• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 18 de Junho de 2018
Pesquisar...
Qui.
 29° / 19°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
Qua.
 35° / 19°
Períodos nublados
Ter.
 34° / 21°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  37° / 19°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O PEDU segundo Mateus, o augusto

Opinião  »  2017-02-16  »  João Carlos Lopes

"Uma vitória eleitoral não dá mandato para determinado tipo de decisões"

“Torres Novas.pt- ponte para todos” será, muito provavelmente, o último trabalho deste cariz, feito nesta autarquia, com vista à definição de uma estratégia global para o concelho na perspectiva de candidaturas comunitárias”: eram estas as palavras de António Rodrigues a abrir o prefácio do plano estratégico 2007/2015, elaborado pela empresa do ex-ministro socialista e consultor-mor Mateus, o augusto dos planos e eixos estratégicos (os mais grisalhos ainda se lembram do célebre “eixo estratégico Torres Novas/Entroncamento” sobre o qual o antigo vereador Carlos Tomé, o maior poeta que alguma vez passou por esta pobre autarquia, lavrou, lapidar: “No eixo é um descanso”. E foi).
O mais divertido nesta viagem ao passado dos planos estratégicos que ciclicamente, como as andorinhas, arribam em seus alegres chilreios, e voltando àquele que Rodrigues, no seu assomo apocalíptico, pensou ser o último dos séculos e dos séculos, é que lá estão todas as obras então em fase de execução, caso da biblioteca, e dezenas de outras, grande parte executadas, diga-se em boa verdade e em verdade vos digo (centros escolares, envolvente do castelo, praça 5 de Outubro, e tantas outras mais ousadas em seus devaneios, como a “cidade-circo”, a torre do tempo ou até a mata dos Mesiões).
E um cristão põe-se a ver os bonecos e lá vê, até, a Praça dos Claras, acabada há poucas luas e, mais surpreendentemente, quase todas aquelas que agora, neste “Portugal 2020”, à pala do PEDU, aparecem como âncoras desta renovada, e cito, “estratégia de desenvolvimento urbano”: lá estava já o Terreiro de Santa Maria, a central do Caldeirão e até o jardim no que resta da Horta das Pedras, em que se dizia que o parque de estacionamento ocuparia um terço do espaço e o jardim ribeirinho dois terços. O rosário, como se sabe foi outro, porque a turma do LENA nessas contas não se deixa levar e o terço foi rezado ao contrário. Adiante.
Rodrigues não previu nada para o prédio Alvarenga, porque simplesmente essas ruínas de décadas ainda eram privadas. E também, mesmo tendo em consideração o seu obreirismo compulsivo, não lhe passou pela cabeça, como não passaria ao diabo, ousar destruir o quase secular “jardim da avenida”, que na sua singela simplicidade algo demodée dos jardins românticos do século XIX, é paisagem protegida dos torrejanos, uma herança dos nossos ancestrais, uma imagem, quiçá a mais forte da cidade e a que lhe confere um módico de dignidade, apesar do abandono escandaloso de que é vítima por parte desta maioria em regime de substituição.
Uma vitória eleitoral não dá mandato para determinado tipo de decisões, quando elas põem em causa valores inalienáveis à mercê de circunstâncias fúteis, como é o caso deste conjunto de obras de melhoramentos urbanos. Lembrar-se-ia Medina de arrasar o jardim do parque Eduardo VII a pretexto de alguma modernice do momento, ou de destruir o jardim da Estrela para dar uma empreitada a um amigo? Não. E salvaguardando a proporção das coisas, é isso que assusta: pensar que há quem se arrogue, aqui, no direito de assassinar friamente a mais bela herança que esta cidade recebeu dos que antes, mal ou bem, a construiram. Por isso, a defesa do jardim tal como está, e a sua manutenção e melhoramento pontual é um imperativo cívico, é um desígnio nesta luta contra este eixo do mal que se julga inimputável na ligeireza e na desfaçatez com que alimenta a sua vertigem e a sua teimosa inclinação para correr em direcção ao abismo.
Que faremos, entretanto, com este plano? Quem tiver alguma ideia que atire a primeira pedra, o que não será difícil. Atirar a pedra, claro, porque vivemos numa cidade-ruína. Tal como o “Turris XXI”, “o eixo do descanso”, “o Ponte para Todos”, agora este PEDU (a que já chamam Programa Especial de Devastação Urbana), de toda esta tralha teórica não rezará a história. Fizeram-se obras com algum sentido e utilidade, é claro que sim, como agora se pede simplesmente que se façam algumas, apenas as necessárias, com parcimónia e sentido das proporções e sem querer estupidamente enterrar milhões só por enterrar. Dessas obras que se fizerem com algum tino, dessas rezará a história. E nós, embora agnósticos, republicanos e laicos (e também socialistas sem vergonha de o sermos, já agora), rezamos para que o Espírito Santo ilumine um pouco as cabeças de quem nos governa.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)


A eutanásia, dois problemas »  2018-05-30  »  Jorge Carreira Maia

Ontem foram discutidos na Assembleia da República quatro projectos de lei que visavam legalizar a eutanásia. Todos os projectos foram chumbados. Contudo, segundo alguns deputados, o problema voltará ao parlamento na próxima legislatura.
(ler mais...)


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)