• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 30 Novembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 15° / 5°
Períodos nublados
Qua.
 17° / 6°
Períodos nublados
Ter.
 19° / 8°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  18° / 9°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Venham mais vinte cinco, por Inês Vidal

Opinião  »  2019-10-02  »  Inês Vidal

"Estamos cada vez mais prontos, como se estivéssemos a começar agora mas já sabendo tudo, para mais vinte cinco."

Não deixa de ser curioso o facto de festejarmos 25 anos com a produção de uma revista. Numa altura em que já ninguém lê - muito menos jornais, mesmo os regionais e, dentro destes, menos ainda os que não anunciam nascimentos, casamentos e funerais - produzir ainda mais uma revista tem algo de irónico. Se já 16 ou 20 páginas de quinze em quinze dias, sem crimes esboçados em letras garrafais, fake news ou jornalismo chiclet – aquele que se mastiga e deita fora como diz a música – parece difícil arranjar quem leia, quanto mais este calhamaço. Ainda por cima quando o tema é apenas um: a grandiosa faceta de aguentar 25 anos como jornal independente, contra tudo e contra muitos, num círculo onde nem sempre a independência é bem vista. Mas o que havemos de dizer em nossa defesa? Só sabemos fazer isto. E, pior, é isto que queremos e gostamos de fazer.

Cheguei a este jornal, o único da minha vida, em 2003. Tinha eu 22 anos. Menos do que aqueles que hoje festejamos. O Jornal Torrejano, nesta sua segunda série, completava então 9. Não é preciso muito para perceber que a minha história enquanto jornalista se confunde com a própria história do jornal. Não conheci outra casa, outro dono, outro professor. Já o mesmo não se pode dizer do Jornal Torrejano, puzzle perfeito de todos os que aqui passaram, mas cuja história ultrapassa em muito a daqueles que com ele se cruzaram. E já foram alguns ao longo destas duas décadas e meia.
Aqui aprendi a escrever, a ver, a ler nas entrelinhas. Aqui me fiz jornalista, recebi os meus melhores elogios e as minhas maiores críticas. Aqui fui cuspida na rua por quem não concordava comigo e publicamente enxovalhada por dizer o que pensava e o que apenas acontecia. Descobri, da pior maneira, que a verdade é o caminho mais difícil. Mas fui aguentando, sem cedências, porque aqui me ensinaram que o nosso papel é este, que nem todos vão gostar. Mas, doa a quem doer, inclusive a nós, temos obrigação de o continuar a fazer. De forma digna e de cabeça erguida.

Fazer jornais tem que se lhe diga. É difícil agradar a todos, é mais fácil ser bode expiatório quando poucos entendem que somos apenas o mensageiro. Um mensageiro que se atreve a questionar, porque o papel de um jornal não é apenas noticiar. É fazer pensar. Mas, mais difícil ainda, é fazer jornais independentes. A falta de um grupo que nos suporte, nos justifique e que nos defenda, muito atrapalha a tarefa. Mas quem nos conhece sabe que não nos imaginamos de outra forma. Obedecer sem questionar não é o jornalismo que queremos para nós e para os nossos. Nunca foi e continuará a não ser.

Completamos vinte cinco anos num ano que muito nos entristece, porque não podemos festejar com todos os que estiveram connosco desde o início, mas é bom ver e bom de ver que a motivação que nos trouxe aqui continua a fazer sentido para todos os que se envolvem na produção deste jornal.

Há dias um amigo, militante assumido do PCP, contava-me que enquanto colava um cartaz do partido, alguém que passava dizia: “Estes levaram tareia da grande, mas não desistem”. Numa comparação à devida escala, que vale o que vale e que me vai custar dezenas de críticas por aí, assim estamos nós. Vivemos há mais de duas décadas sozinhos, filhos de um boicote que não entendemos, porque não concebemos que a verdade possa ter um preço. Mas aqui estamos, entre amigos, a festejar vinte cinco anos e a avisar que estamos cada vez mais prontos, como se estivéssemos a começar agora mas já sabendo tudo, para mais vinte cinco.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Onde pára o PS? - josé mota pereira »  2020-11-21  »  José Mota Pereira

Vivi algum tempo nos Açores, onde contactei com uma realidade social e política muito diversa daquela a que estava habituado por estas paragens. Nesse período, a transição do poder político passava de Carlos César para o seu sucessor, Vasco Cordeiro, de forma absolutamente tranquila, com o PS exercendo uma maioria eleitoral que a toda a gente parecia vir a ser eterna.
(ler mais...)


Gatos »  2020-11-21  »  Rui Anastácio

A “Rosa dos Gatos” foi uma das personagens que habitou a minha infância. Na verdade a minha infância foi habitada por uma miríade de personagens. Escolhi a Rosa não sei bem porquê.

A Rosa alimentava vinte gatos, tinha muito mau feitio para as crianças mas um imenso amor pelos gatos.
(ler mais...)


[Breve ensaio para uma carta ao futuro] - margarida trindade »  2020-11-21  »  Margarida Trindade

Aquele era o tempo do contágio. O tempo em que da ordem nasceu a desordem. O tempo da separação e da angústia. O tempo asséptico. O tempo final. O tempo do medo. O tempo da rebelião e de todos os perigos latentes.
(ler mais...)


Ser Torrejano - josé ricardo costa »  2020-11-21  »  José Ricardo Costa

Desço a rua dos Anjos quando o meu cérebro é de repente apoquentado por uma radical e inquietante questão. Não o pavor diante do silêncio e escuridão do espaço cósmico ou por não saber se quando esticar o pernil irei dar com a Audrey Hepburn a cantar o Moon River numa matiné de domingo no Virgínia ou com um cenário de Bosch.
(ler mais...)


Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia »  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia

Depois de uma pequena acalmia, a pandemia de COVID-19 escalou. Contágios, internamentos, utilização de cuidados intensivos e mortes, tudo isso apresenta números que são já assustadores. É fácil criticar os governos, difícil, porém, é ter, com os recursos existentes e com os conhecimentos disponíveis, respostas que agradem a todos ao mesmo tempo.
(ler mais...)


Generalizar, apontar, julgar - inês vidal »  2020-11-21  »  Inês Vidal

Digo isto com frequência. Quem melhor me conhece, já o ouviu dezenas de vezes. Ainda hoje, ao jantar, dizia à minha filha que não podemos viver no preconceito. A vida não é a preto e branco, tem antes milhares de nuances.
(ler mais...)


Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva »  2020-11-21  »  Carlos Paiva

As árvores, além de produzirem oxigénio e servirem de lar para uma série de bicharada, têm num dos efeitos colaterais à sua existência, o arrefecimento do ar. Onde há árvores, fica mais fresquinho.
(ler mais...)


Água - antónio gomes »  2020-11-21  »  António Gomes

A água é um recurso escasso, não é infinito e não podemos viver sem ela. O acesso à água é um direito humano.
Muito se tem escrito e muito se vai continuar a escrever sobre a exploração e utilização da água, mas medidas concretas para rentabilizar a sua utilização são ainda são escassas e decisões políticas são a excepção.
(ler mais...)


Voltemos ao comércio local - antónio gomes »  2020-11-06  »  António Gomes

A situação de pandemia agrava-se aos olhos de toda a gente e as consequências desta situação são evidentes: no emprego/desemprego, na actividade económica, na transacção de mercadorias, em particular no comércio local.
(ler mais...)


FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira »  2020-11-06  »  José Mota Pereira

Passados três meses da sua aquisição, o smartphone decidiu entregar a alma ao criador, pelo que o cronista teve que o substituir temporariamente, aguardando a devida recuperação do paciente tecnológico. Sendo a doença temporária e recuperável no prazo razoável de três semanas, decidiu o cronista investir a modesta quantia de cerca de vinte moedas de euros na aquisição de um aparelho telefónico portátil, a que dantes chamávamos telemóvel, para permitir o seu contacto com os outros humanos do Mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-11-21  »  José Mota Pereira Onde pára o PS? - josé mota pereira
»  2020-11-21  »  José Ricardo Costa Ser Torrejano - josé ricardo costa
»  2020-11-06  »  Jorge Carreira Maia Hiperpolitização - jorge carreira maia
»  2020-11-21  »  Carlos Paiva Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva
»  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia