• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 19 Julho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 36° / 15°
Períodos nublados
Dom.
 31° / 15°
Céu nublado
Sáb.
 30° / 17°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  32° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Bonés há muitos

Opinião  »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

"Mas o mais ingrato ainda é explicar a um aluno não ser suposto estar com um boné na sala de aula."

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.

Num sanatório, mesmo num todo finório como o do romance, é costume morrerem pessoas. Sendo verdade que morrer é uma prática habitual em pessoas que ainda estão vivas, num sanatório era-o bem mais do que hoje num salão de cabeleireira, no momento de mostrar o cartão Continente na caixa ou mesmo numa carruagem de metro em hora de ponta, já contando com aquele escatológico momento em que alguém se descuidou. Um dia, Joachim, personagem do romance, vai a andar num corredor lá do sanatório quando passam por ele três pessoas com o viático a caminho do quarto de uma infeliz menina. De repente, fica sem saber o que fazer pois não levava o chapéu para o tirar naquele solene momento. Contando depois o episódio ao primo, este lembra-lhe o dever de andar sempre com o chapéu, criticando ainda o facto de naquele sanatório ninguém o usar.

Vejamos, os chapéus não se inventaram para serem tirados mas para serem postos. Mas a partir do momento em que os homens passaram a pô-los, ficou combinado que tirá-los seria uma boa maneira de mostrar respeito pelas pessoas que se cumprimentam ou por certos lugares. Também as portas não foram inventadas para darmos prioridade aos outros, nem as cadeiras para serem cedidas aos mais velhos. Mas tornaram-se um bom pretexto para exprimir condutas moralmente sãs e fortalecer os laços sociais. Não tem que ver com regras de etiqueta, um código que serve para pessoas de uma classe social se reconhecerem e distinguirem das outras, fortalecendo assim laços endogâmicos que fazem de cada evento social uma teatral “petite Versailles”, tutelada pelo fantasma de Luís XIV.

Outra coisa são simbólicos códigos de vinculação social que reforçam a ideia de sermos animais políticos, como nos considera Aristóteles. Calma, lá por nos chamar animais não quer dizer que nos esteja a ofender como se fosse um de certos deputados da nação. Pelo contrário, é até um elogio por mostrar que apesar de fazermos xixi e cocó, o que sobretudo nos define é sermos dotados de racionalidade e linguagem numa sociedade humana, bem diferente do que se passa numa colmeia, formigueiro ou bancada com uma claque de futebol aos urros e grunhidos.

Daí haver hoje muita mocidade cujo comportamento está mais próximo dos crustáceos do que de seres racionais, mais dados a funções simbólicas do que a rastejar na areia sem saber muito bem porquê. Fazer compreender a certos jovens que não ficaria mal levantarem-se para dar lugar a uma pessoa mais velha ou darem passagem numa porta, é tarefa tão espinhosa como a de um franciscano a explicar pacientemente a um leão faminto, a fraternidade entre todas as espécies.

Mas o mais ingrato ainda é explicar a um aluno não ser suposto estar com um boné na sala de aula. Imaginemos uma pessoa que fazia uma viagem no tempo, sendo a máquina tão, tão, tão poderosa, que a pessoa só iria conseguir parar no Paraíso. Encontrava o Adão ainda com o barro a secar e dizia-lhe não ser bonito andar por aí com o pirilau à mostra. Por que consigo imaginar tão facilmente a cara de parvo do pobre Adão a ouvir aquilo? Porque seria a mesma das criaturas de boné na cabeça dentro da sala de aula quando resolvo fazer de Deus a tentar à força dar a maçã a trincar mas debalde.

O pragmático tempo dos bonés que parecem colados ao couro cabeludo com Super cola 3, em contraste com o elegante tempo em que os chapéus se punham e tiravam conforme as circunstâncias, é uma derrota da humanidade tal como Aristóteles a concebeu.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-19  »  Inês Vidal Democracia, por Inês Vidal
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Problemas de memória
»  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia Autarquias, professores, padres casados e futebol
»  2019-06-19  »  José Ricardo Costa O Tempo dos Gelados