• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 19 Julho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 36° / 15°
Períodos nublados
Dom.
 31° / 15°
Céu nublado
Sáb.
 30° / 17°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  32° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Slow journalism: o tempo da notícia*

Opinião  »  2018-09-26  »  Inês Vidal

"O slow journalism é isso mesmo: é sobre o que acontece a seguir à notícia, é a procura das histórias não contadas,"

Há uma revolução a fazer-se. Devagarinho. Em papel e a cores. Defende o tempo e tudo o que tempo nos dá. Notícias com cabeça, tronco e membros. Princípio, meio e fim. Refuta os limites do “quem fez o quê, como, quando, onde e porquê”. Vai mais longe e exige saber que contexto levou a que o que aconteceu, acontecesse, e como irão os factos influenciar a vida de todos nós daí para a frente. Questiona, procura, vai ao centro, ao coração da notícia que já foi, mas continua a fazer os nossos dias. Saímos conhecedores, esclarecidos. Mais ricos que antes. É uma abordagem que nos informa, sem preocupações com audiências ou captação de publicidade. É a informação pela informação. O jornalismo pelo jornalismo. Nem lhe poderemos chamar jornalismo de qualidade. É jornalismo. Ponto. Aquilo que um dia nós, todos aqueles que algum dia sonharam com estas coisas dos jornais, ambicionamos. E ele está aí. A chegar. Devagarinho. Fazendo o caminho que a celeridade do fast journalism veio encurtar.

O movimento tem um nome: “slow journalism”. Um anseio de muitos que ganhou forma em 2011 com o lançamento da revista Delayed Gratification, pela mão da The Slow Journalism Company, no Reino Unido. Matthew Lee, editor da revista, esteve em Matosinhos, no Quiosque Manifesto, no sábado, 22, para falar da importância do slow journalism e de uma narrativa lenta para uma informação rigorosa.

E o slow journalism é isso mesmo: é sobre o que acontece a seguir à notícia, é a procura das histórias não contadas, é o dar tempo à notícia para que respire, amadureça, em suma, aconteça. É um jornalismo sem pressas, que questiona e faz questionar, que vai ao fundo, confirma, ouve. Um jornalismo sem ambições quantitativas, apenas qualitativas. É o trazer de volta ao palco principal o acontecimento que é notícia, contrariando o fast journalism, que se vem esquecendo do que aqui nos trouxe, em detrimento de uma empresarialização dos factos ao serviço dos números que nos sustentam.

A tendência é crescente. Devagarinho, mas vai. Vamos chegando a um ponto em que até naquilo que lemos, sentimos necessidade de abrandar. A velocidade a que as notícias nos são contadas, de imediato esquecidas exactamente pela pouca profundidade com que nos chegam, começa a não chegar.
Vai haver sempre lugar para ele, o fast journalism, as breaking news, as notícias de última hora que, potenciadas pela facilidade de correr o mundo num segundo, se dão antes que alguém se lembre de o fazer, mesmo que ainda com poucas certezas sobre o que tenha acontecido. Mas, cada vez mais pedimos uma alternativa, aquela que nos vai efectivamente explicar a notícia gritada, em letras garrafais, ao ouvido.

E é no meio de toda esta inquietação a fervilhar em mim e com uma saudável e brutal inveja do Matthew Lee, que adormece à noite fiel às suas convicções e que acorda de manhã feliz com o emprego para onde vai, que o JT entra no seu vigésimo quinto ano de vida. E os novos anos são sempre uma boa altura para pensar e repensar as nossas perspectivas e expectativas. A revolução, entretanto, vai-se fazendo. Devagarinho. E a mim, dá-me vontade de ir com ela.

*O JT com Inês Vidal, em Matosinhos, na conferência “Slow Journalism”, 22 de Setembro

 

 

 Outras notícias - Opinião


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-19  »  Inês Vidal Democracia, por Inês Vidal
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Problemas de memória
»  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia Autarquias, professores, padres casados e futebol
»  2019-06-19  »  José Ricardo Costa O Tempo dos Gelados