• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Maio 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 34° / 19°
Céu limpo
Qua.
 33° / 20°
Céu limpo
Ter.
 32° / 20°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  30° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Não sou digno de ti

Opinião  »  2020-05-09  »  Carlos Tomé

"Ao ler o Diário de Notícias e o Século nos dias seguintes é que percebi o que tinha acontecido, mas não imaginava o seu alcance."

Não foi “E depois do adeus” nem a “Grândola” que me adormeceram nessa noite, mas sim “Non son degno di te” (“Não sou digno de ti”) de Gianni Morandi, suplicada por alguém depois de dizer a frase ao telefone da rádio, o romantismo italiano adocicando-me os ouvidos, embalando-me o sono num colchão renovado com a renovação das camisas de milho. De manhã peguei na Solrac, assim crismada pelo Carlos Caralhana, um artista no arranjo das bicicletas do Alves Barbosa, e zarpei na bisga para apanhar o comboio que me haveria de levar ao Liceu Sá da Bandeira na capital do Ribatejo. Chegado à estação da CP, ajeitei as fitas nos punhos do guiador, e encostei a bicicleta a uma barrica de carvalho de um precioso tinto na taberna do Manuel da Estação onde ficou a estagiar até ao final da manhã desse dia.

A viagem decorreria sem incidentes de maior e de modo costumeiro, o Emílio e o Jacinto gozavam com o Cebola, especialista no arremesso de pedras à cabreiro, entrado no comboio em Mato de Miranda, ao qual se juntavam depois dois pescadores de enguias de Vale de Figueira, até ficar vermelho de raiva mais vermelho ainda do que o Hélder que já vinha de Caxarias sempre a assobiar para o ar e a dizer tonteiras para disfarçar.

Vinte e cinco minutos depois a viagem estava cumprida. Subir a ladeira da estação de Santarém até ao Liceu foi um ver se te avias que o comboio andava sempre atrasado, fizemos a subida tão velozmente que por pouco não era batido o recorde dos oito minutos e doze segundos que o Víctor Gomes registou a fazer o mesmo percurso mas a descer, a descer todos os santos ajudaram, claro, que ainda hoje vigora por lá como marca inultrapassável.

Foi chegar e pouco depois vir embora porque não havia aulas, e só por isso já foi um dia de festa. Só houve tempo para uma rápida jogatana de futebol em que o Manuel João Quartilho, goleganense de gema, deu mais uma lição de bem tratar a bola, e todos tentavam imitar mas ninguém lhe conseguia chegar aos calcanhares. Nesse dia o artista da bola teve mais cuidado e não partiu com uma bolada a janela do laboratório de Química do professor Licínio como havia feito há tempos. Bem, também houve tempo para uma deslocação fortuita ao Calhambeque, loja que atraía a rapaziada com toda a sorte de jogos, em que pontuavam os matraquilhos, os relvados dos bilhares e snookers, as pistas de carros e uma máquina de discos a vomitar os êxitos dos Beatles durante todo o santo dia.

Cheguei ao Café Central, ainda na manhã desse dia. À entrada, no terraço, o “El Rodrigo”, que não tinha ido trabalhar nesse dia ao António Alves, fábrica das lãs, estava de plantão com o rádio no ouvido a empanturrar-se com as notícias, disparou à queima-roupa “Então, sabes o que é que se está a passar?”. Como eu apenas lhe respondera que não sabia, só sabia que não tinha havido aulas, e nada mais queria saber, a conversa ficou por ali.

Ao ler o Diário de Notícias e o Século nos dias seguintes é que percebi o que tinha acontecido, mas não imaginava o seu alcance. Só mais tarde é que me apercebi da importância do dia, o que estava para trás, o que lhe deu origem, e o que sonhámos para a frente. Com essas descobertas, veio o deslumbramento, os sonhos pessoais e intransmissíveis, tudo o que me marcou para sempre e não se pode nem deve esquecer. Foi só a partir desse dia que começou a minha vida. É certo que nunca mais ouvi o Gianni Morandi e sempre confessei em surdina, “25 de Abril, desculpa mas no teu dia não te liguei nenhuma, não sou digno de ti!”.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


A Igreja e a pandemia em Portugal »  2020-05-09  »  Jorge Carreira Maia

Em todo o processo ligado à pandemia provocada pelo coronavírus, a Igreja Católica em geral, e a portuguesa em particular, teve uma atitude que merece louvor. A Igreja portuguesa, e é nela que centro este artigo, mostrou que não é apenas uma instituição guardiã da fé e tradição apostólicas, mas ainda um factor de razoabilidade dos comportamentos sociais, exercendo uma influência muito importante na atitude de muitos portugueses, o que ajudou a minimizar os efeitos da pandemia.
(ler mais...)


Pela janela, por Inês Vidal »  2020-05-09  »  Inês Vidal

Comprei um bilhete de avião para ir visitar o meu primo João, que está na Suécia, por alturas do casamento dele, em Abril. Crescemos juntos, apesar da diferença de idades. Queria dar-lhe um abraço, desejar-lhe que fosse feliz - comigo aqui relativamente perto, de preferência - ao mesmo tempo que nos perguntaria como é que era possível estarmos ali, se ainda no outro dia andei com ele ao colo.
(ler mais...)


2 beijos »  2020-05-09  »  Rui Anastácio

Peúgas escuras, peúgas brancas, peúgas escuras. Um beijo, 2 beijos, um beijo vs 2 beijos.
Tinha três anos no dia 25 de Abril de 1974.

Sou um amante da liberdade e um amante incondicional da liberdade de expressão.
(ler mais...)


25 de Abril Nunca Mais! »  2020-05-09  »  José Ricardo Costa

Sempre que o calendário faz regressar o 25 de Abril, é também o clássico “25 de Abril sempre!” que regressa. A frase é bonita e voluntariosa mas tem um problema: não dá que o 25 de Abril seja para sempre.
(ler mais...)


O meu pai de fato azul escuro e gravata e um bem visível cravo vermelho. Naquele momento. senti-me compensado pela espera de 22 anos desde o negro Abril de 1953. »  2020-05-09  »  José Alves Pereira

De quantos Abris se faz uma vida que já vai longa? Cada um contará os seus, aqueles que não se medem pelo calendário, mas são marcos de destaque e lembrança. É o caso do 25 de Abril, data fronteira entre o antes e o depois; um antes que se vai escoando com a memória dos que o viveram e vão desaparecendo, e um depois que o não pode olvidar.
(ler mais...)


Onde estavas no 25 de Abril de 2020? »  2020-05-09  »  Jorge Salgado Simões

Já se pode falar do 25 de Abril? Já podemos falar do 25 de Abril sem se ser acusado de arreigado comunista ou perigoso fascista? É que isto este ano foi mesmo mau demais para ser verdade.

Eu sou dos que ainda cá não estava em 1974.
(ler mais...)


E o futuro? »  2020-05-09  »  AnabelaSantos

Não é o futuro depois da pandemia, é o futuro simplesmente.
Vamos deixar, hoje, de lado este campo lexical que tanto nos tem atormentado e que ocupa as vinte e quatro horas do nosso dia: Covid-19, pandemia, confinamento, desconfinamento, estado de emergência, estado de calamidade, vírus, coronavírus, número de mortos, curados e infetados… Vamos descansar!
Mas, se falo em tormento por causa da situação actual, penso que o meu tema de hoje não será muito mais leve.
(ler mais...)


25 de Abril de 2020 »  2020-04-28  »  Jorge Carreira Maia

A celebração do 25 de Abril deste ano foi, do ponto de vista simbólico, a mais importante de sempre. Tem múltiplos aspectos a merecer realce. Em primeiro lugar a controvérsia lançada por quem, do ponto de vista político, queria que as celebrações não se realizassem.
(ler mais...)


E agora? por João Carlos Lopes »  2020-04-21  »  João Carlos Lopes

Depois de loucos 20 anos e de centenas e centenas de milhões de euros de investimento em escolas, piscinas, bibliotecas, centros escolares, pavilhões, centro de congressos, hospitais e centros de saúde, estradas e centros culturais, mercados e jardins, parques e viadutos, rotundas e avenidas, temos um território em perda de densidade, temos o “interior” já aqui, a 50 km do mar em linha recta e a 50 minutos de Lisboa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-04-28  »  Jorge Carreira Maia 25 de Abril de 2020
»  2020-05-09  »  Rui Anastácio 2 beijos
»  2020-05-09  »  Jorge Carreira Maia A Igreja e a pandemia em Portugal
»  2020-05-09  »  Inês Vidal Pela janela, por Inês Vidal
»  2020-05-09  »  José Ricardo Costa 25 de Abril Nunca Mais!