• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Pesquisar...
Qui.
 18° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 13° / 4°
Céu nublado
Ter.
 13° / 6°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O PEDU segundo Mateus, o augusto

Opinião  »  2017-02-16  »  João Carlos Lopes

"Uma vitória eleitoral não dá mandato para determinado tipo de decisões"

“Torres Novas.pt- ponte para todos” será, muito provavelmente, o último trabalho deste cariz, feito nesta autarquia, com vista à definição de uma estratégia global para o concelho na perspectiva de candidaturas comunitárias”: eram estas as palavras de António Rodrigues a abrir o prefácio do plano estratégico 2007/2015, elaborado pela empresa do ex-ministro socialista e consultor-mor Mateus, o augusto dos planos e eixos estratégicos (os mais grisalhos ainda se lembram do célebre “eixo estratégico Torres Novas/Entroncamento” sobre o qual o antigo vereador Carlos Tomé, o maior poeta que alguma vez passou por esta pobre autarquia, lavrou, lapidar: “No eixo é um descanso”. E foi).
O mais divertido nesta viagem ao passado dos planos estratégicos que ciclicamente, como as andorinhas, arribam em seus alegres chilreios, e voltando àquele que Rodrigues, no seu assomo apocalíptico, pensou ser o último dos séculos e dos séculos, é que lá estão todas as obras então em fase de execução, caso da biblioteca, e dezenas de outras, grande parte executadas, diga-se em boa verdade e em verdade vos digo (centros escolares, envolvente do castelo, praça 5 de Outubro, e tantas outras mais ousadas em seus devaneios, como a “cidade-circo”, a torre do tempo ou até a mata dos Mesiões).
E um cristão põe-se a ver os bonecos e lá vê, até, a Praça dos Claras, acabada há poucas luas e, mais surpreendentemente, quase todas aquelas que agora, neste “Portugal 2020”, à pala do PEDU, aparecem como âncoras desta renovada, e cito, “estratégia de desenvolvimento urbano”: lá estava já o Terreiro de Santa Maria, a central do Caldeirão e até o jardim no que resta da Horta das Pedras, em que se dizia que o parque de estacionamento ocuparia um terço do espaço e o jardim ribeirinho dois terços. O rosário, como se sabe foi outro, porque a turma do LENA nessas contas não se deixa levar e o terço foi rezado ao contrário. Adiante.
Rodrigues não previu nada para o prédio Alvarenga, porque simplesmente essas ruínas de décadas ainda eram privadas. E também, mesmo tendo em consideração o seu obreirismo compulsivo, não lhe passou pela cabeça, como não passaria ao diabo, ousar destruir o quase secular “jardim da avenida”, que na sua singela simplicidade algo demodée dos jardins românticos do século XIX, é paisagem protegida dos torrejanos, uma herança dos nossos ancestrais, uma imagem, quiçá a mais forte da cidade e a que lhe confere um módico de dignidade, apesar do abandono escandaloso de que é vítima por parte desta maioria em regime de substituição.
Uma vitória eleitoral não dá mandato para determinado tipo de decisões, quando elas põem em causa valores inalienáveis à mercê de circunstâncias fúteis, como é o caso deste conjunto de obras de melhoramentos urbanos. Lembrar-se-ia Medina de arrasar o jardim do parque Eduardo VII a pretexto de alguma modernice do momento, ou de destruir o jardim da Estrela para dar uma empreitada a um amigo? Não. E salvaguardando a proporção das coisas, é isso que assusta: pensar que há quem se arrogue, aqui, no direito de assassinar friamente a mais bela herança que esta cidade recebeu dos que antes, mal ou bem, a construiram. Por isso, a defesa do jardim tal como está, e a sua manutenção e melhoramento pontual é um imperativo cívico, é um desígnio nesta luta contra este eixo do mal que se julga inimputável na ligeireza e na desfaçatez com que alimenta a sua vertigem e a sua teimosa inclinação para correr em direcção ao abismo.
Que faremos, entretanto, com este plano? Quem tiver alguma ideia que atire a primeira pedra, o que não será difícil. Atirar a pedra, claro, porque vivemos numa cidade-ruína. Tal como o “Turris XXI”, “o eixo do descanso”, “o Ponte para Todos”, agora este PEDU (a que já chamam Programa Especial de Devastação Urbana), de toda esta tralha teórica não rezará a história. Fizeram-se obras com algum sentido e utilidade, é claro que sim, como agora se pede simplesmente que se façam algumas, apenas as necessárias, com parcimónia e sentido das proporções e sem querer estupidamente enterrar milhões só por enterrar. Dessas obras que se fizerem com algum tino, dessas rezará a história. E nós, embora agnósticos, republicanos e laicos (e também socialistas sem vergonha de o sermos, já agora), rezamos para que o Espírito Santo ilumine um pouco as cabeças de quem nos governa.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O que se perfila »  2017-11-30  »  Jorge Carreira Maia

Apesar dos trágicos acontecimentos ligados aos incêndios e de algumas patetices governamentais, a esquerda continua, nas sondagens, a ser largamente maioritária. O problema começa agora que os acordos, que estabeleceram a coligação parlamentar, estão praticamente cumpridos.
(ler mais...)


O sentido da vida »  2017-11-29  »  Carlos Tomé

Há pessoas que vivem toda a vida sem se dar por elas. No fundo parece que não calcam o mesmo chão, que não bebem o seu café na Praça, uma italiana com adoçante faxavor, parece que não andam cá por estas bandas, são como o homem invisível, por vezes só se vê o contorno do casaco, remetendo-se a um silêncio exasperante e a uma invisibilidade que nos alimenta a ilusão de termos alguma importância ao pé deles.
(ler mais...)


TRANSIÇÃO EM CURSO »  2017-11-29  »  Denis Hickel

Nos dias que correm, quando falamos sobre o futuro das cidades, devemos acrescentar à lista dos problemas ambientais em curso o futuro robótico que se avizinha e o impacto geral que a tecnologia poderá trazer para as nossas vidas.
(ler mais...)


Palermas de serviço »  2017-11-29  »  Maria Augusta Torcato

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.
(ler mais...)


ORU »  2017-11-29  »  António Gomes

A operação de reabilitação urbana – ORU – que tem estado em discussão pública, é um documento importante pelas consequências que poderá trazer à cidade de Torres Novas.
(ler mais...)


Deus 2.0 »  2017-11-29  »  José Ricardo Costa

O problema da existência de Deus foi, até ao século XIX, tema incontornável da Filosofia, não havendo filósofo que não metesse a sua colherada nem que fosse para deitar veneno. Depois, quase recebeu a extrema-unção.
(ler mais...)


Propólis: um poderoso antibiótico natural »  2017-11-29  »  Juvenal Silva

As abelhas protegem com segurança o seu reduto, a colmeia: contra os fungos, os vírus e as bactérias que se formam com a decomposição dos bichos que tentam entrar nos seus enxames, como ratos, vermes, aranhas, etc.
(ler mais...)


Os corvos-marinhos estão de volta. »  2017-11-29  »  Nuno Curado

Já há alguns anos que os choupos encostados à ponte da Levada são o pouso matinal de um grupo de corvos-marinhos que frequenta a cidade. Para quem não os conhece, parecem umas garças de cor preta e bico mais grosso, com uma mancha branca e amarela na face.
(ler mais...)


“A política é como os amigos” »  2017-11-29  »  Rosa Amora

A política, meus amigos, é como vocês. Por vezes leve, às vezes pesada, pode ser tão brincalhona como tão séria que chega a doer.
E a amizade é mesmo como a política. Tem altos e baixos, é inspiração, é luta, é carinho pelos outros.
(ler mais...)


A Nikita em Torres Novas (ou uma crónica pessoal pouco ou nada revolucionária no Centenário da Revolução de Outubro) »  2017-11-29  »  José Mota Pereira

Recuemos a 1985. Ao final desse ano. Elton John lançou “Nikita” um dos seus maiores sucessos musicais. A temática era claramente influenciada pelo ambiente de mudança que se começava a viver na Europa de Leste, desde que em março, na União Soviética, Gorbachev chegara a secretário geral do PCUS, anunciando um plano de reformas – a Perestroyka – que viria a alterar o mapa do mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)