• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 20 Setembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 24° / 17°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 25° / 16°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 26° / 16°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  25° / 17°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Não sou digno de ti

Opinião  »  2020-05-09  »  Carlos Tomé

"Ao ler o Diário de Notícias e o Século nos dias seguintes é que percebi o que tinha acontecido, mas não imaginava o seu alcance."

Não foi “E depois do adeus” nem a “Grândola” que me adormeceram nessa noite, mas sim “Non son degno di te” (“Não sou digno de ti”) de Gianni Morandi, suplicada por alguém depois de dizer a frase ao telefone da rádio, o romantismo italiano adocicando-me os ouvidos, embalando-me o sono num colchão renovado com a renovação das camisas de milho. De manhã peguei na Solrac, assim crismada pelo Carlos Caralhana, um artista no arranjo das bicicletas do Alves Barbosa, e zarpei na bisga para apanhar o comboio que me haveria de levar ao Liceu Sá da Bandeira na capital do Ribatejo. Chegado à estação da CP, ajeitei as fitas nos punhos do guiador, e encostei a bicicleta a uma barrica de carvalho de um precioso tinto na taberna do Manuel da Estação onde ficou a estagiar até ao final da manhã desse dia.

A viagem decorreria sem incidentes de maior e de modo costumeiro, o Emílio e o Jacinto gozavam com o Cebola, especialista no arremesso de pedras à cabreiro, entrado no comboio em Mato de Miranda, ao qual se juntavam depois dois pescadores de enguias de Vale de Figueira, até ficar vermelho de raiva mais vermelho ainda do que o Hélder que já vinha de Caxarias sempre a assobiar para o ar e a dizer tonteiras para disfarçar.

Vinte e cinco minutos depois a viagem estava cumprida. Subir a ladeira da estação de Santarém até ao Liceu foi um ver se te avias que o comboio andava sempre atrasado, fizemos a subida tão velozmente que por pouco não era batido o recorde dos oito minutos e doze segundos que o Víctor Gomes registou a fazer o mesmo percurso mas a descer, a descer todos os santos ajudaram, claro, que ainda hoje vigora por lá como marca inultrapassável.

Foi chegar e pouco depois vir embora porque não havia aulas, e só por isso já foi um dia de festa. Só houve tempo para uma rápida jogatana de futebol em que o Manuel João Quartilho, goleganense de gema, deu mais uma lição de bem tratar a bola, e todos tentavam imitar mas ninguém lhe conseguia chegar aos calcanhares. Nesse dia o artista da bola teve mais cuidado e não partiu com uma bolada a janela do laboratório de Química do professor Licínio como havia feito há tempos. Bem, também houve tempo para uma deslocação fortuita ao Calhambeque, loja que atraía a rapaziada com toda a sorte de jogos, em que pontuavam os matraquilhos, os relvados dos bilhares e snookers, as pistas de carros e uma máquina de discos a vomitar os êxitos dos Beatles durante todo o santo dia.

Cheguei ao Café Central, ainda na manhã desse dia. À entrada, no terraço, o “El Rodrigo”, que não tinha ido trabalhar nesse dia ao António Alves, fábrica das lãs, estava de plantão com o rádio no ouvido a empanturrar-se com as notícias, disparou à queima-roupa “Então, sabes o que é que se está a passar?”. Como eu apenas lhe respondera que não sabia, só sabia que não tinha havido aulas, e nada mais queria saber, a conversa ficou por ali.

Ao ler o Diário de Notícias e o Século nos dias seguintes é que percebi o que tinha acontecido, mas não imaginava o seu alcance. Só mais tarde é que me apercebi da importância do dia, o que estava para trás, o que lhe deu origem, e o que sonhámos para a frente. Com essas descobertas, veio o deslumbramento, os sonhos pessoais e intransmissíveis, tudo o que me marcou para sempre e não se pode nem deve esquecer. Foi só a partir desse dia que começou a minha vida. É certo que nunca mais ouvi o Gianni Morandi e sempre confessei em surdina, “25 de Abril, desculpa mas no teu dia não te liguei nenhuma, não sou digno de ti!”.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


A mesa - rui anastácio »  2020-09-12  »  Rui Anastácio

Tenho um certo fascínio por mesas. Ao longo da minha vida já mandei fazer algumas. Quase sempre mesas grandes e robustas. Onde se possam sentar muitas pessoas. Onde se possa beber um bom vinho, comer muito, conversar muito, discutir muito, praguejar, gritar, lutar por ideias e ideais.
(ler mais...)


Aventurazinha no Comboio Fantasma - miguel sentieiro »  2020-09-12  »  Miguel Sentieiro

Hoje apetece-me escrever uma história baseada em factos verídicos com algumas notas ficcionadas para se conseguir tornar a narrativa menos densa e nauseabunda. Um indivíduo com 80 anos entra na urgência do Hospital de Torres Novas com fortes dores abdominais.
(ler mais...)


Democracia e representatividade - mariana varela »  2020-09-12  »  Mariana Varela

A democracia é, essencialmente, um sistema político que assenta na soberania popular, isto é, um regime em que a legitimidade do poder político emana do povo. Definir ou explicar a noção de democracia não é difícil.
(ler mais...)


A ruptura do discurso - jorge carreira maia »  2020-09-12  »  Jorge Carreira Maia

Nos últimos tempos três assuntos têm concentrado os interesses das redes sociais que dão atenção ao fenómeno político. O racismo, a festa do Avante e a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento no ensino não superior.
(ler mais...)


As cabras do reino - carlos paiva* »  2020-09-12  »  Carlos Paiva

Era uma vez um reino. O rei tomou conhecimento que uma república aliada doava dinheiro a quem quisesse criar cabras com o intuito de limpeza do mato nas serras, de modo a diminuir o risco de incêndios. Uma solução barata, neste caso de borla, e acima de tudo não poluente, amiga do ambiente, tema muito em voga entre os gentios.
(ler mais...)


Fabrióleo: ir até ao fim - antónio gomes »  2020-09-12  »  António Gomes

O encerramento da Fabrióleo é um facto. O sofrimento das pessoas e o atentado ao ambiente estão agora mais próximos do fim. Quem não luta, não alcança.
Durante muitos anos, a poluição dos solos e das linhas de água foram a marca daqueles poluidores, nunca se importando com as consequências dos seus actos.
(ler mais...)


Agricultores - rui anastácio »  2020-09-01  »  Rui Anastácio

Falámos em Inglês. Não sei de onde vinham, vinham de bicicleta de bem longe, pela sua tez seriam originários do centro da Europa. Uma das bicicletas estava furada, com o pneu destroçado. Ofereci-lhes o meu spray antifuro.
(ler mais...)


O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela »  2020-09-01  »  Mariana Varela

Nós, seres humanos, habitamos e partilhamos este mesmo Mundo, algo que nos une enquanto Humanidade. Ainda que todos façamos parte de uma realidade universal, possuímos uma identidade baseada nas nossas próprias experiências pessoais e características únicas.
(ler mais...)


O outro somos nós - margarida trindade »  2020-09-01  »  Margarida Trindade

Numa muito recente viagem de família, a dada altura e já próximos do destino, a fim de sabermos qual o caminho a tomar, parámos numa bomba de gasolina e baixados os vidros das janelas, lançámos às três pessoas sentadas na mesa da esplanada a demanda pela estrada a seguir.
(ler mais...)


O rio do fururo - josé mota pereira »  2020-09-01  »  José Mota Pereira

Nos diferentes modelos de desenvolvimento para o concelho, há que reconhecê-lo, os poderes municipais estão muitas vezes limitados nos seus poderes de decisão. Mas, as suas decisões – ou não decisões – e aquilo que consideram estratégico, tem reflexos e consequências para o futuro dos concelhos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-01  »  José Mota Pereira O rio do fururo - josé mota pereira
»  2020-09-01  »  Rui Anastácio Agricultores - rui anastácio
»  2020-09-01  »  Mariana Varela O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela
»  2020-09-12  »  Mariana Varela Democracia e representatividade - mariana varela
»  2020-09-01  »  Jorge Carreira Maia Saudades da ditadura - jorge carreira maia