• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 19 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 13° / 6°
Céu nublado
Ter.
 14° / 4°
Períodos nublados
Seg.
 11° / 5°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  16° / 6°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Época balnear

Opinião  »  2018-08-15  »  António Gomes

"Não encontrei grandes alterações, apenas uma subtileza, ou se calhar uma mania de implicar… "

Na época balnear, o primeiro dia de visita à praia é sempre assim: quais são as novidades? A organização da coisa - os espaços para estacionamento, os acessos à dita, o espaço para arear… tudo na mesma, pouco mudou ou pelo contrário, grandes mudanças? Isto para quem vai sempre para o mesmo local… parece que não sabemos outro caminho, é prá li e pronto.

Não encontrei grandes alterações, apenas uma subtileza, ou se calhar uma mania de implicar… Há poucos anos, a praia era uma liberdade total, imenso areal, sem constrangimentos, era chegar e estender a toalha e colocar o chapéu onde nos apetecesse, prá esquerda, prá direita, centenas de metros pró povo aproveitar a quinzena.
Há três anos houve grandes novidades: um restaurante próximo todo acolhedor, um belo passadiço até à areia e claro no final do passadiço, à esquerda cem metros de chapéus e respetivas espreguiçadeiras, privatizaram (privatizar não se pode dizer, é muito esquerdista, concessionaram) cem metros de praia, até nem ficou mal e a malta tem direito ao descanso sem ter que ir com o carrego do chapéu, das cadeiras, etc., ficaram lá várias centenas de metros, prá malta escolher onde plantar o chapéu.

O ano passado a novidade é que tinham privatizado (concessionado) mais cem metros para a direita. Ok, faz-se esse esforço e andamos cem metros com o chapéu às costas e a respetiva cadeira, mais uns utensílios para a pequenada, se for o caso. A praia fica mais in como parece ser moda agora, dá um ar mais arrumado e até tem os vigilantes que zelam pela segurança da malta.

Este ano, acrescentaram mais 50 metros à concessão do lado direito (privatização fica mesmo mal…) e assim lá afastaram a malta que carrega os chapéus e as cadeiras um pouco mais para lá. É certo que deixaram no meio, entre a concessão da esquerda e da direita um espaço, de uns 10 metros, ou talvez quinze para não cometer uma injustiça, para os carregadores do chapéu e da cadeira. Rapidamente este espaço ficou lotado, como é de prever, mas o que conta é que aquele espaço está lá, não venham dizer que privatizámos tudo (privatizámos, lá está outra vez a palavra…), a democracia não foi esquecida a praia é para todos e todas, mais para uns que para outros, mas o que é que querem?

Esta coisa lembrou-me logo o episódio do início de Agosto, que animou a malta “do face”, a gentrificação, devem estar lembrados.
Outro episódio que também me veio logo à memória (vá se lá saber porquê, apanhamos estes vícios em pequeninos e depois é o que se vê) mesmo calibre, passou-se cá no burgo com a história dos precários na câmara municipal. Os trabalhadores mais qualificados, lá se conseguiu, fez-se um esforço para passarem aos quadros do município, está certo, é justo, mas quanto aos e às trabalhadoras da limpeza, a coisa já não foi assim, têm de continuar precários e mal pagos, o esforço já não é possível.

A praia até estava agradável, a água fria, o pessoal queixa-se, mas como é que querem que se aqueça tanta água? Não se pode exigir tudo do governo… O pessoal é muito exigente.

Um grupo de homens, julgo que emigrantes do norte de África, tentava fazer pela vida: o produto eram as toalhas, mas pelo que pude observar, o negócio não deu prá bucha. Tempos difíceis, principalmente para quem tenta a sorte noutras paragens.
Para primeiro dia, não foi nada mal.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)


O PDM e a sua revisão »  2019-12-20  »  António Gomes

Parece que é desta. Ao fim de dezoito anos, o processo de revisão do PDM de Torres Novas dá sinais. Foi preciso o governo ameaçar com cortes nas receitas às autarquias que não completarem a revisão deste importante instrumento de ordenamento do território em 2020, para se iniciar tão importante tarefa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?