• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 18 de Junho de 2018
Pesquisar...
Qui.
 31° / 19°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
Qua.
 34° / 20°
Períodos nublados
Ter.
 34° / 19°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  37° / 18°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

“Sábado à tarde” no cinema perto da avenida

Opinião  »  2018-01-30  »  José Ricardo Costa

"O Cine-Clube era de outro campeonato, dando ao cinema um sabor mais gourmet"

Um quadro pode ter milhares de reproduções, em livros de arte, na Internet, posters, puzzles ou até chapéus-de-chuva. Mas estar perante o original, o quadro único e irrepetível saído da mão do pintor, que só existe naquele momento e ali à nossa frente, é quase como a experiência religiosa de estar num espaço sagrado. E não é só isso. Quanto oceano separa o nosso Largo da Botica da Mulher com Alaúde de Vermeer? A quantos quilómetros fica da Harmonia em Vermelho de Matisse? Pode-se ir lá vê-los mas o mais certo é ir com a ideia de ser a primeira e última vez, fazendo desse momento uma irrepetível hierofania. Mesmo ir ali a Madrid ver As Meninas não é bem como ir aqui a um sítio mais à mão de semear.

Por muito estranho que pareça hoje a um jovem de pendrive no bolso com dezenas de filmes tirados da net para ver no portátil entre dois jogos de computador e competindo com dezenas de mensagens sobre coisa nenhuma, houve um tempo em que ver cinema também era como estar num museu perante quadros inacessíveis de outro modo. Basta pensar como, antes da Internet, da pendrive, do DVD ou da cassete do clube de vídeo da esquina, se veria o filme de Chaplin, de Ford, de Kazan, de Bergman, de Fellini, de Truffaut, de Woody Allen, que se desejaria ver. Sim, onde? Acontece que, por vezes, era possível o milagre de o ver em Torres Novas, graças a um cinema chamado Virgínia e a um Cine-Clube. E, cá está, acreditando-se, longe de adivinhar o futuro que aí vinha, que seria a primeira e última vez.

Esse milagre tornava o filme algo especial mesmo para quem não tinha grandes veleidades cinéfilas e ia ao cinema só por lazer. Daí o Virgínia, com os seus impressionantes 999 lugares, ter noites épicas, em contraste com as poucas frequentadas noites de 5ª feira com os seus filmes mais “difíceis”, com sessões especiais marcada em cima do joelho por haver muita gente que não conseguira bilhete. Filmes como Música no Coração, My Fair Lady, Doutor Jivago, Um Violino no Telhado, Love Story ou Trinitá, foram só alguns desses filmes que levavam a sociedade torrejana e pessoas de fora (sim, que isto de haver um Virgínia na província era um luxo) a ver filmes que em Lisboa duravam meses e em salas mesopotâmicas como o Monumental, São Jorge ou Império. Sem esquecer, claro, as bíblicas sessões hardcore da meia-noite, em que 998 homens e uma mulher enchiam o Virgínia, num acto socialmente transversal como o de um estádio de futebol, onde se juntam fraternalmente pessoas de todas as classes sociais e ideologias.

O Cine-Clube era de outro campeonato, dando ao cinema um sabor mais gourmet: pela sua natureza política, por uma selecção de filmes mais restrita ou ainda por uma maneira de ver cinema que, comparada com a do Virgínia, era assim como a diferença entre uma igreja católica onde vai toda gente e uma daquelas adventistas do sétimo dia que ficam em prédios, quase não se distinguindo de uma casa particular. Isso transformava ainda mais o filme num objecto de desejo mas também de debate e reflexão que, depois das luzes acesas, levava à sala um elemento de racionalidade laboratorial que poderia prolongar-se no café Portugal ou na Viela.

Hoje, ver cinema, é cada vez mais um acto individual, desritualizado (sim, ir ao cinema tinha os seus rituais), em espaços profanos, já sem a escuridão que fazia com que a luz do ecrã sugasse toda a atenção do espectador. Agora que até já vi jovens a ver filmes em telemóveis, lembro-me da polémica com o surgimento do Quarteto devido à pequena dimensão dos ecrãs que iria matar o cinema, não conseguindo assim imaginar o ponto máximo de afastamento profano face às primeiras sessões dos irmãos Lumière onde tudo começou.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)


A eutanásia, dois problemas »  2018-05-30  »  Jorge Carreira Maia

Ontem foram discutidos na Assembleia da República quatro projectos de lei que visavam legalizar a eutanásia. Todos os projectos foram chumbados. Contudo, segundo alguns deputados, o problema voltará ao parlamento na próxima legislatura.
(ler mais...)


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)