• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 21 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 26° / 14°
Céu limpo
Ter.
 24° / 15°
Períodos nublados
Seg.
 25° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  23° / 15°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Tabacaria Central

Opinião  »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

"Houve uma mudança ainda mais radical: a virtualização do espaço lúdico"

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima. Convém lembrar que é um tempo em que muitas crianças não têm brinquedos ou, se têm, são artesanais, como fisgas, rodas de bicicleta, bolas de trapos ou de papel prensado, carros de ladeira ou então objectos como caricas, botões ou berlindes. Daí que entrar naquele 1ºandar, sobretudo na época de Natal, e ver pistas de automóveis, comboios eléctricos, robots, legos, roupas de fantasia, actions men, matraquilhos, patins, flippers e dezenas de jogos em coloridas caixas de cartão, fosse assim como um adulto estar hoje na secção de detergentes de uma Galinha Gorda em Alhandra e aparecer de repente na secção de perfumaria das Galerias Lafayette.
Era a minha filha ainda adolescente, fomos à Hamleys, uma megaloja com vários andares só de brinquedos, na Regent St.. Dois anos depois, desta vez já com o irmão, ainda pequeno, chegámos a Londres num domingo à noite. A irmã tinha-lhe falado na loja e a excitação e mistificação eram tantas que prometi ser o primeiro sítio onde iríamos no dia seguinte. Mas não chegou. Lá fomos então os dois a pé, numa noite de chuva, desde Russell Square até à loja, só para ver a montra e provar que era mesmo real e não uma pérfida partida a uma criança inocente. Entretanto, estava eu estava a vê-lo espeitar para o interior de uma loja fechada e ao mesmo tempo a ver-me no 1ºandar da Tabacaria Central, que deve ser também mais ou menos o que se vê quando se chega ao santuário de Fátima após 200 km a pé. Por isso, insisto: ser criança será sempre ser criança e é perante um brinquedo que isso se vê. Porém, houve duas coisas que mudaram bastante na relação das crianças com os brinquedos.
A primeira, graças a uma natural evolução social e económica, foi a banalização do brinquedo. Se o entusiasmo e fascínio perante um carro telecomandado acabado de desembrulhar na noite de Natal continuam a ser os mesmos, o impacto pela posse do brinquedo mudou bastante, não só pela avalanche de brinquedos recebidos de uma só vez, temperando a importância de cada um, mas também pela sua constante presença na vida das crianças, em vez de coisa mesmo especial ou até impossível.
Mas houve uma mudança ainda mais radical: a virtualização do espaço lúdico. Brincar consiste cada vez mais em estar sentado num sofá com um tablet, playstation, smartphone, Game Boy ou perante um computador, desligando a criança do mundo real dos objectos assim como do seu próprio corpo, transformado num par de polegares e olhos enfronhados num monitor. Claro que jogar é jogar, brincar é brincar. Porém, como tudo o resto, jogar e brincar têm uma história. Uma história que faria com que hoje a Tabacaria Central se parecesse com aqueles velhos sótãos onde brinquedos há muito esquecidos se vão cobrindo de pó e teias de aranha.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia The Times They Are A-Changin`
»  2018-10-12  »  Inês Vidal Passa