• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 18 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 14° / 5°
Céu nublado
Seg.
 11° / 4°
Períodos nublados
Dom.
 15° / 6°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  18° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Eu é que sei

Opinião  »  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro

"A versão “Eu já sei” é uma variante do “Eu é que sei” menos agressiva e absolutista"

Vinha a ouvir no rádio do carro a rubrica “Eu é que sei!” A ideia passa por lançar perguntas às crianças para elas opinarem sobre o que pensam de cada temática. Eu é que sei…. “O que é um estetoscópio”, “porque há pessoas boas e más”, “porque as pessoas usam malas”, “porque é que as aranhas têm 8 olhos” , “o que é um pirilampo”, “para que serve a manete de mudanças.” Questões de elevada relevância, às quais a criançada responde com toda a certeza sobre as suas evidentes incertezas. À pergunta de “Quais são os teus direitos?” o miúdo responde “Direito de comer alguma coisa boa, mas gosto mais de brincar com as Nerfs”(?). Ainda atordoado com as desarmantes respostas, fui almoçar integrado num grupo numeroso e ali entre a sopa de coentros e o bacalhau com natas ouvi, saído de um dos cantos da mesa, um sonoro: “Cala-te lá, eu é que sei!” Espera aí, será que a rubrica da rádio entrou no nosso almoço? Espreitei para ver quem lançou essa certeza, à espera de ver um miúdo a falar com propriedade do tema “o que é uma chiclete?” e verifiquei que se tratava de um calmeirão de fato e gravata. Falou muito, mesmo muito. A defesa da sua ideia estava a ser extensa e intensa. Esbracejava de forma emotiva como se de uma apresentação de tese de doutoramento se tratasse e, sempre que alguém se preparava para entrar na contenda, ouvia: “espera aí que não terminei!” E se aquilo demorou tempo a terminar. Quando finalmente veio a conta lá o tipo se calou (a conta costuma despertar uma certa letargia). A praga do “Eu é que sei” instalou-se nas sociedades atuais e veio para ficar. A contundência do “Eu é que sei” não dá margem de manobra ao outro de ripostar. O “Eu é que” atribui um regime de exclusividade do conhecimento; mais ninguém sabe o que eu sei, por que Eu É que sei. O inabalável saber extermina a hipótese de saber do outro. E não confundir o “Eu é que sei” com o “Eu acho que sei”. O segundo coloca a hipótese de poder não saber, o primeiro sabe que não existe hipótese de não saber; Acha que caiu dentro de um caldeirão cheio de enciclopédias Larousse quando era pequenino e já não precisa de ler mais nenhuma página. A rubrica da rádio é adequada por revelar uma situação bem atual. Temos as escolas cheias de miúdos “Eu é que sei”, mesmo antes de saberem coisa alguma. Miúdos, cujo ego foi sendo insuflado ao longo da sua curta vida, e cujo pico de sobranceria descamba no “Eu é que sei”. A criança é que sabe, porque o adulto lhe foi dizendo, de forma sucessiva “não queres comer a sopa? Tu é que sabes”; “queres fazer birra quando não te compramos o Kinder? tu é que sabes”; “não gostas de emprestar brinquedos ao Zéquinha? Tu é que sabes”, “não queres arrumar a loiça do jantar? Tu é que sabes”, “queres ir apanhar uma piela com os amigos? Tu é que sabes”, “achas que a professora de Filosofia é uma chata? Tu é que sabes”, “queres estar o dia inteiro em frente ao telemóvel? Tu é que sabes”. E a criança ficou mesmo a saber tudo com extrema propriedade.
A versão “Eu já sei” é uma variante do “Eu é que sei” menos agressiva e absolutista. No “Eu já sei”, não elimino o conhecimento do outro, apenas igualo. “A função quadrática da matemática? Ó stora, escusa de explicar mais porque eu já sei essa treta toda!”. No “Eu é que sei”, se o resultado da função trigonométrica não for o esperado, a única hipótese recai sobre o evidente erro da Stora a corrigir tão imaculada solução. O “Eu é que sei” acredita nas suas próprias soluções. No entanto, algumas vezes (raras), a verdade absoluta do “Eu é que sei” esbarra em fontes de conhecimento difíceis de contestar. Ao discutir futebol com um Mourinho, Culinária com um Avilez ou importação de café com um Nabeiro, o “Eu é que sei” transforma-se em “Esta análise vem corroborar o que eu já aplicava há algum tempo!” O professor catedrático instalado no interior do seu ego, impede-o de admitir “Oh Mourinho, esse plano de treino táctico é fabuloso, nunca tinha pensado nisso!”
Vamo-nos cruzando no nosso quotidiano com muitos “Eu é que sei”, sejam eles crianças, jovens ou adultos. Malta enclausurada no seu hermético conhecimento, com alguma carência nos sistemas de recepção de informação e grande fluência nos sistemas de expulsão de bitaites; ouvem pouco, falam muito; sabem pouco, acham muito.
Pesquisei de novo a rubrica da rádio “Eu é que sei” e encontrei a pergunta “De que cor é o cavalo branco de napoleão?” Queria uma fácil, uma que não desse azo aos mais proeminentes “Eu é que sei” de se espalharem ao comprido. Entre as várias respostas dadas pelos miúdos, passou-se por todas as cores do arco-íris, do amarelo ao preto, até se chegar ao António que disse de forma contundente: “se o cavalo é branco, é branco. Qual é a dúvida?” Parece que a coisa terminou no recreio da escola, com o Samuel a apertar os colarinhos ao António, gritando: “Oh seu grande ignorante, então não sabes que o cavalo branco do Napoleão é lilás, pá!?”

 

 

 Outras notícias - Opinião


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)


O PDM e a sua revisão »  2019-12-20  »  António Gomes

Parece que é desta. Ao fim de dezoito anos, o processo de revisão do PDM de Torres Novas dá sinais. Foi preciso o governo ameaçar com cortes nas receitas às autarquias que não completarem a revisão deste importante instrumento de ordenamento do território em 2020, para se iniciar tão importante tarefa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?