• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 18 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 14° / 5°
Céu nublado
Seg.
 11° / 4°
Períodos nublados
Dom.
 15° / 6°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  18° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Venham mais vinte cinco, por Inês Vidal

Opinião  »  2019-10-02  »  Inês Vidal

"Estamos cada vez mais prontos, como se estivéssemos a começar agora mas já sabendo tudo, para mais vinte cinco."

Não deixa de ser curioso o facto de festejarmos 25 anos com a produção de uma revista. Numa altura em que já ninguém lê - muito menos jornais, mesmo os regionais e, dentro destes, menos ainda os que não anunciam nascimentos, casamentos e funerais - produzir ainda mais uma revista tem algo de irónico. Se já 16 ou 20 páginas de quinze em quinze dias, sem crimes esboçados em letras garrafais, fake news ou jornalismo chiclet – aquele que se mastiga e deita fora como diz a música – parece difícil arranjar quem leia, quanto mais este calhamaço. Ainda por cima quando o tema é apenas um: a grandiosa faceta de aguentar 25 anos como jornal independente, contra tudo e contra muitos, num círculo onde nem sempre a independência é bem vista. Mas o que havemos de dizer em nossa defesa? Só sabemos fazer isto. E, pior, é isto que queremos e gostamos de fazer.

Cheguei a este jornal, o único da minha vida, em 2003. Tinha eu 22 anos. Menos do que aqueles que hoje festejamos. O Jornal Torrejano, nesta sua segunda série, completava então 9. Não é preciso muito para perceber que a minha história enquanto jornalista se confunde com a própria história do jornal. Não conheci outra casa, outro dono, outro professor. Já o mesmo não se pode dizer do Jornal Torrejano, puzzle perfeito de todos os que aqui passaram, mas cuja história ultrapassa em muito a daqueles que com ele se cruzaram. E já foram alguns ao longo destas duas décadas e meia.
Aqui aprendi a escrever, a ver, a ler nas entrelinhas. Aqui me fiz jornalista, recebi os meus melhores elogios e as minhas maiores críticas. Aqui fui cuspida na rua por quem não concordava comigo e publicamente enxovalhada por dizer o que pensava e o que apenas acontecia. Descobri, da pior maneira, que a verdade é o caminho mais difícil. Mas fui aguentando, sem cedências, porque aqui me ensinaram que o nosso papel é este, que nem todos vão gostar. Mas, doa a quem doer, inclusive a nós, temos obrigação de o continuar a fazer. De forma digna e de cabeça erguida.

Fazer jornais tem que se lhe diga. É difícil agradar a todos, é mais fácil ser bode expiatório quando poucos entendem que somos apenas o mensageiro. Um mensageiro que se atreve a questionar, porque o papel de um jornal não é apenas noticiar. É fazer pensar. Mas, mais difícil ainda, é fazer jornais independentes. A falta de um grupo que nos suporte, nos justifique e que nos defenda, muito atrapalha a tarefa. Mas quem nos conhece sabe que não nos imaginamos de outra forma. Obedecer sem questionar não é o jornalismo que queremos para nós e para os nossos. Nunca foi e continuará a não ser.

Completamos vinte cinco anos num ano que muito nos entristece, porque não podemos festejar com todos os que estiveram connosco desde o início, mas é bom ver e bom de ver que a motivação que nos trouxe aqui continua a fazer sentido para todos os que se envolvem na produção deste jornal.

Há dias um amigo, militante assumido do PCP, contava-me que enquanto colava um cartaz do partido, alguém que passava dizia: “Estes levaram tareia da grande, mas não desistem”. Numa comparação à devida escala, que vale o que vale e que me vai custar dezenas de críticas por aí, assim estamos nós. Vivemos há mais de duas décadas sozinhos, filhos de um boicote que não entendemos, porque não concebemos que a verdade possa ter um preço. Mas aqui estamos, entre amigos, a festejar vinte cinco anos e a avisar que estamos cada vez mais prontos, como se estivéssemos a começar agora mas já sabendo tudo, para mais vinte cinco.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)


O PDM e a sua revisão »  2019-12-20  »  António Gomes

Parece que é desta. Ao fim de dezoito anos, o processo de revisão do PDM de Torres Novas dá sinais. Foi preciso o governo ameaçar com cortes nas receitas às autarquias que não completarem a revisão deste importante instrumento de ordenamento do território em 2020, para se iniciar tão importante tarefa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?