• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 25 de Novembro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 17° / 11°
Céu muito nublado com chuva fraca
Dom.
 18° / 10°
Céu nublado
Sáb.
 18° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Doenças do sistema circulatório

Opinião  »  2017-01-04  »  Juvenal Silva

"Todo o órgão é um campo de actividades, cuja eficácia, em princípio, atinge todo o ser humano"

Em todos os países da esfera cultural do Ocidente tornam-se cada vez mais ameaçadoras as doenças do coração e da circulação. Não é para nós uma experiência estranha que um homem, que se julga na posse de todas as suas forças, de repente interrompe o seu trabalho e em poucos segundos seja arrebatado pelas garras da morte. A apoplexia cardíaca é uma doença dos maus hábitos, cada vez mais presentes na sociedade moderna.
Temos de nos convencer de que só a prudência e a forma de vida regrada evitarão falhas das forças do coração e da circulação, pois estas não se perdem fulminantemente, mas fazem-se anunciar muito antes pelos transtornos do metabolismo.
Uma lesão do miocárdio enfraquece o seu funcionamento como bomba do coração, de modo que se produza perturbações na circulação, quando as exigências impostas ao coração para andar, correr, subir escadas ou trabalhar, excedem a sua capacidade de rendimento. Os transtornos circulatórios fazem-se notar pelas acumulações de sangue e humores nos mais diversos órgãos, como estômago, fígado, pulmões e rins.
As pernas também podem inchar. A diminuição do ritmo da circulação tem como consequência notáveis mudanças no metabolismo. Conduz ao encharcamento dos tecidos por sangue venoso, que leva resíduos metabólicos como ácido carbónico, ureia, ácido lático e muitos outros elementos que devem passar para os órgãos de evacuação e para os pulmões para sua depuração e renovação. A obstrução de tal eliminação prejudica a marcha do processo metabólico, isto é, as funções das células. Isto ocasiona o primeiro passo da saúde para a doença.
Actualmente, os médicos de todos os países organizados, estão de acordo para alcançar formas na melhoria dos hábitos de vida, envolvendo os ministérios da saúde para acções de sensibilização e até na organização legislativa de procedimentos, como por exemplo a redução obrigatória de sal e açúcar.
Este tema tem merecido uma atenção muito particular na comunidade científica e muitos estudos têm sido efectuados para se encontrarem fórmulas de controle, visando a redução de sal. A este propósito, foi divulgado recentemente que investigadores da Universidade do Porto patentearam este mês uma máquina que mede sal na comida em três minutos.
A ingestão de sal não deverá ultrapassar cinco gramas por dia, mas em Portugal há crianças a consumir 17 gramas de sal por dia.
Como medidas preventivas, e de forma a conseguir-se reforçar os bons hábitos para uma saúde melhor, é importante diminuir a quantidade de sal e açúcar, baseando a qualidade nutricional nas verduras de folha verde escuro, vegetais coloridos e frutos.
Este procedimento tem efeitos positivos sobre o sistema renal e todo o tipo de enfermidades, incluindo as oncológicas. Conseguem-se assim efeitos sobre as glândulas de secreção interna, como hipófise, diencéfalo, cápsulas suprarrenais, que regulam o metabolismo da água e do sal.
Convém referir que uma boa conduta do estilo de vida beneficia a totalidade do SER. Não há nenhuma doença limitada a um só ponto.
Todo o órgão é um campo de actividades, cuja eficácia, em princípio, atinge todo o ser humano, em maior ou menor grau. Não é o estômago que tem fome, ou a garganta que tem sede, nem é o cérebro que está alegre ou triste, nem o coração ou os rins que estão doentes: é o homem que está esfomeado ou sequioso, triste ou alegre, doente ou saudável.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Escola, religião e cidadania »  2017-11-17  »  Jorge Carreira Maia

Por motivos profissionais estou a fazer formação na área da Filosofia da Religião. As reorientações que o programa de Filosofia do ensino secundário está a sofrer implicam, entre outras coisas, que a área dos valores religiosos se torne obrigatória e não seja, como até aqui, uma opção, a qual, por norma, é preterida pela dos valores estéticos.
(ler mais...)


Odores a granel: marketing olfativo ou cascomia? »  2017-11-15  »  Maria Augusta Torcato

Afinal, tenho uma boa justificação, científica até,  para a constância desta minha zanga e para este estado de cansaço e ausência de vontade que teimam em desaparecer e me têm feito a vida negra, nestes últimos tempos, além de muito mal cheirosa.
(ler mais...)


Os anos de seca vieram para ficar. »  2017-11-15  »  Nuno Curado

8 de Novembro de 2017: “Poderá não haver colheita de arroz no Vale do Sado [em 2018]”. Esta região é a maior produtora de arroz em Portugal. 06/11/2017: “A nascente do Rio Douro está seca”.
(ler mais...)


QUE FUTURO PARA TORRES NOVAS? »  2017-11-15  »  Denis Hickel

Há poucos anos atrás facilitei diversas oficinas junto à comunidade escolar do concelho e que trazia o questionamento de como seria a escola diante de todos os problemas globais que enfrentamos. A gravidade destes temas são difíceis de abordar em toda a sua amplitude por trazerem uma complexidade e uma interdependência difíceis para nossa forma linear de pensamento; o que invariavelmente leva os interlocutores à visões muito negativas sobre o futuro.
(ler mais...)


Solidariedade »  2017-11-14  »  Inês Vidal

Vivemos uma época em que somos todos um bocadinho, e cada vez mais, individualistas. Pensamos em nós e nos nossos, no que temos ou vamos precisar e alargamos a esfera da preocupação a quem nos pode ajudar a isso. Regra geral, somos assim.
(ler mais...)


A melhor opinião »  2017-11-14  »  Carlos Tomé

Olha lá, não estou nada de acordo quando eles dizem que têm a melhor opinião. Melhor opinião em quê? Há melhores e piores opiniões? Ou há só opiniões? Para além de estarem a puxar lustro aos galões, toda a gente sabe que a melhor opinião é a do Marques Mendes, o grilo falante, o tipo sabe as calhandrices todas do PSD e casca na geringonça à má-fila que até dá gosto.
(ler mais...)


Ir à Praça »  2017-11-14  »  José Ricardo Costa

Qualquer jovem de Lisboa sabe que ir “ao bairro” é Bairro Alto. No Porto, ir “ao palácio” é Palácio de Cristal. Em Torres Novas “ir à praça” é Praça 5 de Outubro.
(ler mais...)


Diabetes uma doença em plena expansão - II »  2017-11-14  »  Juvenal Silva

Os efeitos adversos da diabetes aumentam 20 vezes mais os riscos de problemas cardíacos e são responsáveis por 25% das operações cardíacas, 40% dos casos de insuficiência renal, 50% das amputações não traumáticas, ou seja, as que não resultam de acidente e 75% de mortes por doenças cardiovasculares.
(ler mais...)


Centralistas »  2017-11-07  »  Jorge Salgado Simões

Quando muitos pensavam que a única coisa positiva da recente tragédia dos incêndios era que finalmente o país ia olhar de outra forma para a interior, para o espaço rural e para fora das grandes áreas metropolitanas, as notícias que vão sendo conhecidas sobre a reprogramação dos fundos comunitários desfazem qualquer réstia de dúvidas.
(ler mais...)


O velho PS »  2017-11-02  »  Jorge Carreira Maia

Aquando da formação do actual governo, não faltaram maus agoiros sobre o descalabro da economia, o descontrolo do défice e a desmedida loucura da extrema-esquerda, isto é, do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-11-15  »  Denis Hickel QUE FUTURO PARA TORRES NOVAS?
»  2017-11-15  »  Maria Augusta Torcato Odores a granel: marketing olfativo ou cascomia?
»  2017-11-15  »  Nuno Curado Os anos de seca vieram para ficar.