• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Maio 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 34° / 19°
Céu limpo
Qua.
 33° / 20°
Céu limpo
Ter.
 32° / 20°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  30° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Sempre em pé, por Inês Vidal

Opinião  »  2020-04-17  »  Inês Vidal

"Habituamo-nos a sobreviver sozinhos. Ganhamos defesas, estratégias. Não pedimos, não nos vendemos, não toleramos quem se vende"

Cresci terceira filha depois de dois rapazes. Sempre ouvi dizer que a menina leva as atenções maiores. Não digo que não, mas o facto de ser terceira atenua bem essa regra. Sou aquela que nunca aparece nas histórias divertidas ou que ninguém sabe se um dia teve, ou não, varicela. A par disso, cresci sportinguista. Um amor surgido, desconfio eu, por influência desses mesmos irmãos mais velhos. A juntar ao facto de ser aquela que não aparece nas fotos de família, sou também a que sempre se habituou a nunca ganhar ou a ganhar pouquinho. Se a isso juntarmos as minhas tendências político-sociais, rapidamente percebemos que sou efectivamente uma triste, que cedo se habituou a sobreviver, a remar contra uma maré, a estar do lado errado para uns, no único lado possível para mim.

Não sei se por isso, se promotora disso, não sei se causa ou efeito, estar ligada a um jornal de minorias não me espanta, não me mói, até me orgulha. É assim como que uma continuação do que tem sido a minha vida. MacLuhan dizia que os meios de comunicação social são extensões de nós próprios. Numa adaptação extremamente livre do que esta frase quer dizer, assumo que o Jornal Torrejano surge assim como uma extensão de mim própria, provavelmente reflexo de mim e de tantos como eu.
Tamanha e romanceada introdução para chegar ao que aqui me traz: perante tais constatações sobre a minha vida, tudo o que me envolve e nossa respectiva relação com o mundo (numa atitude egocêntrica que algum especialista explicaria), não é de todo de estranhar que o jornal, a minha tal extensão, viva ali, naquela margem boa de quem não se prende, de quem não deve, que ninguém conhece ou percebe, mas sem o qual uns poucos, os tais que são bons, não vivem.

Habituamo-nos a sobreviver sozinhos. Ganhamos defesas, estratégias. Não pedimos, não nos vendemos, não toleramos quem se vende, não toleramos falta de ética, malabarismos ou injustiças. Mas, infelizmente, nem todos pensam como nós. Talvez tenha de ser mesmo assim, nessa busca questionável pelo equilíbrio do mundo. Se assim for, agradeço a Deus - o mesmo que, ao que parece, nos vai livrar da pandemia - ter nascido do lado certo.

Não conseguimos agradar a todos. Nem queremos. Temos sido preteridos e discriminados por, de forma irritante para quem não o deseja, nos mantermos vivos e de cabeça erguida. Somos o “sempre em pé” que muitos desejavam ver estendido, a pedra no sapato, a visita desbocada naquele almoço infindável. Somos e seremos, enquanto vivermos. Por isso escrevemos o que pode ler no editorial publicado abaixo, porque há momentos em que não podemos ficar calados.

Há muito que somos tratados como parente pobre do jornalismo do concelho e, ironicamente, somos tudo o que resta dele. Não imaginam como isso nos enche de orgulho.
A todos os nossos leitores.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A Igreja e a pandemia em Portugal »  2020-05-09  »  Jorge Carreira Maia

Em todo o processo ligado à pandemia provocada pelo coronavírus, a Igreja Católica em geral, e a portuguesa em particular, teve uma atitude que merece louvor. A Igreja portuguesa, e é nela que centro este artigo, mostrou que não é apenas uma instituição guardiã da fé e tradição apostólicas, mas ainda um factor de razoabilidade dos comportamentos sociais, exercendo uma influência muito importante na atitude de muitos portugueses, o que ajudou a minimizar os efeitos da pandemia.
(ler mais...)


Pela janela, por Inês Vidal »  2020-05-09  »  Inês Vidal

Comprei um bilhete de avião para ir visitar o meu primo João, que está na Suécia, por alturas do casamento dele, em Abril. Crescemos juntos, apesar da diferença de idades. Queria dar-lhe um abraço, desejar-lhe que fosse feliz - comigo aqui relativamente perto, de preferência - ao mesmo tempo que nos perguntaria como é que era possível estarmos ali, se ainda no outro dia andei com ele ao colo.
(ler mais...)


2 beijos »  2020-05-09  »  Rui Anastácio

Peúgas escuras, peúgas brancas, peúgas escuras. Um beijo, 2 beijos, um beijo vs 2 beijos.
Tinha três anos no dia 25 de Abril de 1974.

Sou um amante da liberdade e um amante incondicional da liberdade de expressão.
(ler mais...)


25 de Abril Nunca Mais! »  2020-05-09  »  José Ricardo Costa

Sempre que o calendário faz regressar o 25 de Abril, é também o clássico “25 de Abril sempre!” que regressa. A frase é bonita e voluntariosa mas tem um problema: não dá que o 25 de Abril seja para sempre.
(ler mais...)


O meu pai de fato azul escuro e gravata e um bem visível cravo vermelho. Naquele momento. senti-me compensado pela espera de 22 anos desde o negro Abril de 1953. »  2020-05-09  »  José Alves Pereira

De quantos Abris se faz uma vida que já vai longa? Cada um contará os seus, aqueles que não se medem pelo calendário, mas são marcos de destaque e lembrança. É o caso do 25 de Abril, data fronteira entre o antes e o depois; um antes que se vai escoando com a memória dos que o viveram e vão desaparecendo, e um depois que o não pode olvidar.
(ler mais...)


Onde estavas no 25 de Abril de 2020? »  2020-05-09  »  Jorge Salgado Simões

Já se pode falar do 25 de Abril? Já podemos falar do 25 de Abril sem se ser acusado de arreigado comunista ou perigoso fascista? É que isto este ano foi mesmo mau demais para ser verdade.

Eu sou dos que ainda cá não estava em 1974.
(ler mais...)


Não sou digno de ti »  2020-05-09  »  Carlos Tomé

Não foi “E depois do adeus” nem a “Grândola” que me adormeceram nessa noite, mas sim “Non son degno di te” (“Não sou digno de ti”) de Gianni Morandi, suplicada por alguém depois de dizer a frase ao telefone da rádio, o romantismo italiano adocicando-me os ouvidos, embalando-me o sono num colchão renovado com a renovação das camisas de milho.
(ler mais...)


E o futuro? »  2020-05-09  »  AnabelaSantos

Não é o futuro depois da pandemia, é o futuro simplesmente.
Vamos deixar, hoje, de lado este campo lexical que tanto nos tem atormentado e que ocupa as vinte e quatro horas do nosso dia: Covid-19, pandemia, confinamento, desconfinamento, estado de emergência, estado de calamidade, vírus, coronavírus, número de mortos, curados e infetados… Vamos descansar!
Mas, se falo em tormento por causa da situação actual, penso que o meu tema de hoje não será muito mais leve.
(ler mais...)


25 de Abril de 2020 »  2020-04-28  »  Jorge Carreira Maia

A celebração do 25 de Abril deste ano foi, do ponto de vista simbólico, a mais importante de sempre. Tem múltiplos aspectos a merecer realce. Em primeiro lugar a controvérsia lançada por quem, do ponto de vista político, queria que as celebrações não se realizassem.
(ler mais...)


E agora? por João Carlos Lopes »  2020-04-21  »  João Carlos Lopes

Depois de loucos 20 anos e de centenas e centenas de milhões de euros de investimento em escolas, piscinas, bibliotecas, centros escolares, pavilhões, centro de congressos, hospitais e centros de saúde, estradas e centros culturais, mercados e jardins, parques e viadutos, rotundas e avenidas, temos um território em perda de densidade, temos o “interior” já aqui, a 50 km do mar em linha recta e a 50 minutos de Lisboa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-04-28  »  Jorge Carreira Maia 25 de Abril de 2020
»  2020-05-09  »  Rui Anastácio 2 beijos
»  2020-05-09  »  Jorge Carreira Maia A Igreja e a pandemia em Portugal
»  2020-05-09  »  Inês Vidal Pela janela, por Inês Vidal
»  2020-05-09  »  José Ricardo Costa 25 de Abril Nunca Mais!