• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 26 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 17° / 10°
Céu nublado
Qua.
 19° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Paul do Boquilobo - Inês Vidal

Opinião  »  2020-12-19  »  Inês Vidal

A globalização, um maior conhecimento do outro, que afinal é igual a nós e está ali ao lado, a uma distância reduzida no tempo pela democratização dos meios de transporte, tornou-nos verdadeiros aprendizes de viajantes. É cada vez mais fácil chegar a qualquer ponto do globo, percorrer milhas, cantos e recantos, provar aqui, esmiuçar ali. Entrar na vida alheia, culturas distantes, outras cores, novos cheiros, jeitos diferentes de sentir. Subir montanhas afamadas, mergulhar num qualquer oceano, comer animais que cá não fazem parte do cardápio. Todo um mundo novo ao nosso alcance. Em dez horas chegamos ao Brasil, em menos do que isso entramos no Dubai, Marrocos é ali tão perto e até a Austrália parece fácil, apesar de estar no outro lado do mundo. Há cada vez menos impossíveis. E há cada vez mais vontade de ver mundo. Há cada vez mais vontade de o mostrar.
Com pouco tempo para tanta volta ao globo, acontece inúmeras vezes acabarmos por nos esquecer do que está mais perto. Mas este ano fantástico que vivemos - fantástico, como quem diz do outro mundo - trouxe-nos, pelo menos, isso de bom. Limitados no espaço, sobrou-nos o tempo, e impedidos de ir mais longe, fomos obrigados a criar alternativas, dar oportunidade ao que antes desvalorizávamos, já que a galinha da vizinha é sempre melhor do que a minha, e muitas vezes dávamos por garantido. Descobrimos a nossa casa, o nosso quarteirão, o nosso concelho. Arranjámos novos destinos e demos vida ao verdadeiro “vá para fora cá dentro”.
Moro há 39 anos no concelho de Torres Novas. Contam-se pelos dedos das mãos as vezes que visitei a Reserva Natural do Paul do Boquilobo. Algumas delas graças à escola e aos escuteiros, enquanto miúda, outras pelo jornal. Duas delas, só no último mês.
Entre garças, zarros e marrequinhas, muita água e salgueiros, descobri o meu mundo “covid free”, onde mal nos cruzamos com pessoas e a natureza nos dá espaço para respirar sem mordaças. Um cenário onde a vida nunca parou, onde o confinamento se faz sob um gigante céu azul sobrevoado de garças esguias e elegantes e o tempo corre mais lento, a uma velocidade que nos permite sair do ritmo frenético em que nos deixámos enrolar ao aceitar esta vida, que nos querem fazer acreditar não poder ser outra. Na reserva natural do Paul do Boquilobo há um caminho que nos recebe sem medos, não se afasta ou sustém a respiração e há um silêncio que nos leva para longe deste ruído em que se tornaram os nossos dias.
Moro no concelho de Torres Novas há 39 anos. Os mesmos desde que a UNESCO considerou a nossa reserva como Reserva Mundial da Biosfera. Foi, à data, a primeira área protegida portuguesa a integrar a rede mundial de reservas da biosfera, dada a sua importância enquanto local de abrigo para um grande número de aves e seu local de reprodução, alimentação e repouso nas rotas de migração. 39 anos. E contam-se pelos dedos das mãos as vezes que me perdi nos seus braços.
Se a pandemia tem um lado bom, é este: dar valor ao que temos e fazê-lo a um ritmo só nosso, reaprendendo a respirar conscientemente e simplesmente fruir o que o mundo nos dá. Hoje é o nosso dia e nunca sabemos o que o amanhã nos trará.

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia