• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 26 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 18° / 11°
Céu muito nublado com chuva fraca
Seg.
 16° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 5°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Tabacaria Central

Opinião  »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

"Houve uma mudança ainda mais radical: a virtualização do espaço lúdico"

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima. Convém lembrar que é um tempo em que muitas crianças não têm brinquedos ou, se têm, são artesanais, como fisgas, rodas de bicicleta, bolas de trapos ou de papel prensado, carros de ladeira ou então objectos como caricas, botões ou berlindes. Daí que entrar naquele 1ºandar, sobretudo na época de Natal, e ver pistas de automóveis, comboios eléctricos, robots, legos, roupas de fantasia, actions men, matraquilhos, patins, flippers e dezenas de jogos em coloridas caixas de cartão, fosse assim como um adulto estar hoje na secção de detergentes de uma Galinha Gorda em Alhandra e aparecer de repente na secção de perfumaria das Galerias Lafayette.
Era a minha filha ainda adolescente, fomos à Hamleys, uma megaloja com vários andares só de brinquedos, na Regent St.. Dois anos depois, desta vez já com o irmão, ainda pequeno, chegámos a Londres num domingo à noite. A irmã tinha-lhe falado na loja e a excitação e mistificação eram tantas que prometi ser o primeiro sítio onde iríamos no dia seguinte. Mas não chegou. Lá fomos então os dois a pé, numa noite de chuva, desde Russell Square até à loja, só para ver a montra e provar que era mesmo real e não uma pérfida partida a uma criança inocente. Entretanto, estava eu estava a vê-lo espeitar para o interior de uma loja fechada e ao mesmo tempo a ver-me no 1ºandar da Tabacaria Central, que deve ser também mais ou menos o que se vê quando se chega ao santuário de Fátima após 200 km a pé. Por isso, insisto: ser criança será sempre ser criança e é perante um brinquedo que isso se vê. Porém, houve duas coisas que mudaram bastante na relação das crianças com os brinquedos.
A primeira, graças a uma natural evolução social e económica, foi a banalização do brinquedo. Se o entusiasmo e fascínio perante um carro telecomandado acabado de desembrulhar na noite de Natal continuam a ser os mesmos, o impacto pela posse do brinquedo mudou bastante, não só pela avalanche de brinquedos recebidos de uma só vez, temperando a importância de cada um, mas também pela sua constante presença na vida das crianças, em vez de coisa mesmo especial ou até impossível.
Mas houve uma mudança ainda mais radical: a virtualização do espaço lúdico. Brincar consiste cada vez mais em estar sentado num sofá com um tablet, playstation, smartphone, Game Boy ou perante um computador, desligando a criança do mundo real dos objectos assim como do seu próprio corpo, transformado num par de polegares e olhos enfronhados num monitor. Claro que jogar é jogar, brincar é brincar. Porém, como tudo o resto, jogar e brincar têm uma história. Uma história que faria com que hoje a Tabacaria Central se parecesse com aqueles velhos sótãos onde brinquedos há muito esquecidos se vão cobrindo de pó e teias de aranha.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Rui Rio faz o seu caminho »  2020-01-24  »  Jorge Carreira Maia

Rui Rio tornou a vencer as eleições internas do PSD. Isso terá contrariado muita gente à direita, gente despeitada e ansiosa de que se retorne à política de punição das classes populares imposta por Passos Coelho.
(ler mais...)


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia O discurso do rancor
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?