• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 04 Agosto 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 32° / 17°
Períodos nublados
Qui.
 37° / 19°
Céu limpo
Qua.
 36° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  35° / 17°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Eu é que sei

Opinião  »  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro

"A versão “Eu já sei” é uma variante do “Eu é que sei” menos agressiva e absolutista"

Vinha a ouvir no rádio do carro a rubrica “Eu é que sei!” A ideia passa por lançar perguntas às crianças para elas opinarem sobre o que pensam de cada temática. Eu é que sei…. “O que é um estetoscópio”, “porque há pessoas boas e más”, “porque as pessoas usam malas”, “porque é que as aranhas têm 8 olhos” , “o que é um pirilampo”, “para que serve a manete de mudanças.” Questões de elevada relevância, às quais a criançada responde com toda a certeza sobre as suas evidentes incertezas. À pergunta de “Quais são os teus direitos?” o miúdo responde “Direito de comer alguma coisa boa, mas gosto mais de brincar com as Nerfs”(?). Ainda atordoado com as desarmantes respostas, fui almoçar integrado num grupo numeroso e ali entre a sopa de coentros e o bacalhau com natas ouvi, saído de um dos cantos da mesa, um sonoro: “Cala-te lá, eu é que sei!” Espera aí, será que a rubrica da rádio entrou no nosso almoço? Espreitei para ver quem lançou essa certeza, à espera de ver um miúdo a falar com propriedade do tema “o que é uma chiclete?” e verifiquei que se tratava de um calmeirão de fato e gravata. Falou muito, mesmo muito. A defesa da sua ideia estava a ser extensa e intensa. Esbracejava de forma emotiva como se de uma apresentação de tese de doutoramento se tratasse e, sempre que alguém se preparava para entrar na contenda, ouvia: “espera aí que não terminei!” E se aquilo demorou tempo a terminar. Quando finalmente veio a conta lá o tipo se calou (a conta costuma despertar uma certa letargia). A praga do “Eu é que sei” instalou-se nas sociedades atuais e veio para ficar. A contundência do “Eu é que sei” não dá margem de manobra ao outro de ripostar. O “Eu é que” atribui um regime de exclusividade do conhecimento; mais ninguém sabe o que eu sei, por que Eu É que sei. O inabalável saber extermina a hipótese de saber do outro. E não confundir o “Eu é que sei” com o “Eu acho que sei”. O segundo coloca a hipótese de poder não saber, o primeiro sabe que não existe hipótese de não saber; Acha que caiu dentro de um caldeirão cheio de enciclopédias Larousse quando era pequenino e já não precisa de ler mais nenhuma página. A rubrica da rádio é adequada por revelar uma situação bem atual. Temos as escolas cheias de miúdos “Eu é que sei”, mesmo antes de saberem coisa alguma. Miúdos, cujo ego foi sendo insuflado ao longo da sua curta vida, e cujo pico de sobranceria descamba no “Eu é que sei”. A criança é que sabe, porque o adulto lhe foi dizendo, de forma sucessiva “não queres comer a sopa? Tu é que sabes”; “queres fazer birra quando não te compramos o Kinder? tu é que sabes”; “não gostas de emprestar brinquedos ao Zéquinha? Tu é que sabes”, “não queres arrumar a loiça do jantar? Tu é que sabes”, “queres ir apanhar uma piela com os amigos? Tu é que sabes”, “achas que a professora de Filosofia é uma chata? Tu é que sabes”, “queres estar o dia inteiro em frente ao telemóvel? Tu é que sabes”. E a criança ficou mesmo a saber tudo com extrema propriedade.
A versão “Eu já sei” é uma variante do “Eu é que sei” menos agressiva e absolutista. No “Eu já sei”, não elimino o conhecimento do outro, apenas igualo. “A função quadrática da matemática? Ó stora, escusa de explicar mais porque eu já sei essa treta toda!”. No “Eu é que sei”, se o resultado da função trigonométrica não for o esperado, a única hipótese recai sobre o evidente erro da Stora a corrigir tão imaculada solução. O “Eu é que sei” acredita nas suas próprias soluções. No entanto, algumas vezes (raras), a verdade absoluta do “Eu é que sei” esbarra em fontes de conhecimento difíceis de contestar. Ao discutir futebol com um Mourinho, Culinária com um Avilez ou importação de café com um Nabeiro, o “Eu é que sei” transforma-se em “Esta análise vem corroborar o que eu já aplicava há algum tempo!” O professor catedrático instalado no interior do seu ego, impede-o de admitir “Oh Mourinho, esse plano de treino táctico é fabuloso, nunca tinha pensado nisso!”
Vamo-nos cruzando no nosso quotidiano com muitos “Eu é que sei”, sejam eles crianças, jovens ou adultos. Malta enclausurada no seu hermético conhecimento, com alguma carência nos sistemas de recepção de informação e grande fluência nos sistemas de expulsão de bitaites; ouvem pouco, falam muito; sabem pouco, acham muito.
Pesquisei de novo a rubrica da rádio “Eu é que sei” e encontrei a pergunta “De que cor é o cavalo branco de napoleão?” Queria uma fácil, uma que não desse azo aos mais proeminentes “Eu é que sei” de se espalharem ao comprido. Entre as várias respostas dadas pelos miúdos, passou-se por todas as cores do arco-íris, do amarelo ao preto, até se chegar ao António que disse de forma contundente: “se o cavalo é branco, é branco. Qual é a dúvida?” Parece que a coisa terminou no recreio da escola, com o Samuel a apertar os colarinhos ao António, gritando: “Oh seu grande ignorante, então não sabes que o cavalo branco do Napoleão é lilás, pá!?”

 

 

 Outras notícias - Opinião


As nossas vozes - josé mota pereira »  2020-07-27  »  José Mota Pereira

Muitas vezes, a comunicação social local é acusada de ser um instrumento ao serviço do caciquismo.

 Outras tantas vezes, também não é difícil de desmentir que a comunicação social local e regional (jornais e rádios) é apenas páginas de jornais ou horas de rádio vazias desprovidas de conteúdo ou interesse.
(ler mais...)


E se António Rodrigues? »  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia

Se António Rodrigues não se candidatar à presidência do Município, Pedro Ferreira será, sem dificuldade, reeleito. A entrada de António Rodrigues na corrida poderá, contudo, perturbar o passeio dos socialistas.
(ler mais...)


TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira »  2020-07-18  »  José Mota Pereira

Em 1985, as pessoas da zona alta vinham à vila. E diziam-no quando vinham ao centro! Ainda hoje, passados 35anos, vem-se à vila. Eram bem diferentes os limites físicos. A vila terminava junto à capela de Santo António e todas as urbanizações circundantes à Av.
(ler mais...)


530 mil - rui anastácio »  2020-07-18  »  Rui Anastácio

É o número de jovens que abandonaram o país nos últimos 10 anos.

Perante este número, é impossível não concluir que somos um país falhado. Não somos só um país falhado.
(ler mais...)


Zona industrial em Riachos - antónio gomes »  2020-07-18  »  António Gomes

As zonas industriais são espaços de ordenamento do território. Só com a sua implementação se consegue evitar a construção de empresas em locais que se destinam a outros fins e que não estão minimamente preparados para receber determinado tipo de actividades.
(ler mais...)


Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela »  2020-07-18  »  Mariana Varela

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção.
(ler mais...)


Por onde ir? - acácio gouveia »  2020-07-18  »  Acácio Gouveia

É gratificante apercebermo-nos de que há jovens que canalizam a sua irrequietude para o pensamento crítico e para opinar sobre política. O texto da jovem Mariana Varela é um bom ponto de partida para discussão sobre perspectivas de alternativas ao caminho actual do mundo.
(ler mais...)


Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes »  2020-07-18  »  João Carlos Lopes

1. Ser cidade não vale um caracol, não acrescenta uma vírgula a nenhum campeonato. Em Portugal, “cidade” não é nenhuma categoria político-administrativa, tratando-se de um título meramente honorífico.
(ler mais...)


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia E se António Rodrigues?
»  2020-07-18  »  José Mota Pereira TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  João Carlos Lopes Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes
»  2020-07-27  »  José Mota Pereira As nossas vozes - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  Mariana Varela Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela