria pensar o velho Paracelso, os sísifos de outrora transformaram-se nas sílfides de hoje.

Felizmente, convenhamos.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Um concubinato de conveniência »  2018-07-12  »  Jorge Carreira Maia

Desde o início que a actual solução governativa sofre de um pecado mortal. Este reside num governo onde só um dos partidos de esquerda tem assento. Ao escolher o caminho mais fácil, a esquerda resolveu alguns problemas de momento.
(ler mais...)


Obstipação intestinal: um mal cada vez mais presente »  2018-07-12  »  Juvenal Silva

A obstipação intestinal, também conhecida como prisão de ventre, é uma doença gastrointestinal cada vez mais presente e, com um grau de Incidência preocupante, já na idade infantil. Num organismo saudável, o percurso da matéria residual pelo trato digestivo, corresponde a um ciclo previsível e regular que poderá oscilar entre 6 a 24 horas.
(ler mais...)


F »  2018-07-12  »  José Ricardo Costa

Admito ser um bocadinho conservador, sobretudo naqueles dias em que acordo com uma certa vontade de lavar os dentes com pasta medicinal Couto e de ter um mordomo chamado Jeeves para me trazer o fato às riscas enquanto faz o resumo do Financial Times.
(ler mais...)


A avó Augusta, a foice e a vassoura »  2018-07-12  »  Maria Augusta Torcato

Esta crónica vai apresentar o formato de duas em uma. É que, apesar das temáticas e problemáticas quotidianas fervilharem na minha cabecinha, não tenho tido tempinho algum para escrever. E o ato de escrever exige pelo menos um bocadinho de tempo.
(ler mais...)


Dias difíceis »  2018-06-22  »  Jorge Carreira Maia

A situação política está mais confusa do que parece. Só há um dado claro e inequívoco. Exceptuando os socialistas, todos os actores agem com o objectivo de evitar que o PS obtenha maioria absoluta nas próximas legislativas.
(ler mais...)


Aloé Vera, a planta milagrosa »  2018-06-21  »  Juvenal Silva

Aloé Vera, também conhecida por planta do milagres pelos médicos da antiguidade, é uma planta medicinal cujo uso tem sido intensificado ao longo dos séculos e, nas últimas décadas, tem sido motivo de interesse de pesquisas, com vários estudos científicos na aplicação de uma grande variedade de doenças e com grande destaque nas doenças oncológicas.
(ler mais...)


Cumpre-se a tradição »  2018-06-21  »  Anabela Santos

Junho, mês dos santos populares… António, Pedro e João.
Santo António, conhecido por Santo António de Lisboa, o santo que pregou aos peixes, o Santo casamenteiro, não é exclusivo da nossa capital e não é de Pádua.
(ler mais...)


A água »  2018-06-21  »  António Gomes

É de todos conhecida a escassez de água doce existente no planeta. Em Portugal, o ano de 2017 foi particularmente avisador para toda a gente: lembramos bem o transporte de água de umas regiões para outras e os condicionalismos impostos ao seu consumo (jardins, rotundas, etc).
(ler mais...)


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-07-12  »  Maria Augusta Torcato A avó Augusta, a foice e a vassoura
»  2018-07-12  »  Jorge Carreira Maia Um concubinato de conveniência
»  2018-07-12  »  José Ricardo Costa F