• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 15 Agosto 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 30° / 18°
Períodos nublados
Seg.
 30° / 19°
Períodos nublados com chuva fraca
Dom.
 28° / 15°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  27° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

“Sábado à tarde” no cinema perto da avenida

Opinião  »  2018-01-30  »  José Ricardo Costa

"O Cine-Clube era de outro campeonato, dando ao cinema um sabor mais gourmet"

Um quadro pode ter milhares de reproduções, em livros de arte, na Internet, posters, puzzles ou até chapéus-de-chuva. Mas estar perante o original, o quadro único e irrepetível saído da mão do pintor, que só existe naquele momento e ali à nossa frente, é quase como a experiência religiosa de estar num espaço sagrado. E não é só isso. Quanto oceano separa o nosso Largo da Botica da Mulher com Alaúde de Vermeer? A quantos quilómetros fica da Harmonia em Vermelho de Matisse? Pode-se ir lá vê-los mas o mais certo é ir com a ideia de ser a primeira e última vez, fazendo desse momento uma irrepetível hierofania. Mesmo ir ali a Madrid ver As Meninas não é bem como ir aqui a um sítio mais à mão de semear.

Por muito estranho que pareça hoje a um jovem de pendrive no bolso com dezenas de filmes tirados da net para ver no portátil entre dois jogos de computador e competindo com dezenas de mensagens sobre coisa nenhuma, houve um tempo em que ver cinema também era como estar num museu perante quadros inacessíveis de outro modo. Basta pensar como, antes da Internet, da pendrive, do DVD ou da cassete do clube de vídeo da esquina, se veria o filme de Chaplin, de Ford, de Kazan, de Bergman, de Fellini, de Truffaut, de Woody Allen, que se desejaria ver. Sim, onde? Acontece que, por vezes, era possível o milagre de o ver em Torres Novas, graças a um cinema chamado Virgínia e a um Cine-Clube. E, cá está, acreditando-se, longe de adivinhar o futuro que aí vinha, que seria a primeira e última vez.

Esse milagre tornava o filme algo especial mesmo para quem não tinha grandes veleidades cinéfilas e ia ao cinema só por lazer. Daí o Virgínia, com os seus impressionantes 999 lugares, ter noites épicas, em contraste com as poucas frequentadas noites de 5ª feira com os seus filmes mais “difíceis”, com sessões especiais marcada em cima do joelho por haver muita gente que não conseguira bilhete. Filmes como Música no Coração, My Fair Lady, Doutor Jivago, Um Violino no Telhado, Love Story ou Trinitá, foram só alguns desses filmes que levavam a sociedade torrejana e pessoas de fora (sim, que isto de haver um Virgínia na província era um luxo) a ver filmes que em Lisboa duravam meses e em salas mesopotâmicas como o Monumental, São Jorge ou Império. Sem esquecer, claro, as bíblicas sessões hardcore da meia-noite, em que 998 homens e uma mulher enchiam o Virgínia, num acto socialmente transversal como o de um estádio de futebol, onde se juntam fraternalmente pessoas de todas as classes sociais e ideologias.

O Cine-Clube era de outro campeonato, dando ao cinema um sabor mais gourmet: pela sua natureza política, por uma selecção de filmes mais restrita ou ainda por uma maneira de ver cinema que, comparada com a do Virgínia, era assim como a diferença entre uma igreja católica onde vai toda gente e uma daquelas adventistas do sétimo dia que ficam em prédios, quase não se distinguindo de uma casa particular. Isso transformava ainda mais o filme num objecto de desejo mas também de debate e reflexão que, depois das luzes acesas, levava à sala um elemento de racionalidade laboratorial que poderia prolongar-se no café Portugal ou na Viela.

Hoje, ver cinema, é cada vez mais um acto individual, desritualizado (sim, ir ao cinema tinha os seus rituais), em espaços profanos, já sem a escuridão que fazia com que a luz do ecrã sugasse toda a atenção do espectador. Agora que até já vi jovens a ver filmes em telemóveis, lembro-me da polémica com o surgimento do Quarteto devido à pequena dimensão dos ecrãs que iria matar o cinema, não conseguindo assim imaginar o ponto máximo de afastamento profano face às primeiras sessões dos irmãos Lumière onde tudo começou.

 

 

 Outras notícias - Opinião


As nossas vozes - josé mota pereira »  2020-07-27  »  José Mota Pereira

Muitas vezes, a comunicação social local é acusada de ser um instrumento ao serviço do caciquismo.

 Outras tantas vezes, também não é difícil de desmentir que a comunicação social local e regional (jornais e rádios) é apenas páginas de jornais ou horas de rádio vazias desprovidas de conteúdo ou interesse.
(ler mais...)


E se António Rodrigues? »  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia

Se António Rodrigues não se candidatar à presidência do Município, Pedro Ferreira será, sem dificuldade, reeleito. A entrada de António Rodrigues na corrida poderá, contudo, perturbar o passeio dos socialistas.
(ler mais...)


TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira »  2020-07-18  »  José Mota Pereira

Em 1985, as pessoas da zona alta vinham à vila. E diziam-no quando vinham ao centro! Ainda hoje, passados 35anos, vem-se à vila. Eram bem diferentes os limites físicos. A vila terminava junto à capela de Santo António e todas as urbanizações circundantes à Av.
(ler mais...)


530 mil - rui anastácio »  2020-07-18  »  Rui Anastácio

É o número de jovens que abandonaram o país nos últimos 10 anos.

Perante este número, é impossível não concluir que somos um país falhado. Não somos só um país falhado.
(ler mais...)


Zona industrial em Riachos - antónio gomes »  2020-07-18  »  António Gomes

As zonas industriais são espaços de ordenamento do território. Só com a sua implementação se consegue evitar a construção de empresas em locais que se destinam a outros fins e que não estão minimamente preparados para receber determinado tipo de actividades.
(ler mais...)


Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela »  2020-07-18  »  Mariana Varela

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção.
(ler mais...)


Por onde ir? - acácio gouveia »  2020-07-18  »  Acácio Gouveia

É gratificante apercebermo-nos de que há jovens que canalizam a sua irrequietude para o pensamento crítico e para opinar sobre política. O texto da jovem Mariana Varela é um bom ponto de partida para discussão sobre perspectivas de alternativas ao caminho actual do mundo.
(ler mais...)


Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes »  2020-07-18  »  João Carlos Lopes

1. Ser cidade não vale um caracol, não acrescenta uma vírgula a nenhum campeonato. Em Portugal, “cidade” não é nenhuma categoria político-administrativa, tratando-se de um título meramente honorífico.
(ler mais...)


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia E se António Rodrigues?
»  2020-07-27  »  José Mota Pereira As nossas vozes - josé mota pereira