• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 26 Fevereiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 19° / 8°
Céu limpo
Dom.
 20° / 8°
Céu limpo
Sáb.
 20° / 8°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  18° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Venham mais vinte cinco, por Inês Vidal

Opinião  »  2019-10-02  »  Inês Vidal

"Estamos cada vez mais prontos, como se estivéssemos a começar agora mas já sabendo tudo, para mais vinte cinco."

Não deixa de ser curioso o facto de festejarmos 25 anos com a produção de uma revista. Numa altura em que já ninguém lê - muito menos jornais, mesmo os regionais e, dentro destes, menos ainda os que não anunciam nascimentos, casamentos e funerais - produzir ainda mais uma revista tem algo de irónico. Se já 16 ou 20 páginas de quinze em quinze dias, sem crimes esboçados em letras garrafais, fake news ou jornalismo chiclet – aquele que se mastiga e deita fora como diz a música – parece difícil arranjar quem leia, quanto mais este calhamaço. Ainda por cima quando o tema é apenas um: a grandiosa faceta de aguentar 25 anos como jornal independente, contra tudo e contra muitos, num círculo onde nem sempre a independência é bem vista. Mas o que havemos de dizer em nossa defesa? Só sabemos fazer isto. E, pior, é isto que queremos e gostamos de fazer.

Cheguei a este jornal, o único da minha vida, em 2003. Tinha eu 22 anos. Menos do que aqueles que hoje festejamos. O Jornal Torrejano, nesta sua segunda série, completava então 9. Não é preciso muito para perceber que a minha história enquanto jornalista se confunde com a própria história do jornal. Não conheci outra casa, outro dono, outro professor. Já o mesmo não se pode dizer do Jornal Torrejano, puzzle perfeito de todos os que aqui passaram, mas cuja história ultrapassa em muito a daqueles que com ele se cruzaram. E já foram alguns ao longo destas duas décadas e meia.
Aqui aprendi a escrever, a ver, a ler nas entrelinhas. Aqui me fiz jornalista, recebi os meus melhores elogios e as minhas maiores críticas. Aqui fui cuspida na rua por quem não concordava comigo e publicamente enxovalhada por dizer o que pensava e o que apenas acontecia. Descobri, da pior maneira, que a verdade é o caminho mais difícil. Mas fui aguentando, sem cedências, porque aqui me ensinaram que o nosso papel é este, que nem todos vão gostar. Mas, doa a quem doer, inclusive a nós, temos obrigação de o continuar a fazer. De forma digna e de cabeça erguida.

Fazer jornais tem que se lhe diga. É difícil agradar a todos, é mais fácil ser bode expiatório quando poucos entendem que somos apenas o mensageiro. Um mensageiro que se atreve a questionar, porque o papel de um jornal não é apenas noticiar. É fazer pensar. Mas, mais difícil ainda, é fazer jornais independentes. A falta de um grupo que nos suporte, nos justifique e que nos defenda, muito atrapalha a tarefa. Mas quem nos conhece sabe que não nos imaginamos de outra forma. Obedecer sem questionar não é o jornalismo que queremos para nós e para os nossos. Nunca foi e continuará a não ser.

Completamos vinte cinco anos num ano que muito nos entristece, porque não podemos festejar com todos os que estiveram connosco desde o início, mas é bom ver e bom de ver que a motivação que nos trouxe aqui continua a fazer sentido para todos os que se envolvem na produção deste jornal.

Há dias um amigo, militante assumido do PCP, contava-me que enquanto colava um cartaz do partido, alguém que passava dizia: “Estes levaram tareia da grande, mas não desistem”. Numa comparação à devida escala, que vale o que vale e que me vai custar dezenas de críticas por aí, assim estamos nós. Vivemos há mais de duas décadas sozinhos, filhos de um boicote que não entendemos, porque não concebemos que a verdade possa ter um preço. Mas aqui estamos, entre amigos, a festejar vinte cinco anos e a avisar que estamos cada vez mais prontos, como se estivéssemos a começar agora mas já sabendo tudo, para mais vinte cinco.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nicolau III - rui anastácio »  2021-02-22  »  Rui Anastácio

Dizia-se do último czar da Rússia, Nicolau II, que a sua opinião era a opinião da última pessoa com quem tinha falado. Cem anos depois, Nicolau II reencarnou em alguma daquela rapaziada que tomou conta dos principais partidos da nossa democracia.
(ler mais...)


Na mouche - josé ricardo costa »  2021-02-22  »  José Ricardo Costa

Quando saí de Torres Novas para ir estudar em Lisboa já sabia que iria depois sair de Lisboa para vir trabalhar em Torres Novas. A primeira razão para voltar foi de natureza umbilical: eu ser de Torres Novas como outros são de Mangualde ou Famalicão.
(ler mais...)


A pandemia, o Estado e os portugueses - jorge carreira maia »  2021-02-22  »  Jorge Carreira Maia

Se se observar o comportamento dos portugueses perante a pandemia, talvez seja possível ter um vislumbre daquilo que somos e de como gostamos de ser governados. Obviamente que não nos comportamos todas da mesma forma e não gostamos todos de ser governados da mesma maneira.
(ler mais...)


Altruísmo heróico e outras fábulas - carlos paiva »  2021-02-22  »  Carlos Paiva

O herói nacional, melhor jogador de futebol do mundo de sempre, segundo dizem, foi protagonista numa daquelas histórias que são matéria-prima para solidificar lendas. Nessa história, sublinhando as origens humildes, o estratosférico conquista mais um laço com o Zé comum.
(ler mais...)


A oportunidade da sobra - antónio gomes »  2021-02-22  »  António Gomes

Apesar da limitação de vacinas nesta fase, o país tem vindo a ser confrontado com variados episódios de vacinação fora do que está priorizado. Há sempre alguém que se julga acima das normas ou que faz as suas próprias normas e ultrapassa assim os que estão na fila, ou então por via de terceiros chegam primeiro à seringa.
(ler mais...)


São sobras, Senhor! São sobras! - ana lúcia cláudio »  2021-02-22  »  Ana Lúcia Cláudio

Na falta de acções presenciais, multiplicaram-se, nos últimos meses, as iniciativas on-line sobre os mais diversos assuntos. Num destes eventos em que participei, sensibilizou-me, particularmente, o testemunho de um ex-ministro social-democrata que, quando questionado sobre um eventual regresso à vida política mais activa, reconheceu que não pretende fazê-lo porque, e nas suas palavras, os quatro anos em que foi ministro mudaram-no, levando amigos e familiares mais próximos a dizerem-lhe que, nessa altura, ele não era “o mesmo Nuno”.
(ler mais...)


PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal »  2021-02-20  »  Inês Vidal

 1. O PSD de Torres Novas é uma anedota. Ao mesmo tempo que digo isto, ouço já ao fundo vozes a erguerem-se contra esta forma crua e dura de arrancar com este texto. Imagino até as conclusões de quem tem facilidade de falar sem saber: é do Bloco, dizem uns, comunista desde sempre, atiram outros, indo ainda mais longe, lembrando que dirige aquele pasquim comunista, conforme aprenderam com o ex-presidente socialista.
(ler mais...)


Vacina »  2021-02-18  »  Hélder Dias

Développé - rui anastácio »  2021-02-07  »  Rui Anastácio

Passo de ballet, movimento em que a bailarina estica graciosamente a perna, tem diferentes níveis de dificuldade consoante a direcção da perna e a altura a que chega o pé, requer um grande equilíbrio e um elevado nível de concentração.
(ler mais...)


Não sabemos morrer - inês vidal »  2021-02-05  »  Inês Vidal

Ouço os sinais ao longe. Um pranto gritado bem alto, do alto dos sinos da igreja, por alguém que partiu. É já raro ouvir-se. Por norma, pelo menos na nossa cidade, ecoam apenas pelos que muito deram de si à causa religiosa.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-02-05  »  Carlos Paiva Hill Street Blues - carlos paiva
»  2021-02-20  »  Inês Vidal PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal
»  2021-02-05  »  Jorge Carreira Maia O estranho caso das vacinas - jorge carreira maia
»  2021-02-18  »  Hélder Dias Vacina
»  2021-02-22  »  José Ricardo Costa Na mouche - josé ricardo costa