• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 13 Agosto 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 28° / 15°
Períodos nublados
Sáb.
 28° / 16°
Períodos nublados
Sex.
 28° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  30° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Venham mais vinte cinco, por Inês Vidal

Opinião  »  2019-10-02  »  Inês Vidal

"Estamos cada vez mais prontos, como se estivéssemos a começar agora mas já sabendo tudo, para mais vinte cinco."

Não deixa de ser curioso o facto de festejarmos 25 anos com a produção de uma revista. Numa altura em que já ninguém lê - muito menos jornais, mesmo os regionais e, dentro destes, menos ainda os que não anunciam nascimentos, casamentos e funerais - produzir ainda mais uma revista tem algo de irónico. Se já 16 ou 20 páginas de quinze em quinze dias, sem crimes esboçados em letras garrafais, fake news ou jornalismo chiclet – aquele que se mastiga e deita fora como diz a música – parece difícil arranjar quem leia, quanto mais este calhamaço. Ainda por cima quando o tema é apenas um: a grandiosa faceta de aguentar 25 anos como jornal independente, contra tudo e contra muitos, num círculo onde nem sempre a independência é bem vista. Mas o que havemos de dizer em nossa defesa? Só sabemos fazer isto. E, pior, é isto que queremos e gostamos de fazer.

Cheguei a este jornal, o único da minha vida, em 2003. Tinha eu 22 anos. Menos do que aqueles que hoje festejamos. O Jornal Torrejano, nesta sua segunda série, completava então 9. Não é preciso muito para perceber que a minha história enquanto jornalista se confunde com a própria história do jornal. Não conheci outra casa, outro dono, outro professor. Já o mesmo não se pode dizer do Jornal Torrejano, puzzle perfeito de todos os que aqui passaram, mas cuja história ultrapassa em muito a daqueles que com ele se cruzaram. E já foram alguns ao longo destas duas décadas e meia.
Aqui aprendi a escrever, a ver, a ler nas entrelinhas. Aqui me fiz jornalista, recebi os meus melhores elogios e as minhas maiores críticas. Aqui fui cuspida na rua por quem não concordava comigo e publicamente enxovalhada por dizer o que pensava e o que apenas acontecia. Descobri, da pior maneira, que a verdade é o caminho mais difícil. Mas fui aguentando, sem cedências, porque aqui me ensinaram que o nosso papel é este, que nem todos vão gostar. Mas, doa a quem doer, inclusive a nós, temos obrigação de o continuar a fazer. De forma digna e de cabeça erguida.

Fazer jornais tem que se lhe diga. É difícil agradar a todos, é mais fácil ser bode expiatório quando poucos entendem que somos apenas o mensageiro. Um mensageiro que se atreve a questionar, porque o papel de um jornal não é apenas noticiar. É fazer pensar. Mas, mais difícil ainda, é fazer jornais independentes. A falta de um grupo que nos suporte, nos justifique e que nos defenda, muito atrapalha a tarefa. Mas quem nos conhece sabe que não nos imaginamos de outra forma. Obedecer sem questionar não é o jornalismo que queremos para nós e para os nossos. Nunca foi e continuará a não ser.

Completamos vinte cinco anos num ano que muito nos entristece, porque não podemos festejar com todos os que estiveram connosco desde o início, mas é bom ver e bom de ver que a motivação que nos trouxe aqui continua a fazer sentido para todos os que se envolvem na produção deste jornal.

Há dias um amigo, militante assumido do PCP, contava-me que enquanto colava um cartaz do partido, alguém que passava dizia: “Estes levaram tareia da grande, mas não desistem”. Numa comparação à devida escala, que vale o que vale e que me vai custar dezenas de críticas por aí, assim estamos nós. Vivemos há mais de duas décadas sozinhos, filhos de um boicote que não entendemos, porque não concebemos que a verdade possa ter um preço. Mas aqui estamos, entre amigos, a festejar vinte cinco anos e a avisar que estamos cada vez mais prontos, como se estivéssemos a começar agora mas já sabendo tudo, para mais vinte cinco.

 

 

 Outras notícias - Opinião


As nossas vozes - josé mota pereira »  2020-07-27  »  José Mota Pereira

Muitas vezes, a comunicação social local é acusada de ser um instrumento ao serviço do caciquismo.

 Outras tantas vezes, também não é difícil de desmentir que a comunicação social local e regional (jornais e rádios) é apenas páginas de jornais ou horas de rádio vazias desprovidas de conteúdo ou interesse.
(ler mais...)


E se António Rodrigues? »  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia

Se António Rodrigues não se candidatar à presidência do Município, Pedro Ferreira será, sem dificuldade, reeleito. A entrada de António Rodrigues na corrida poderá, contudo, perturbar o passeio dos socialistas.
(ler mais...)


TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira »  2020-07-18  »  José Mota Pereira

Em 1985, as pessoas da zona alta vinham à vila. E diziam-no quando vinham ao centro! Ainda hoje, passados 35anos, vem-se à vila. Eram bem diferentes os limites físicos. A vila terminava junto à capela de Santo António e todas as urbanizações circundantes à Av.
(ler mais...)


530 mil - rui anastácio »  2020-07-18  »  Rui Anastácio

É o número de jovens que abandonaram o país nos últimos 10 anos.

Perante este número, é impossível não concluir que somos um país falhado. Não somos só um país falhado.
(ler mais...)


Zona industrial em Riachos - antónio gomes »  2020-07-18  »  António Gomes

As zonas industriais são espaços de ordenamento do território. Só com a sua implementação se consegue evitar a construção de empresas em locais que se destinam a outros fins e que não estão minimamente preparados para receber determinado tipo de actividades.
(ler mais...)


Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela »  2020-07-18  »  Mariana Varela

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção.
(ler mais...)


Por onde ir? - acácio gouveia »  2020-07-18  »  Acácio Gouveia

É gratificante apercebermo-nos de que há jovens que canalizam a sua irrequietude para o pensamento crítico e para opinar sobre política. O texto da jovem Mariana Varela é um bom ponto de partida para discussão sobre perspectivas de alternativas ao caminho actual do mundo.
(ler mais...)


Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes »  2020-07-18  »  João Carlos Lopes

1. Ser cidade não vale um caracol, não acrescenta uma vírgula a nenhum campeonato. Em Portugal, “cidade” não é nenhuma categoria político-administrativa, tratando-se de um título meramente honorífico.
(ler mais...)


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia E se António Rodrigues?
»  2020-07-18  »  José Mota Pereira TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  João Carlos Lopes Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes
»  2020-07-27  »  José Mota Pereira As nossas vozes - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  Mariana Varela Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela