• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 23 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Sex.
 23° / 12°
Períodos nublados
Qui.
 26° / 12°
Períodos nublados
Qua.
 26° / 14°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  25° / 15°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Slow journalism: o tempo da notícia*

Opinião  »  2018-09-26  »  Inês Vidal

"O slow journalism é isso mesmo: é sobre o que acontece a seguir à notícia, é a procura das histórias não contadas,"

Há uma revolução a fazer-se. Devagarinho. Em papel e a cores. Defende o tempo e tudo o que tempo nos dá. Notícias com cabeça, tronco e membros. Princípio, meio e fim. Refuta os limites do “quem fez o quê, como, quando, onde e porquê”. Vai mais longe e exige saber que contexto levou a que o que aconteceu, acontecesse, e como irão os factos influenciar a vida de todos nós daí para a frente. Questiona, procura, vai ao centro, ao coração da notícia que já foi, mas continua a fazer os nossos dias. Saímos conhecedores, esclarecidos. Mais ricos que antes. É uma abordagem que nos informa, sem preocupações com audiências ou captação de publicidade. É a informação pela informação. O jornalismo pelo jornalismo. Nem lhe poderemos chamar jornalismo de qualidade. É jornalismo. Ponto. Aquilo que um dia nós, todos aqueles que algum dia sonharam com estas coisas dos jornais, ambicionamos. E ele está aí. A chegar. Devagarinho. Fazendo o caminho que a celeridade do fast journalism veio encurtar.

O movimento tem um nome: “slow journalism”. Um anseio de muitos que ganhou forma em 2011 com o lançamento da revista Delayed Gratification, pela mão da The Slow Journalism Company, no Reino Unido. Matthew Lee, editor da revista, esteve em Matosinhos, no Quiosque Manifesto, no sábado, 22, para falar da importância do slow journalism e de uma narrativa lenta para uma informação rigorosa.

E o slow journalism é isso mesmo: é sobre o que acontece a seguir à notícia, é a procura das histórias não contadas, é o dar tempo à notícia para que respire, amadureça, em suma, aconteça. É um jornalismo sem pressas, que questiona e faz questionar, que vai ao fundo, confirma, ouve. Um jornalismo sem ambições quantitativas, apenas qualitativas. É o trazer de volta ao palco principal o acontecimento que é notícia, contrariando o fast journalism, que se vem esquecendo do que aqui nos trouxe, em detrimento de uma empresarialização dos factos ao serviço dos números que nos sustentam.

A tendência é crescente. Devagarinho, mas vai. Vamos chegando a um ponto em que até naquilo que lemos, sentimos necessidade de abrandar. A velocidade a que as notícias nos são contadas, de imediato esquecidas exactamente pela pouca profundidade com que nos chegam, começa a não chegar.
Vai haver sempre lugar para ele, o fast journalism, as breaking news, as notícias de última hora que, potenciadas pela facilidade de correr o mundo num segundo, se dão antes que alguém se lembre de o fazer, mesmo que ainda com poucas certezas sobre o que tenha acontecido. Mas, cada vez mais pedimos uma alternativa, aquela que nos vai efectivamente explicar a notícia gritada, em letras garrafais, ao ouvido.

E é no meio de toda esta inquietação a fervilhar em mim e com uma saudável e brutal inveja do Matthew Lee, que adormece à noite fiel às suas convicções e que acorda de manhã feliz com o emprego para onde vai, que o JT entra no seu vigésimo quinto ano de vida. E os novos anos são sempre uma boa altura para pensar e repensar as nossas perspectivas e expectativas. A revolução, entretanto, vai-se fazendo. Devagarinho. E a mim, dá-me vontade de ir com ela.

*O JT com Inês Vidal, em Matosinhos, na conferência “Slow Journalism”, 22 de Setembro

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)