• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 17 Novembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 15° / 7°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 10° / 5°
Céu muito nublado com chuva moderada
Seg.
 15° / 6°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  16° / 8°
Céu muito nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Por este lado é que vamos, por João Carlos Lopes

Opinião  »  2019-10-02  »  João Carlos Lopes

" Queremos a ser uma janela de onde, localmente, se vê o mundo, e ao mesmo tempo dar expressão ao modo como o mundo e o que nele se passa se projectam na maneira como localmente agimos e pensamos."

1. Políticas nacionais, aqui e ali mais impostas a nível local por opção dos próprios, devastaram as economias locais das pequenas cidades e vilas do país. O comércio local e grande parte dos serviços foram fustigados e depois engolidos pelos grandes grupos nacionais ou trans-nacionais, remetendo as cidades e vilas portuguesas a pouco mais que cenários onde nada se passa. Reina o silêncio quotidiano onde outrora fervilhavam actividades, comércios, ofícios, então movimentando diariamente centenas de pessoas e alimentando trocas e fluxos económicos que reproduziam a própria economia local.

Com este panorama, desapareceu a economia local, uma certa “economia afectiva” que, dados os naturais laços de vizinhança e de relacionamento pessoal e comunitário, suportou durante décadas os jornais locais e regionais. Esta “publicidade afectiva” foi reduzida quase ao grau zero, dificultando a vida das publicações locais. Os grandes grupos têm plataformas próprias de divulgação, não usando os jornais locais para esse fim. Limitam-se a acções de caridade (umas garrafas de água para a corrida), sempre em conluio com os poderes locais instalados, porque deles precisam para “facilidades” várias na prossecução das suas acções de expansão.

A instauração de maiorias políticas absolutas, transversais aos vários partidos políticos com forte expressão autárquica, que se perpetuam por décadas e se transformam em regimes, tendem a manietar os jornais locais, que se tornam submissos e obedientes, megafones muitas vezes mais papistas que o papa, viciando-se num regime de sobrevivência à base do financiamento tão legal quanto directo e vicioso da publicação, em exclusivo, de editais e alvarás, publicidade institucional e engenhosos programas de divulgação de iniciativas autárquicas ou programas inter-municipais, previamente desenhados, acordados e decididos nos gabinetes do amiganço partidário ou de outras afinidades.

Os jornais locais que ousem resistir a este tipo de subserviência e que recusem transformar-se em boletins municipais ou inter-municipais (é o que está a dar com as CIMs) têm a vida mais complicada, lutando contra várias forças adversas:
- a inexistência do tecido económico local de outros tempos, que garantia receita de publicidade;
- a concorrência desleal de jornais que se curvam aos poderes e, curvando-se, são os beneficiados pelas receitas das publicações e propaganda oficiais;
- o boicote e a guerrilha dos poderes instalados, sempre ousados na política de pressão junto daqueles que, colocando publicidade ou simplesmente colaboram na escrita de artigos ou crónicas, tentando desmobilizar, calar, isolar;
- a inexistência de escala, ao nível local e regional, que permita compensar com fontes alternativas de receitas a sabotagem de sectores adversos;
- a crise global da imprensa e a quebra de leitores de publicações em papel, fenómeno esse mais estrutural, com o encerramento de milhares de jornais por todo o mundo: grandes jornais nacionais de referência, jornais regionais e sobretudo jornais locais independentes, que não pertençam a igrejas ou grupos económicos e que não sejam assumidamente cães-de-fila dos poderes locais instalados.

2. Se, num país, a existência de imprensa independente é condição determinante e decisiva da democracia, ao nível local a inexistência dessa imprensa independente conduz, claramente, à inexistência de sociedades locais democráticas. Não há democracia sem escrutínio. E, ao nível local, sobretudo nas pequenas cidades e vilas, as oposições não possuem, nem de longe nem de perto, meios, capacidade e instrumentos para o escrutínio político que a democracia lhe exige. As oposições não enfrentam apenas quem está no poder transitoriamente: lutam contra regimes de décadas, absolutos e titânicos, que dominam todas as outras instâncias da vida social, controlam, pressionam, pagam em prebendas e subsídios (colectividades, religiões, instituições cívicas, misericórdias, bombeiros, escolas, clubes desportivos) secando tudo em seu redor. Secando até a coragem dos cidadãos para a acção cívica e política, reduzindo o campo das oposições na prospecção e convencimento de pessoas empenhadas e reconhecidas, geralmente comprometidas e enredadas nos laços da “economia” dos interesses com o próprio poder.

É, por isso, perfeitamente natural a sanha e o ódio manifestado pelas maiorias absolutas contra quem ousa não plagiar a narrativa oficial e dizer que o rei vai nu (ainda se lembram do Shiva Som, do Boquilobo Golf, do Mega Hotel empresarial da Zibreira, e de toda uma colecção de aldrabices pré-eleitorais, para não falar dos casos recentes da Ribeira da Boa Água, do aeroporto internacional ou da mega-pocilga prevista para próximo do Paul do Boquilobo), dizer que o rei vai nu umas vezes para denunciar, outras para mobilizar a opinião pública contra práticas e opções que vão contra o interesse público.

Estivemos sempre do lado do interesse público e das populações contra a pantominice, o golpe simulado, os compadrios ou a simples estupidez no que toca ao governo local. Nestes 25 anos, predisseram vezes sem conta o fim deste jornal. Atiraram-lhe com o estigma do costume, ou porque é comunista, agora porque é do Bloco, amanhã porque há-de ser outra coisa qualquer. Mas nunca fomos obrigados a admitir que demos informação falsa ou publicámos “mentiras”, é isso que os dana.

3. Quase tudo tem um fim e este jornal pode um dia acabar, mas não há-se ser por nenhuma das razões invocadas pelas aves agoirentas. De resto, muitos dos que aqui se tornaram pessoas conhecidas, iniciando nestas páginas o caminho para voos mais altos e carreiras políticas, cospem no prato onde outrora comeram. Clássico.

A má notícia que repetidamente aqui costumamos dar é que vamos continuar neste caminho e com este rumo. Não vamos claudicar perante as dificuldades que, afinal, nos acompanham desde há 25 anos. Não, não temos um centavo de dívidas, e por isso devemos ser caso único no panorama dos jornais locais e regionais, porque os nacionais devem milhões. É claro que o cenário é este porque há um punhado de pessoas que, voluntária e desinteressadamente, dá o seu melhor para a continuidade deste jornal. Felizmente sem esperar em troca “facilidades”, tachos ou carreiras, se calhar antes pelo contrário. É assim há 25 anos, as provas são públicas e notórias.

Não pertencemos a uma igreja, a um grupo económico, a uma rede partidária, a uma empresa. Somos, como há 25 anos, um grupo de cidadãos que continuam a acreditar que a democracia local só é possível com imprensa independente e que, sem ela, não há prática efectiva da democracia.

4. Não vamos ceder ao “jornalismo” infantilizado da falsa proximidade, carregando edições e edições com notícias de festivais de sopas e de almoços, que já não são notícia, ou descarregando notas de imprensa sem enquadramento ou comentários que ajudem o leitor a não embarcar na conversa das verdades alternativas.

A proximidade, hoje, não é um conceito geográfico: sabe-se mais rapidamente o que está acontecer no Brasil do que se a câmara já arranjou o passeio ali em baixo. A proximidade dissolveu-se neste tempo e neste espaço. Entre uma notícia irrelevante da nossa rua e uma coisa interessante que se passa em Tomar ou na Barquinha, optamos por estas últimas. Daremos espaço a um tema “nacional” que interesse aos cidadãos, porque esses a televisão queima-os em 30 segundos na sua campanha permanente de estupidificação dos cidadãos e de infantilização da sociedade, em vez de perdermos tempo com falsas proximidades. Não se justifica o esforço de fazer um jornal cheio de minudências daquelas que povoavam as publicações de há 150 anos. Acabou há muito o tempo das gazetas e dos jornalinhos locais.

Vamos por aqui: não é só o “local” que nos interessa. Queremos continuar a ser uma janela de onde, localmente, se vê e se interpreta o mundo, e ao mesmo tempo dar expressão ao modo como o mundo e o que nele se passa se projectam na maneira como localmente agimos e pensamos. Só assim vale a pena, que não é pequena.

 

(dedico estas linhas à Conceição Gomes, à Conceição Godinho, ao Luís Miguel Fanha, ao Cristiano Abegão, à Inês Vidal e ao Élio Batista)

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nazismo e comunismo »  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia

No mês passado o Parlamento Europeu aprovou uma resolução de condenação dos regimes nazi e comunista. Na verdade, ambos os regimes perseguiram e mataram adversários e o Estado teve neles uma configuração totalitária.
(ler mais...)


Quando eu for grande... »  2019-11-06  »  Hélder Dias

A doença das democracias liberais »  2019-10-25  »  Jorge Carreira Maia

Em curta entrevista concedida este ano ao Estadão de S. Paulo, o cientista político Yascha Mounk, especialista na crise das democracias liberais, afirmava temer que não se esteja perante um mero episódio de populismo, mas a entrar numa era populista.
(ler mais...)


Rio petisco »  2019-10-11  »  Hélder Dias

Casal da Treta? »  2019-10-11  »  Hélder Dias

Das eleições, leituras »  2019-10-10  »  Jorge Carreira Maia

1. APESAR DO PRÓPRIO PARTIDO. O PS teve um bom resultado, mas não excelente. Não conseguiu penetrar significativamente na esquerda e alienou, em campanha, uma parte do centro para o PSD.
(ler mais...)


Venham mais vinte cinco, por Inês Vidal »  2019-10-02  »  Inês Vidal

Não deixa de ser curioso o facto de festejarmos 25 anos com a produção de uma revista. Numa altura em que já ninguém lê - muito menos jornais, mesmo os regionais e, dentro destes, menos ainda os que não anunciam nascimentos, casamentos e funerais - produzir ainda mais uma revista tem algo de irónico.
(ler mais...)


Fazer acontecer »  2019-10-02  »  Anabela Santos

A importância de fazer acontecer é, cada vez mais, uma certeza para mim.
Não sei se tem a ver com a idade, a consciência ou a vivência, mas é raro o dia em que não tenha o tal pensamento … “é mesmo importante o que esta gente faz acontecer”

E, como é óbvio, não me refiro aos actos dos nossos governantes.
(ler mais...)


O prazer de ir a lado nenhum »  2019-09-28  »  Jorge Carreira Maia

O maior prazer daqueles que frequentam a literatura será o da deambulação, visitar lugares desconhecidos e confrontar-se com mundos inesperados, andar por aí sem ir a lado nenhum. Se quisermos uma prova sobre a existência de uma pluralidade de mundos, basta uma palavra: literatura.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-10-25  »  Jorge Carreira Maia A doença das democracias liberais
»  2019-11-06  »  Hélder Dias Quando eu for grande...
»  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia Nazismo e comunismo